Incidência e mortalidade da febre amarela no Estado do Pará / Incidence and mortality of yellow fever in Pará State

Amanda de Paula, Clea Nazare Carneiro Bichara, Denile Lima de Oliveira, Fernanda Cristina de Oliveira Albuquerque, Geison Victor Gonçalves Silveira, Helena Lins Viana, Silas José Guimarães Pantoja Cardoso, Vitor Ferreira Baia

Abstract


Introdução: A Febre Amarela (FA) é uma doença infecciosa febril aguda causada por vírus do gênero Flavivirus pertencente à família Flaviviridae  e é considerada uma endemia no Brasil. Apesar da sua importância clínica e epidemiológica, há uma subnotificação do agravo devido o aparecimento subclínico inespecífico na maior parte dos pacientes, além de uma elevada mortalidade (quando os sintomas graves estão presentes). Dessa forma, esse estudo visa coletadar dados acerca da incidência e mortalidade da febre amarela no estado do Pará, a fim de gerar subsídios científicos que aumente a eficácia das políticas adotadas para seu combate. Metodologia: Os pesquisadores acessaram o sistema DATASUS para recolher os dados disponíveis sobre a incidência e mortalidade de Febre Amarela no Estado do Pará no período de 2010 à 2019. Resultados e discussão: No período analisado, verifica-se que a Febre Amarela apresenta números relativamente baixos na Região Norte (consequentemente no Pará), o que pode ter relação com a subnotificação presente nessas localidades. Conclusão: há a demonstração da suma importância de trabalhos que mapeiem o atual panorama epidemiológico das regiões, visando beneficiar o conhecimento tanto da população quanto dos serviços de saúde a respeito da realidade local, para que assim, possa haver melhor assistência à comunidade, principalmente da região Norte, que padece de serviços estratégicos de saúde.

 


Keywords


Febre Amarela, Mortalidade, Serviços de Vigilância Epidemiológica.

References


BRASIL. Conselho Regional de Farmácia do Paraná. Boletim do Centro de Informação sobre Medicamento: Orientações sobre a Febre Amarela. Edição nº 01. Brasil: CRF-PR,2018.Disponívelem https://www.crf-pr.org.br/uploads/revista/32168/o1lwAQiXBywlVzBOAAIduFubFtSUpJNm.pdf

BRASIL. Ministério da Saúde. Monitoramento do período sazonal da febre amarela: Brasil 2018/2019. Informe n° 03 – 2018/2019. Brasil: MS, 2019. Disponível em http://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2019/janeiro/28/informe-FA-n.3-21jan19.pdf

BRASIL. Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Portaria NO - 204, de 17 de fevereiro de 2016. Brasil: MS, 2016. Disponível em http://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2018/abril/25/Portaria-n 2014-de-17--

Fevereiro-2016.pdf

BRASIL. Ministério da Saúde. Programa Nacional de Imunizações. Calendário Nacionalde Vacinação 2018. Disponível em https://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2018/julho/11/Calendario-de

Vacinacao-2018.pdf

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Febre amarela: guia para profissionais de saúde / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde. – 1. ed., atual. – Brasília : Ministério da Saúde, 2018.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Coordenação-geral de desenvolvimento da epidemiologia em serviços. Guia de Vigilância em Saúde. 3º edição, volume único. Brasil: MS, 2019. Disponível em http://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2019/junho/25/guia-vigilancia-saude- volume-unico-3ed.pdf

BRASIL. Sociedade Brasileira de Imunizações. Calendário Vacinal SBIm: Gestantes 2019-2020. Disponível em https://sbim.org.br/images/calendarios/calend-sbim- gestante.pdf

BRASIL. Sociedade Brasileira de Infectologia. Febre amarela: informativo para profissionais de saúde. Brasil: SBI, 2017. Disponível em https://www.infectologia.org.br/admin/zcloud/125/2017/02/FA_ _Profissionais_13fev.pdf

CAVALCANTE, Karina Ribeiro Leite Jardim; TAUIL, Pedro Luiz. Características epidemiológicas da febre amarela no Brasil, 2000-2012. Rev. Epidemiol. Serv. Saúde, n. 25, v. 1, Jan-Mar 2016.

COTTA, Rosângela de Oliveira. Análise dos casos notificados de febre amarela no Brasil entre janeiro e maio de 2017 / Rosângela de Oliveira Cotta – Belo Horizonte: ESP – MG, 2017.

FERREIRA K.V. et al. Histórico da febre amarela no Brasil e a importância da vacinação antiamarílica. Arquivos Brasileiros de Ciências da Saúde, v. 36, n.1, p. 40- 47, abri, 2011.

FERREIRA, Fernanda Lima et al. Prevenção e promoção da saúde em área endêmica de febre amarela - relato de experiência. IV Seminário Científico da FACIG e II Jornada de Iniciação Científica da FACIG, 2018.

FREITAS, Patrícia da Silva. Febre Amarela no Brasil no período de 2004 a 2017 e a produção nacional de vacina. 2017. 75 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Especialização em Tecnologia Industrial Farmacêutica) - Instituto de Tecnologia em Fármacos / Farmanguinhos, Fundação Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, 2017.

LEITE, Alberto Andrade; ERRANTE, Paolo Ruggero. Aspectos clínicos, prevenção e epidemiologia da Febre Amarela no Brasil. Rev. UNILUS ensino e pesquisa, v. 14, n, 34, 2017.

LIMA, Dinair Couto. Risco de reurbanização da febre amarela no Brasil facilitada por população competente de mosquitos do gênero Aedes. 2017. 113 f. Tese (Doutorado em Biologia Parasitária)- Fundação Oswaldo Cruz, Instituto Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, 2017.

LIPOVETSKY, J. V. C. et al. Perfil epidemiológico dos casos de febre amarela no brasil – 2017. XIX encontro iniciação científica e Iv mostra de extensão. 2017.

NOMURA, Ákissy Aline Uchiyama. Cobertura vacinal e freqüência de óbitos por febre amarela nas macrorregiões do Brasil. Pesquisa UNIFIMES, 2018.

NORONHA T. G.; CAMACHO L. A. B. Controvérsias sobre a ampliação das áreas com vacinação de rotina contra a febre amarela no Brasil. Cad. Saúde Pública, v. 33, n. 10, 2017.

SILVA A.C. et al. Febre Amarela. Revista Brasileira de Análises Clínicas. 2018. Disponível em http://www.rbac.org.br/artigos/febre-amarela/

SOUZA, F. A. P. et al. febre amarela: visão atual sobre controle, diagnóstico e tratamento. Rev. Biomedicina, v. 3, n. 1, 2018.

SOUZA, T. S. et al. Ocorrência de febre amarela no Brasil: uma revisão integrativa da literatura (2014-2018). Rev. Eletrônica Acervo Saúde, 2019.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. International health regulations. 2nd Ed. Geneva: World Health Organization, 2005.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n3-147

Refbacks

  • There are currently no refbacks.