Aspectos etiológicos e epidemiológicos das meningites bacterianas e virais no estado de São Paulo no período de 2010 a 2019 / Etiological and epidemiological aspects of bacterial and viral meningitis in the state of São Paulo from 2010 to 2019

Jaqueline Leme Sodatti, Jacqueline Fátima Martins de Almeida Moraes, Raquel Machado Cavalca Coutinho, Fernando Ananias

Abstract


Objetivo: Neste trabalho realizou-se um levantamento de dados epidemiológicos e avaliou-se a condição do estado de São Paulo em relação ao impacto gerado pelas meningites virais e bacterianas nos últimos dez anos. Métodos: Refere-se a um estudo observacional descritivo retrospectivo, no qual foi analisado o perfil epidemiológico dos casos de meningites bacterianas e virais, notificados no estado de São Paulo, no período de 2010 a 2019, através de dados fornecidos pelo Sistema de Informação de Agravos de Notificação (SINAN). Resultados: O estado de São Paulo foi o mais predominante no país com 40,7% (74.416/182.680) dos casos no período analisado. A meningite viral foi a mais prevalente, representando 59,3% (44.125/74.416) dos casos, seguida pela meningite bacteriana, com 13,4% (9.981/74.416) dos casos. Em seguida, a meningite pneumocócica com 5,8% (4.292/74.416), meningite meningocócica 4% (3.039/74.416), meningite associada a meningococcemia com 3,4% (2.511/74.416), meningococcemia com 3,2% (2.353/74.416), meningite tuberculosa com 0,8% (587/74.416) e meningite por Haemophilus influenzae com 0,7% (544/74.416). A composição dos outros 9,4% (6.984/74.416) dos casos está relacionada às demais etiologias, que não as bacterianas e virais. A meningite viral apresentou uma baixa letalidade, apesar da alta incidência. As meningites bacterianas se estabeleceram inversamente, produzindo altos índices de letalidade, ainda que com baixa incidência. Conclusão: Apesar do decréscimo do número de casos, a meningite bacteriana continua apresentando um alto percentual de letalidade. A meningite viral apresentou baixa letalidade, apesar dos números expressivos. Ainda que avanços tenham sido implantados nas últimas décadas, ambas as meningites continuam retratando um problema no quesito saúde pública.


Keywords


Meningite. Bactérias. Vírus. Epidemiologia.

References


Christie D, Rashid H, El-Bashir H, Sweeney F, Shore T, Booy R, et al. Impact of meningitis on intelligence and development: A systematic review and meta-analysis. PLoS One 2017; 12 (8): e0175024. DOI: https://doi.org/10.1371/journal.pone.0175024.

Yau B, Hunt NH, Mitchell AJ, Too LK. Blood‒Brain Barrier Pathology and CNS Outcomes in Streptococcus pneumoniae Meningitis. Int J Mol Sci 2018; 19 (11): 3555. DOI: 10.3390/ijms19113555.

D'Amico LA, Saute RL, Barros R, Marrone L. Management of Acute Meningitis in Adults. Acta méd 2015; 36 (9): 879-755. DOI: 10.7861/clinmedicine.18-2-164.

Brouwer MC, Wijdicks EFM, Van de Beek D. What's new in bacterial meningitis. Intensive Care Med 2016; 42 (3): 415-417. DOI: 10.1007/s00134-015-4057-x.

Brasil. Centro Estadual de Vigilância em Saúde: Informativo Meningite [Internet]. 2018 [citado em 2020 jul. 07]. Disponível em: https://www.cevs.rs.gov.br/upload/arquivos/201806/12140457-informativo-epidemiologico-de-meningite-se-23-2018.pdf.

Brasil. Ministério da Saúde. Guia de Vigilância em Saúde [Internet]. 2016 [citado em 2020 Jul 07]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/guia vigilância saúde 1ed atual.pdf.

Brasil. Secretaria de Estado de Saúde. Meningite. 2020 [citado em 25 Out 2020]. Disponível em: https://saude.mg.gov.br/hpv/story/12560-sus-ja-conta-com-nova-vacina-que-previne-quatro-tipos-de-meningite.

