Perfil de infecções oportunistas em pacientes com HIV/AIDS em serviço de atendimento especializado do Município de Aracaju, SE, Brasil / Opportunistic infections in patients with hiv/aids in specialized care service in Aracaju City, SE, Brazil

Fabiana Pereira Guimarães Brito, Herifrania Tourinho Aragão, Millena Luize de Lima Oliveira, Jessy Tawanne Santana, Rubens Riscala Madi, Sônia Oliveira Lima, Cláudia Moura de Melo

Abstract


Justificativa e Objetivos: As infecções oportunistas vêm se mostrando relevantes em pacientes com a síndrome da imunodeficiência humana, por potencializar agravos ao estado clínico. O objetivo desse estudo é analisar o perfil das infecções oportunistas em pacientes HIV/AIDS do Serviço de Atendimento Especializado em Aracaju, SE, Brasil. Metodologia: Pesquisa documental, retrospectiva e transversal a partir dos prontuários de pacientes adultos do Centro de Especialidade Médicas de Aracaju. Resultados: Dos 1201 pacientes analisados, 59,2% eram homens, idade entre 29 e 39 anos, parceiros fixos exclusivos, ensino fundamental. A maioria dos indivíduos realiza terapia antirretroviral (63,3%) e relata infecções oportunistas (19,3%), sendo a monilíase presente em 5,0% dos casos. Episódios de diarreia ocorreram em 30,1% dos pacientes e no exame parasitológico de fezes os protozoários mais prevalentes foram Endolimax nana, Entamoeba coli e Giardia lamblia. Os pacientes com infecções oportunistas e submetidos ao tratamento antirretroviral apresentaram maior chance de diarreia (p>0,05). Conclusão: Assim, como é observado em outras regiões do Brasil, há uma redução da incidência de infecções oportunistas com a utilização da terapia antirretroviral. Porém, novos casos de infecções oportunistas, em ambos os sexos, de predomínio via sexual, continuam a ocorrer, sugerindo a necessidade de melhorias na avaliação e abordagem aos pacientes quanto às terapias disponíveis.


Keywords


Infecções por HIV, Síndrome da Imunodeficiência Adquirida, Infecções Oportunistas, Infecções Parasitárias.

References


BRASIL. Ministério da Saúde. (2013). Boletim Epidemiológico AIDS e DST 2013. [Internet]. Departamento de DST, AIDS e Hepatites Virais/SVS/MS. [acesso em 07jun 2019] Disponível em: http://www.aids.gov.br/sites/default/files/anexos/publicacao/2013/55559/_p_boletim_2013_internet_pdf_p__51315.pdf.

___. Ministério da Saúde. (2019). Boletim Epidemiológico AIDS e DST 2019. [Internet]. Departamento de DST, AIDS e Hepatites Virais/SVS/MS. [acesso em 07 jan 2020] Disponível em: http://www.aids.gov.br/pt-br/pub/2018/boletim-epidemiologico-hivaids-2018.

___. Ministério da Saúde. (2018). Secretaria de Vigilância em Saúde. Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas para Manejo da Infecção pelo HIV em adultos. [Internet]. Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Programa Nacional de DST e AIDS. 7a ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2018. [acesso em 03 jan. 2020] Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/protocolo_clinico_manejo_hiv_adultos.pdf.

___. Ministério da Saúde. (2012). AIDS no Brasil - epidemia estabilizada e concentrada em populações de maior vulnerabilidade. Boletim Epidemiológico AIDS e DST. [Internet]. Departamento de DST, AIDS e Hepatites Virais/SVS/MS. [acesso em 06 jun 2019];Disponível em: http://www.aids.gov.br/sites/default/files/anexos/publicacao/2012/52654/boletim_2012_final_1_pdf_21822.pdf.

Brum JWA, Conceição AS, Gonçalves FVC, Maximiano LHS, Diniz LBMPV, Pereira MN, et al. (2013). Parasitoses oportunistas em pacientes com o vírus da imunodeficiência humana. Rev Bras Clin Med. 11(3):280-288.

Felix G, Ceolim MF. (2012). O perfil da mulher portadora de HIV/AIDS e sua adesão à terapêutica antirretroviral. Rev Esc Enferm USP. 46(4):882-889. doi.org/10.1590/S0080-62342012000400015

Fukomoto AECG, Oliveira CC, Tasca KI, Souza LR. (2013). Evolution of patients with Aids after cART: clinical and laboratory evolution of patients with Aids after 48 weeks of antiretroviral treatment. Rev Inst Med Trop S Paulo. 55(4):267-273. doi.org/10.1590/S0036-46652013000400008.

Gaspar J, Reis RK, Pereira FMV, Neves LAS, Castrighini CC, Gir E. (2011). Qualidade de vida de mulheres vivendo com o HIV/AIDS de um município do interior paulista. Rev Esc Enferm USP. 45(1): 230-236. doi.org/10.1590/S0080-62342011000100032

Gonçalves ZR, Kohn ABK, Silva SD, Louback BA, Velasco LCM, Naliato ECO, et al. (2012). Perfil epidemiológico dos pacientes HIV-positivo cadastrados no município de Teresópolis, RJ. DST - J Bras Doenças Sex Transm. 24(1):9-14. doi. 10.5533/2177-8264-201224105

Grangeiro A, Castanheira ER, Nemes MIB. (2015). A re-emergência da epidemia de AIDS no Brasil: desafios e perspectiva para o seu enfrentamento. Interface – (Botucatu). 19(52):5-6. doi.org/10.1590/1807-57622015.0038

Illela WV, Monteiro S. (2015). Gênero, estigma e saúde: reflexões a partir da prostituição, do aborto e do HIV/AIDS entre mulheres. Epidemiol Serv Saúde. 24(3): 531-540. doi.org/10.5123/S1679-49742015000300019.

