Caracterização epidemiológica da mortalidade materna no estado do amazonas/ Epidemiological characterization of maternal mortality in amazon state

Raul dos Santos Reis, Anderson Figueiredo Pires, Antônio Wericon Nascimento de Oliveira, Flávia Maia Trindade, Katiúscia Matos Costa Cruz, Regiane Carneiro Bezerra, Tayná Ferreira de Souza, Eline Araújo de Oliveira

Abstract


O elevado número de morte materna demonstra uma das mais graves transgressões aos direitos humanos das mulheres. Valores da mortalidade materna são altos no Brasil, sendo maior do que em países desenvolvidos. O objetivo deste estudo foi caracterizar os óbitos maternos no Amazonas, identificando as principais causas e verificando sua distribuição sociodemográfica. Estudo descritivo, epidemiológico, realizado em Manaus-AM, no ano de 2020, utilizando dados do Departamento de Informática do Sistema Único (DATASUS). Foram identificados 293 óbitos maternos no Amazonas. Cerca de 40,27 (n=118) das mulheres encontravam-se na faixa etária de 20 a 29 anos,  71,67% (n=210) eram da raça parda, 39,25% (n=115) possuíam 8 a 11 anos de escolaridade, 60,75% (n=178) eram solteiras e 53,24% (n=156) eram provenientes do interior do estado. O Amazonas apresenta as mais altas taxas de mortalidade materna em comparação a outros estados, o estudo tem potencial para contribuir com evidencias para a melhoria da assistência.


Keywords


Mortalidade Materna, Assistência à Saúde, Epidemiologia, Obstetrícia.

References


WHO. Maternal mortality: level and trends 2000 to 2017 [Internet]. Sexual and Reproductive Health. 2019. 12 p. Available at: https://www.who.int/reproductivehealth/publications/maternal-mortality-2000-2017/en/

Sombrio SN, Simões PW, Medeiros LR, Silva FR, Silva BR, Rosa MI da, et al. Razão de mortalidade materna na região sul do Brasil no período de 1996 a 2005. Acm [Internet]. 2011;40(3):56–62. Available at: http://www.acm.org.br/revista/pdf/artigos/880.pdf

Dias JMG, Oliveira APS de, Cipolotti R, Monteiro BKSM, Pereira R de O. Maternal mortality. Rev Médica Minas Gerais [Internet]. 2015; 25(2): 173–9. Available at: http://www.rmmg.org/artigo/detalhes/1771

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. Área Técnica de Saúde da Mulher. Manual dos Comitês de Mortalidade Materna. 2a ed. Brasília; 2007

Silva, BG, Lima NP, Silva SG, Antúnez SF et al. Mortalidade materna no Brasil no período de 2001 a 2012: tendência temporal e diferenças regionais. Revista Brasileira de Epidemiologia [Internet]. 2016; 19(3): 484-493. Disponível em https://doi.org/10.1590/1980-5497201600030002

De Lima, THB, Amorim, MM, Buainain Kassar, S. et al. Determinantes do near miss materno em uma maternidade para gestação de alto risco no nordeste do Brasil: um estudo prospectivo. BMC Pregnancy Childbirth 19 [Internet]. 2019, 271. Disponível em: https://bmcpregnancychildbirth.biomedcentral.com/articles/10.1186/s12884-019-2381-9#citeas

BRASIL. Ministério da Saúde. Inquérito Nacional sobre Parto e Nascimento Nascer no Brasil. Sumário Executivo Temático Nascer no Brasil, 2014.

Leal MC, Gama SGN. Nascer no Brasil. Cad. Saúde Pública [Internet]. 2014 ; 30( Suppl 1 ): S5-S5. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2014001300001&lng=en.

Rosendo TMSS, Roncalli AG. Near miss materno e iniquidades em saúde: análise de determinantes contextuais no Rio Grande do Norte, Brasil. Ciênc. saúde coletiva [Internet]. 2016 Jan [citado 2020 Nov 01] ; 21( 1 ): 191-201. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232016000100191&lng=pt.

Felipe ACC, Ansaloni LVS, Martins MV, Sousa MJ, Oliveira RA. Fatores Assistenciais Que Influenciam Nos Altos Índices De Mortalidade Materna Por Hemorragia Puerperal. REVISA. 2020; 9(3): 551- 62. Doi: https://doi.org/10.36239/revisa.v9.n3.p551a562.

Pfitscher, LC, Cecatti, JG, Haddad, SM, Parpinelli, MA, Souza, JP, Quintana, SM, Surita, FG, Costa, ML e (2016), O papel da infecção e sepse na Rede Brasileira de Vigilância de Graves Morbidade Materna. Trop Med Int Health, 21: 183-193. doi: 10.1111 / tmi.12633.

