Relação do índice de Apgar com o uso de anticonvulsivantes na alta hospitalar / Relation of the Apgar score with the use of anticonvulsants at hospital discharge

Mariana Siqueira Passos, Izailza Matos Dantas Lopes

Abstract


Introdução: O índice de Apgar é um sistema para avaliar o estado clínico do recém-nascido no 1º, no 5º e no 10º minutos de vida, que tem como critérios: frequência cardíaca, esforço respiratório, coloração da pele, tônus muscular e irritabilidade reflexa. Existe uma correlação entre um baixo Apgar e a ocorrência da asfixia perinatal, que tem como consequência a encefalopatia hipóxico isquêmica e crises convulsivas, necessitando, nos casos de convulsão, da prescrição de anticonvulsivantes para reduzir o metabolismo cerebral. Objetivo: Avaliar a relação do índice de Apgar com a prescrição de anticonvulsivante para os recém-nascidos na alta hospitalar em uma maternidade filantrópica de Aracaju-SE, de janeiro de 2020 a janeiro de 2021. Métodos: Estudo transversal, observacional, retrospectivo e descritivo, realizado durante um ano a partir de dados obtidos através de revisão dos prontuários de papel. O tratamento estatístico foi realizado através de frequência simples e percentual, com seus respectivos intervalos de confiança, por meio dos softwares SPSS e R Studio. O teste Qui-Quadrado (p<0,05) foi utilizado para verificar as relações de independência entre duas variáveis. Resultados: Foram analisados 198 prontuários e incluídos na pesquisa 186 deles, sendo que 2 prontuários não traziam a informação do Apgar aos 5 minutos de vida. 148 neonatos obtiveram Apgar adequado no 1º minuto e 158 no 5º minuto. 51 mães possuíam ensino médio completo, 62% dos partos foram normais e 130 mães fizeram o pré-natal adequado. 51% apresentaram peso baixo ou insuficiente, enquanto 38% apresentaram peso adequado; 61 neonatos evoluíram com asfixia neonatal, 59 com convulsão e 57 tiveram alta hospitalar sob uso de anticonvulsivante. 20% das crianças com Apgar 1’ normal e 22% das crianças com Apgar 5’ normal tiveram convulsão e usaram anticonvulsivantes. Conclusão: Os índices de Apgar 1’ e Apgar 5’ não possuem ligação de dependência com a escolaridade, o tipo de parto e a quantidade de consultas pré-natal das mães, mas atuam como fator preditivo do prognóstico neurológico do neonato, pois possuem relação de dependência com a ocorrência de convulsão e uso de anticonvulsivantes na alta hospitalar, em casos de Apgar baixo.


Keywords


Anticonvulsivante, Asfixia, Convulsões, Índice de Apgar, Encefalopatia hipóxico-isquêmica, Neonato

References


AMERICAN ACADEMY OF PEDIATRICS. The Apgar Score. Pediatrics, [s.l.], v. 136, n. 4, p.819-822, 28 set. 2015. American Academy of Pediatrics (AAP). http://dx.doi.org/10.1542/peds.2015-2651.

BRASIL. Ministério da Educação. EBSERH. Protocolo Clínico (PC): “Condutas Médicas na Asfixia Perinatal e Encefalopatia Hipóxico-Isquêmica”. Hospital de Clínicas da Universidade Federal do Triângulo Mineiro (HC-UFTM), Divisão Médica (DM), Uberaba, 2019, 22p.

Brasil, Ministério da Saúde. Banco de dados do Sistema Único de Saúde - DATASUS. Disponível em http://www.datasus.gov.br. Acesso em 30 abr. 2021.

BRASIL. Secretaria de Atenção À Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas (ed.). Atenção à saúde do recém-nascido: guia para os profissionais de saúde. 2. ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2012. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/atencao_saude_recem_nascido_profissionais_v1.pdf. Acesso em: 28 dez. 2020.

BURNS, D.R.; CAMPOS JÚNIOR, D.; SILVA, L.R.; BORGES, W. Tratado de Pediatria: Sociedade Brasileira de Pediatria, Volume 2, 4ª edição. Barueri, SP: Manole, 2017.

