Concepções de acadêmicos sobre fertilização In Vitro na formação da enfermagem e da saúde/ Academics` conceptions on In Vitro fertilization in the formation of nursing and health

Daiane Raquel Kist, Analidia Petry, Vera Elenei da Costa Somavilla

Abstract


A fertilização in vitro vem repercutindo na formação da enfermagem e da saúde, visto que a infertilidade é um problema de saúde em potencial. O estudo visa identificar aspectos relacionados à compreensão de acadêmicos de saúde em formação sobre a realização da fertilização in vitro e problematizar as perspectivas da atuação profissional. Os dados são um recorte de um trabalho de conclusão de curso de graduação em enfermagem realizado de agosto a novembro de 2015. Foi analisado o discurso de onze acadêmicos de quatro cursos da área da saúde que participaram do Grupo Focal. Para tratamento dos dados, adotou-se o mapa de associação de ideias. Emergiram múltiplas percepções dos sujeitos em relação ao tema proposto, entre elas o interesse por momentos problematizadores na formação. O estudo indica a necessidade de gerar espaços de discussão que tratem de assuntos que não fazem parte da grade curricular da enfermagem e da saúde. 


Keywords


fertilização in vitro, educação em enfermagem, pesquisa interdisciplinar .

References


Redlara. Red Latinoamericana de Reproducción Asistida. Glossário revisado da terminologia das técnicas de reprodução assistida (TRA). Comitê Internacional para normatização da Tecnologia Reprodutiva Assistida (ICMART) e Organização Mundial da Saúde (OMS). 2010.

Anvisa. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. 10º Relatório do Sistema Nacional de Produção de Embriões – SisEmbrio, 2016.

Brasil. Resolução n 23, de 27 de maio de 2011.Regulamento Técnico para o funcionamento dos Bancos de Células e Tecidos Germinativos. Ministério da Saúde. Agencia Nacional de Vigilância Sanitária. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/anvisa/2011/res0023_27_05_2011.html. Acessado em: 12 de abril de 2017.

WHO. World Health Organization. Mother or nothing: the agony of infertility. Genebra: WHO, 2010. Disponível em: http://www.who.int/reproductivehealth/public ations/infertility/bulletin_88_12/en/. Acessado em:13 de abril de 2017.

Kapp AM, Freitas D, Miranda EM. Possibilidades para o Desenvolvimento do Processo Formativo dos Docentes no Campo Biotecnológico. In: II Simpósio Internacional de Educação a Distância e o II Encontro de Pesquisadores em Educação a Distância, São Carlos, 2014.

Leopardi MT. Metodologia da Pesquisa em Saúde. 2 ed. Florianópolis : UFSC, 2002.

Goldim JR. Manual de iniciação à pesquisa em saúde. 2 ed. Porto Alegre : Dacasa, 2000.

Laclau E. Universalismo, particularismo y la cuestion de la identidade. Emancipación y diferencia. Lisboa: Difel, 1996.

Minayo MC. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo: Hucitec; Rio de Janeiro: Abrasco 2014.

Gondim SMG. Grupos focais como técnica de investigação qualitativa: desafios e metodológicos. Paidéia, 2003;12(24)

Foucault M. A arqueologia do saber. 8. ed. Rio de Janeiro: Forense-Universitária, 2012. 236 p.

Spink MJP. Linguagem e produção de sentidos no cotidiano. Rio de Janeiro: Centro Edelstein de Pesquisas Sociais, 2010.

Vasconcelos ACF, Stedefeldt E, Frutuoso MFP. Uma experiência de integração ensino-serviço e a mudança de práticas profissionais: com a palavra, os profis¬sionais de saúde. Interface, 2016;20(56):147-58.

Batista BC. Movimentos de reorientação da formação em saúde e as iniciativas ministeriais para as universidades. Revista Barbarói, 2013;1(38):97-125

Rates CMP, Pessalacia JDR. Posicionamento ético de acadêmicos de Enfermagem acerca das situações dilemáticas em saúde. Revista Bioética, 2010.

Paim AS. Iappe NT. Rocha DLB. Metodologias de ensino utilizadas por docentes do curso de enfermagem: enfoque na metodologia problematizadora. Enfermería Global. 2015

Mesquita SKC, Meneses RMV, Ramos DKR 3. Metodologias ativas de ensino/aprendizagem: dificuldades de docentes de um curso de enfermagem. Trab. Educ. Saúde. 2016;14(2): 473-486

Alberti1GF, Schimith MD, Budó MLD, Neves GL, Rosso LF. Atributo do primeiro contato na atenção básica e práticas de cuidado: contribuições para a formação acadêmica do enfermeiro. Texto Contexto Enferm, 2016.

Meira MDD, Kurcgant P. Nursing education: training evaluation by graduates, employers and teachers. Rev Bras Enferm. 2016; 69(1):10-5.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n3-080

Refbacks

  • There are currently no refbacks.