Brasil. Ministério da Saúde. Vigilância em Saúde no Brasil 2003-2019 [Internet]. 2019 [citado em 2020 jul. 07]. Disponível em: https://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2019/setembro/25/boletim-especial-21ago19-web.pdf.

Lamarão LM, Gomes MLC, Alves Ferreira LLA, Fonseca CM, Araújo LCB, Santana MB et al. Investigation of enterovirus in cases of aseptic meningitis syndrome of Belém, PA. Rev. Soc. Bras. Med. Trop 2005; 38 (5):391-395. DOI: 10.1590/s0037-86822005000500005.

Filho AMRC, Moreira ASS. Viral Etiology Meningitis and Encephalitis. Revista da Faculdade de Medicina de Teresópolis 2019; 3 (1): 85-95.

Cantu RM, Joe MD. Viral Meningitis. In: StatPearls. Treasure Island (FL): StatPearls Publishing; 2020.

Mohanty T, Fisher J, Bakochi A, Neumann A, Cardoso JFP, Karlsson CAQ et al. Neutrophil extracellular traps in the central nervous system hinder bacterial clearance during pneumococcal meningitis. Nat Commun 2019; 10 (1): 1667. DOI: 10.1038/s41467-019-09040-0.

Cavalheiro AER. Avaliação sistemática entre os dados clínicos das meningites e os achados laboratoriais. São Paulo; s.n.; 2019. 35.

Dazzi MC, Zatti CA, Baldissera R. Perfil dos casos de meningites ocorridas no brasil de 2009 a 2012. Revista Uningá Review, [S.l.], v. 19, n. 3, set. 2014. ISSN 2178-2571.

Teixeira AB, Cavalcante JCV, Moreno IC, Soares IA, Holanda FOA. Meningite Bacteriana: uma atualização. Rev. Bras. Anal. Clin. 2019; 50 (4): 327-329. DOI: 10.21877/2448-3877.201800725.

Brasil. Ministério da Saúde. Sistema Nacional de Vigilância Epidemiológica do Brasil [Internet]. 2009 [citado 2020 jul. 07]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/guia vigilância epidemiológica 7ed.pdf.

Stocco C, Leite ML, Labiak VB, Virgens FJS das, Nascimento É. Influência de variáveis climáticas sobre a incidência de meningite e sua distribuição espacial no município de Ponta Grossa - PR, 2001-2005. Saúde Soc. 2010. Mar; 19 (1): 84-93.

Mount HR, Boyle SD. Aseptic and Bacterial Meningitis: Evaluation, Treatment, and Prevention. Am Fam Physician. 2017; 96 (5): 314-322.

Sztajnbok DCN. Meningite Bacteriana Aguda. Revista Brasileira de Pediatria – SOPERJ. 2012; 13 (2): 72-76.

Başpınar EÖ, Dayan S, Bekçibaşı M, Tekin R, Ayaz C, Deveci Ö et al. Comparison of culture and PCR methods in the diagnosis of bacterial meningitis. Braz. J. Microbiol. 2017; 48 (2): 232-236. DOI: http://dx.doi.org/10.1016/j.bjm.2016.06.014.

Neves RG, Böhm AW, Costa CS, Flores TR, Soares ALG, Wehrmeister FC. Cobertura da vacina meningocócica C nos estados e regiões do Brasil em 2012. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2016; 11 (38):1-10. DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc11(38)1122.

Ministério da Saúde. Guia de Vigilância Epidemiológica [Internet]. Santa Catarina: Secretaria de Vigilância em Saúde; 2009 [citado em 2020 Jul 07]. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/guia_vigilancia_epidemiologica_7ed.pdf.

Hirose TE, Maluf EMCP, Rodrigues CO. Pneumococcal meningitis: epidemiological profile pre- and post-introduction of the pneumococcal 10-valent conjugate vaccine. J. Pediatr. (Rio J.) 2015; 91 (2): 130 -135. DOI: https://doi.org/10.1016/j.jped.2014.07.002.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n3-047

Refbacks

  • There are currently no refbacks.