CAMPOS JÚNIOR, D.; BURNS, D.R.; LOPEZ, F.A. Tratado de Pediatria: Sociedade Brasileira de Pediatria, 3ª edição. Barueri, SP: Manole, 2014.

GUNN, A.J.; THORESEN, M. Neonatal encephalopathy and hypoxic–ischemic encephalopathy. Handbook Of Clinical Neurology, [s.l.], p. 217-237, 2019. Elsevier. http://dx.doi.org/10.1016/b978-0-444-64029-1.00010-2.

HAUSER, S.; JOSEPHSON, S. Neurologia Clínica de Harrison. 3. ed. Porto Alegre: AMGH, 2015.

KATZUNG, B.G.; MASTERS, S.; TREVOR, A.J. Farmacologia Básica e Clínica. 13. ed. Porto Alegre: AMGH, 2017.

NOZAR, M.F. et al. Factores asociados con bajo puntaje de Apgar en la maternidad del Centro Hospitalario Pereira Rossel. Anales la Facultad de Medicina, [s.l.], v. 6, n. 1, p.35-44, 1 jun. 2019. Universidad de la República Uruguay. http://dx.doi.org/10.25184/anfamed2019v6n1a1.

PERSSON, M. et al. Five and 10 minute Apgar scores and risks of cerebral palsy and epilepsy: population based cohort study in sweden. Bmj, [s.l.], p. 207-214, 7 fev. 2018. BMJ. http://dx.doi.org/10.1136/bmj.k207.

PLATT, M.W. Validation for Dr Apgar’s score. Archives Of Disease In Childhood, [s.l.], v. 104, n. 1, p. 1-2, 5 maio 2018. BMJ. http://dx.doi.org/10.1136/archdischild-2018-315176.

RAINALDI, M.A.; PERLMAN, J.M. Pathophysiology of Birth Asphyxia. Clinics In Perinatology, [s.l.], v. 43, n. 3, p. 409-422, set. 2016. Elsevier BV. http://dx.doi.org/10.1016/j.clp.2016.04.002.

RAZAZ, N.; CNATTINGIUS, S.; JOSEPH, K. Association between Apgar scores of 7 to 9 and neonatal mortality and morbidity: population based cohort study of term infants in Sweden. Bmj, [s.l.], p.1656-1662, 7 maio 2019. BMJ. http://dx.doi.org/10.1136/bmj.l1656.

SANTOS, N.C.P. et al. Factors associated with low Apgar in newborns in birth center. Rev Bras Enferm. 2019; 72 (Suppl 3): 297-304. http://dx.doi.org/10.1590/0034-7167-2018-0924.

SÃO PAULO. Sonia Isoyama Venâncio. Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo. Manual de Neonatologia: linha de cuidado. 2. ed. São Paulo: Edson Fonseca, 2018. Disponível em: http://saudeemacao.saude.sp.gov.br/crianca-2/encefalopatia-hipoxico-isquemica/. Acesso em: 28 dez. 2020.

SBP, Sociedade Brasileira de Pediatria. Reanimação do recém-nascido ≥ 34 semanas em sala de parto: Diretrizes 2016 da Sociedade Brasileira de Pediatria. São Paulo, 2016. Disponível em: www.sbp.com.br/reanimacao. Acesso em: 30 abr. 2021.

TAN, S.; DAVIS, C. Virginia Apgar (1909–1974): Apgar score innovator. Singapore Medical Journal, [s.l.], v. 59, n. 7, p.395-396, jul. 2018. Singapore Medical Journal. http://dx.doi.org/10.11622/smedj.2018091.

TIEMEIER, H.; MCCORMICK, M.C. The Apgar paradox. European Journal Of Epidemiology, [s.l.], v. 34, n. 2, p.103-104, 13 dez. 2018. Springer Science and Business Media LLC. http://dx.doi.org/10.1007/s10654-018-0466-9.

TOURINHO, A.B.; REIS, L.B.S.M. Peso ao Nascer: Uma Abordagem Nutricional. Com. Ciências em Saúde. Distrito Federal. p.19-30. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/periodicos/revista_ESCS_v23_n1_a02_peso_ao_nascer.pdf. Acesso em: 14 jan 2021.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n3-121

Refbacks

  • There are currently no refbacks.