Johnson EN, Roediger MP, Landrum ML, Crum-Cianflone NF, Weintrob AC, Anuradha G, et al. (2014). Race/ethnicity and HAART initiation in a military HIV infected cohort. AIDS Res Ther. 11(10):1-10. doi:10.1186/1742-6405-11-10.

Lengongo, JVK, Ngondz, BP, Ditombi, BM, M’Bondoukmé, NP, Ngomo, JMN, Delis, AM et al. (2020). Prevalence and associated factors of intestinal parasite infection by HIV infection status among asymptomatic adults in rural Gabon. Afrr Health Sci. 20(3): 1024-1034. doi: 10.4314 / ahs.v20i3.5.

Lins MEVS, Jesus JB, Oliveira JF, Rêgo GG, Matos AVM, Wanderley NB, et al. (2019). Perfil epidemiológico de óbitos por HIV/AIDS na região nordeste do Brasil utilizando dados do sistema de informação de saúde do DATASUS. Braz. J. Hea. Rev., 2(4): 2965-2973.

Lodo M, Oliveira CGB, Fonseca ALA, Caputto LZ, Packer MLT, Valenti VE, et al. (2010). Prevalência de enteroparasitas em município do interior paulista. Rev Bras Crescimento Desenvolv Hum. 20(3):769-777.

Lourenço GO, Amazonas MCLA, Lima RDM. (2018). Nem santa, nem puta, apenas mulher: a feminização do HIV/AIDS e a experiência de soropositividade. Sex Salud Soc. (30): 262-281. doi.org/10.1590/1984-6487.sess.2018.30.13.a.

Missaye A, Dagnew M, Alemu A, Alemu A. (2013). Prevalence of intestinal parasites and associated risk factors among HIV/AIDS patients with pre-ART and on-ART attending dessie hospital ART clinic, Northeast Ethiopia. AIDS Rev Ther. 10(7):1-9. doi: 10.1186 / 1742-6405-10-7.

Montarroyos UR, Miranda-Filho DB, CésarCC, Souza WV, Lacerda HR, Albuquerque MFPM, et al. (2014). Factors Related to changes in CD4+ T-Cell counts over time in patients living with HIV/AIDS: a multilevel analysis. PLoSOne. 9(2):e84276. doi: 10.1371 / journal.pone.0084276

Neto, CM, Pires, EMC, Brito, CS, Beserra, OLMG, Silva Junior, JF, Mota, JV, et al. (2019). Qualidade de vida no contexto de paciente com HIV/AIDS: um estudo comparativo. Saúde e Pesquisa. 12(2): 333-341. doi.org/10.17765/2176-9206.2019v12n2p333-341

Nsagha DS, Njunda AL, Assob NJC, Ayima CW, Tanue EA, Kibu OD, et al. (2016). Intestinal parasitic infections in relation to CD4(+) T cell counts and diarrhea in HIV/AIDS patients with or without antiretroviral therapy in Cameroon. BMC Infect Dis. 16(9): 1-10. doi: 10.1186 / s12879-016-1337-1.

Pupulin AR, Carvalho PG, Nishi L, Nakamura CV, Guilherme AL. (2009). Enteropatógenos relacionados à diarreia em pacientes HIV que fazem uso de terapia anti-retroviral. Rev. Soc. Bras. Med. Trop. 42(5):551-555. doi.org/10.1590/S0037-86822009000500013

Ravetti CG, Pedroso ERP. (2009). Estudo das características epidemiológicas e clínicas de pacientes portadores do vírus da imunodeficiência humana em Pronto Atendimento do Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Minas Gerais. Rev Soc Bras Med Trop. 42(2):114-118. doi.org/10.1590/S0037-86822009000200004

Saad BM, Subramaniam G, Tan PL. (2013). Awareness and vulnerability to HIV/AIDS among young girls. Procd Soc Behv.(105): 195-203. doi.org/10.1016/j.sbspro.2013.11.020

Sanjar FA, Quiroz BEUP, Miziara ID. (2011) Otolaryngologic manifestations in HIV disease – clinical aspects and treatment. Braz J Otorhinolaryngol. 77(3):391-400. doi.org/10.1590/S1808-86942011000300020

Silva JAG, Dourado I, Brito AM, Silva CAL. (2015). Fatores associados à não adesão aos antirretrovirais em adultos com AIDS nos seis primeiros meses da terapia em Salvador, Bahia, Brasil. Cad Saúde Públ. 31(6): 1188-1198. doi.org/10.1590/0102-311X00106914

Yonah G, Fredrick F, Leyna G. (2014). HIV serostatus disclosure among people living with HIV/AIDS in Mwanza Tanzania. AIDS Rev Ther. 11(5):1-5. doi: 10.1186 / 1742-6405-11-5

Zhang Y, Cooper B, Gui X, Sherer R, Cao Q. (2019a) Clinical diversity of invasive cryptococcosis in AIDS patients from central China: report of two cases with review of literature. BMC Infectious Diseases. 19:1003. doi.org/10.1186/s12879-019-4634-7

Zhang, SX, Kang, FY, C, JX, Geng LL. (2019b). Risk factors for Blastocystis infection in HIV/AIDS patients with highly active antiretrovial therapy in Southwest China. Infect Dis Poverty. 8 (89): 1-8. doi: 10.1186/s40249-019-0596-7




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n3-073

Refbacks

  • There are currently no refbacks.