Impacto do tabagismo em pacientes com tuberculose no período de 2008 a 2018 na região centro-oeste / Impact of smoking on tuberculosis patients from 2008 to 2018 in the mid-western region

Maria Luísa Peres Vilela, Carolline Fernandes Araujo Maia, Juliana Alvarenga Prado, Ana Carolina do Prado Mundim

Abstract


INTRODUÇÃO: Estima-se que 1,3 bilhão de pessoas no mundo consuma tabaco, e que a maioria delas vive em países subdesenvolvidos, onde as taxas de tuberculose (TB) também são maiores. Esta doença infectocontagiosa é causada pela bactéria Mycobacterium tuberculosis, que é transmitida pelo ar através de gotículas contendo os bacilos ativos – acometendo, principalmente o sistema respiratório. É sabido que a fumaça do cigarro está relacionada à disfunção ciliar do trato respiratório, diminuindo a resposta imune do indivíduo e favorecendo o desenvolvimento da TB. O tabagismo também está associado ao abandono do tratamento da TB, influenciando diretamente no controle e disseminação da doença. OBJETIVOS: Descrever a proporção dos casos de TB pulmonar associado ao tabagismo na região Centro-Oeste, entre 2008-2018. METODOLOGIA: Foi realizado um corte transversal do número dos casos de tuberculose pulmonar associado ao tabagismo e as taxas de óbito, no período de 2008 a 2018 na região Centro-oeste. Os dados foram retirados do Sistema de Informações Hospitalares do Sistema Único de Saúde disponíveis na plataforma de Informações de Saúde (TABNET). RESULTADOS: Observou-se que no Estado de Goiás há chance de 0,46% de óbito dos tuberculosos tabagistas pela doença e chance de cura de 5,12%, enquanto os tuberculosos não tabagistas possuem chance de 0,72% de óbito e 15,12% de cura. No DF as chances de óbito dos tuberculosos tabagistas foram de 0,12% e a de cura de 2,9%, já os tuberculosos não tabagistas apresentam chance de óbito de 0,17% e de cura de 17,9%. Observou-se no Mato Grosso que a taxa de óbito de tuberculosos tabagistas foi de 0,20% e a de cura de 3,04%, porém os tuberculosos não tabagistas apresentaram taxa de óbito de 0,57% e de cura de 15,8%. No estado do Mato Grosso do Sul, em tuberculosos tabagistas a taxa de óbito foi de 0,27% e de cura de 2,75%, mas nos tuberculosos não tabagistas a taxa de óbito foi de 0,64% e de cura de 13,3%. CONCLUSÃO: Segundo literatura especializada, foi possível constatar que a associação entre tabagismo e TB é importante questão de saúde pública. Não obstante, apesar de não ser o tabagismo o principal fator de se desenvolver TB, observa-se que na região centro-oeste, a chance de cura em tuberculosos não tabagistas é de 19% enquanto em tabagistas é de 4,43%. Apesar das evidências científicas, nota-se a subnotificação e, ainda, que as diretrizes mundiais demonstram pouca informação sobre a necessidade do combate ao tabagismo para melhor controle da TB. O sistema de saúde deve promover o apoio social necessário para mudanças de comportamento em saúde, demonstrando o impacto do fumo sobre as doenças infecciosas. É preciso reconhecer essa associação e inserir a educação em saúde para combater efetivamente o fumo, que trará consequente redução do risco de infecção por tuberculose.


Keywords


tabagismo, tuberculose, centro-oeste.

References


Departamento De Informática do SUS - DATASUS - TABNET -SINAN. Disponível em: http://www2.datasus.gov.br/DATASUS/index.php?area=0203&id=31009407&VObj=ht tp://tabnet.datasus.gov.br/cgi/tabcgi.exe?sinannet/cnv/tuberc Acesso em: 01 de março de 2019.

NOVOTNY, T; et al. HIV/AIDS, tuberculose e tabagismo no Brasil: uma sindemia que exige intervenções integradas. Caderno de Saúde Pública, 2017.

Secretaria da Saúde. Disponível em: http://www.saude.pr.gov.br/modules/conteudo/conteudo.php?conteudo=939 Acesso em: 01 de março de 2019.

SILVA, D. R; et al. Fatores de risco para tuberculose: diabetes, tabagismo, álcool e uso de outras drogas. Jornal Brasileiro de Pneumologia; 44(2):145-152, 2018.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n3-077

Refbacks

  • There are currently no refbacks.