Análise Biológica e Sociocultural acerca do manuseio da pedra sabão (Esteatito) no Município de Ouro Preto - MG / Biological and sociocultural analysis about the handling of soapstone (Steatite) in the city of Ouro Preto - MG

Ruggeri Oliveira Sales Azeredo, Tales Tomé Lemos, José Eustáquio De Assis Júnior, Marcos Vinícius de Oliveira Silva, Bruno Demartini Carvalho

Abstract


INTRODUÇÃO: A pedra sabão (esteatito) faz parte da cultura de Ouro Preto e região desde a época do Brasil Colônia e foi eternizada nas obras artesanais de Antônio Francisco Lisboa, o Aleijadinho, conferindo o título de patrimônio histórico da humanidade a Ouro Preto. Não há necessidade de ir a Ouro Preto para conhecer os produtos derivados da pedra sabão, pois seus resíduos podem ser encontrados em produtos como cerâmica, tecidos, medicamentos, inseticidas, cosméticos, sabões e tintas. A beleza e versatilidade desse minério, entretanto, esconde sua face nefasta, no processo de extração e de manufatura. A exposição acumulativa à poeira de talco pode desencadear um quadro de pneumoconiose, como a talcose, doença pouco estudada no Brasil e que se caracteriza pela fibrose pulmonar progressiva e irreversível, podendo se manifestar anos após o início da exposição. Trabalhadores, artesãos e suas famílias se tornam vítimas progressivas dessas morbidades, por não terem conhecimento desse dano e por não contarem com condições mínimas de segurança. OBJETIVOS: Analisar, baseando-se em revisão da literatura, as consequências biológicas e socioculturais relacionadas à extração e beneficiamento da pedra sabão no município de Ouro Preto-MG e propor soluções. DISCUSSÃO: A pedra sabão é uma rocha compacta, metamórfica, composta basicamente de filossilicato de magnésio hidratado, o talco, apesar de conter muitos outros minerais. Em função de sua composição, a pedrasabão, ao ser manipulada, torna-se uma grande geradora de resíduos, seja pela extração ou pelo esculpimento. Análises feitas nas áreas de extração da pedra-sabão, assim como nos locais de beneficiamento e regiões vizinhas, indicam uma quantidade de material particulado muito superior aos níveis seguros à saúde humana. Contudo, a extração de pedra sabão continua sendo a forma de sustento de famílias de artesãos em Ouro Preto, porém, os benefícios financeiros são pequenos quando comparados aos problemas que as práticas descontroladas de extração e beneficiamento de pedra sabão podem causar. CONCLUSÃO: Faz-se necessário intensificar a fiscalização na região para coibir a exploração inadequada da mão de obra local, principalmente infantil. Por se tratar de um patrimônio cultural transmitido entre os membros daquela região, há a necessidade de regularizar a situação dos trabalhadores dando-lhes condições seguras para exercerem o artesanato. Os jovens da região podem ser inseridos em programas, como o Menor Aprendiz, que lhes garantirão o direito de permanecerem exercendo a prática de artesanato, além de direitos trabalhistas como remuneração, férias, FGTS e acesso de suas famílias a programas sociais do governo municipal, estadual e federal. Também são necessárias ações de controle e prevenção dessas doenças no ambiente de trabalho, principalmente com o uso de EPIs e instruções para o manuseio correto da pedra sabão, bem como o desenvolvimento de ações de vigilância ambiental e saúde do trabalhador. Problemas como estes precisam ser adequadamente enfrentados no âmbito da abordagem da saúde pública, para se obter uma aproximação da realidade epidemiológica da doença.


Keywords


talco, pneumoconiose, saúde pública.

References


BEZERRA, Olívia Maria de Paula Alves; DIAS, Elizabeth Costa; GALVAO, Márcio Antônio Moreira and CARNEIRO, Ana Paula Scalia. Talcose entre artesãos em pedra-sabão em uma localidade rural do Município de Ouro Preto, Minas Gerais, Brasil. Cad. Saúde Pública [online]. 2003, vol.19, n.6, pp. 1751-1759. ISSN 1678-4464. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2003000600019. Acesso em 05 de fevereiro de 2016.

CASARA, M., Vignes, S. A idade da pedra. São Paulo: Revista Observatório Social, jan. 2.006, n.9. Disponível em: http://www.observatoriosocial.org.br/sites/default/files/08-01-2006_01-er09-a_idade_da_pedra.pdf. Acesso em 10 fev. 2016.

CASTRO, Hermano Albuquerque de; SILVA, Carolina Gimenes da and VICENTIN, Genésio. Estudo das internações hospitalares por pneumoconioses no Brasil, 1984-2003. Rev. bras. epidemiol. [Online]. 2005, vol.8, n.2, pp. 150-160. ISSN 1980-5497. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S1415-790X2005000200007. Acesso em 10 de fevereiro de 2016.

LOYOLA, Rosinelle Castelo Branco Ramos et al. Efeitos respiratórios da exposição ao talco industrial em ex-trabalhadores de mineração. Rev. Saúde Pública [online]. 2010, vol.44, n.3, pp. 541-547. Epub May 21, 2010. ISSN 0034-8910. Disponivel em: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102010005000017. Acesso em: 08 de fevereiro de 2016




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n3-106

Refbacks

  • There are currently no refbacks.