Bartsch E, Medcalf KE, Park AL, Ray JG; High Risk of Pre-eclampsia Identification Group. Clinical risk factors for pre-eclampsia determined in early pregnancy: systematic review and meta-analysis of large cohort studies. BMJ. 2016 Apr 19;353:i1753. doi: 10.1136/bmj.i1753.

Lima DR, Ribeiro CL, Garzon AMM, Henriques TRP, Souza KV de. Análise dos fatores intervenientes da mortalidade materna. Enferm Obs [Internet]. 2016;3:e25. Disponivel em: http://www.enfo.com.br/ojs/index.php/EnfObst/article/view/25.

Freitas GL de. Discutindo a política de atenção à saúde da mulher no contexto da promoção da saúde. Rev. Eletr. Enferm. [Internet]. 1º de junho de 2017 [citado 1º de novembro de 2020];11(2). Disponível em: https://revistas.ufg.br/fen/article/view/47053

Maria H, Claudia M, Aparcida V, Magalhães R. Assistência Pré-Natal E Políticas Públicas De Saúde Da Mulher. Rev Bras Promoção Saúde. [Internet] 2014;28:140–8. Disponivel em: < https://periodicos.unifor.br/RBPS/article/view/2864/pdf>.

Leal MC, Bittencourt SA, Esteves-Pereira AP et al. Avanços na assistência ao parto no Brasil: resultados preliminares de dois estudos avaliativos. Cad. Saúde Pública [Internet]. 35(7): e00223018. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2019000905002&lng=en.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Departamento de Gestão e Incorporação de Tecnologias em Saúde. Diretrizes nacionais de assistência ao parto normal: versão resumida [recurso eletrônico] – Brasília, 2017

BRASIL. Portaria Nº 1.459, de 24 de junho de 2011, institui no âmbito do Sistema Único de Saúde - SUS - a Rede Cegonha. Brasília: Diário Oficial da União. 2011

Brasil. Portaria nº 569, de 1º de junho de 2000, republicada por ter saído com incorreção do original, no DOU nº 110-E, de 8 de junho de 2000, Seção 1, Páginas 4, 5 e 6. Brasília: Diário Oficial da União 2000; 8 jun.

MARTINS, ACS; SILVA LS. Perfil epidemiológico de mortalidade materna. Rev Bras Enf [Internet], 2018; 71(Suppl 1):677-83. Doi: 10.1590/0034-7167-2017-0624.

MOURA, BLA et al. Internações por complicações obstétricas na gestação e desfechos maternos e perinatais, em uma coorte de gestantes no Sistema Único de Saúde no Município de São Paulo, Brasil. Cad. Saúde Pública, 2018; 34(1):e00188016. Doi: 10.1590/0102-311x00188016.

Brasil, TA; D'Angeles, ACR. Perfil da mortalidade materna no município do Rio de Janeiro em 2010. Rev Eletrônica Gestão & Saúde, 2015; 6(1), p.66-78. Disponível em: https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=5556110.

GOMES, JO et al. Perfil Sociodemográfico e clínico de mortalidade materna. Rev Enferm UFPE On Line, 2018; 12(12):3165-71. Doi: 10.5205/1981-8963-v12i12a237316p3165-3164-2018

Batista, HML. Distribuição da mortalidade materna no estado da Paraíba no período de 2007 a 2016. Rev Epidemiol Controle Infecç Santa Cruz do Sul, 2019; 9(4): 330-337. Doi: 0.14295/idonline.v14i51.2614.

Soares, VMN et al. Causas de mortalidade materna segundo níveis de complexidade hospitalar. Rev Bras Ginecol Obst, 2012; 34(12):536-543. Doi: 10.1590/S0100-72032012001200002

Scarton, J et al. Mortalidade materna: causas e estratégias de prevenção. Research, Society and Development, 2020; 9(5): e67953081. Doi: 10.33448/rsd-v9i5.3081.

Folha informativa - Mortalidade materna OPAS. Disponível em: https://www.paho.org/bra/index.php?option=com_content&view=article&id=5741:folha-informativa-mortalidade-materna&Itemid=820

Duarte, MAS et al. Mortalidade materna e vulnerabilidade social no Estado de Alagoas no Nordeste brasileiro: uma abordagem espaço-temporal. Rev Bras Saúde Mater infant, 2020; 20(2): 587-598. Doi: 10.1590/1806-93042020000200014.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n3-032

Refbacks

  • There are currently no refbacks.