Coma Mixedematoso em paciente com síndrome do Eutireoideo doente: um relato de caso / Mixedematosus coma in a patient with Eutireoideous syndrome: a case report

Rayanne Kalinne Neves Dantas, Taiane Oliveira Lima De Andrade Silva, Larissa Silva De Siqueira Figueiredo, Morgan Delmondes Danda Cardoso, Narriane Chaves Pereira De Holanda, Bruno Leandro De Souza

Abstract


Coma Mixedematoso (CM) é uma emergência endocrinológica decorrente do tratamento inadequado do hipotireoidismo, onde o TSH encontra-se bastante elevado, T4 total e livre reduzidos e T3 normal/baixo. Síndrome do Eutireoideo Doente (SED) caracteriza-se pela redução do T3 livre e aumento de sua forma reversa e inativa (rT3). Nesta situação, o TSH pode estar baixo ou alto, dependendo da fase da doença. Formulamos a hipótese que a associação dessas duas condições pode mascarar o diagnóstico laboratorial do CM. Mulher, 62 anos, admitida em UTI por infecção respiratória grave, evoluiu com hiponatremia refratária e rebaixamento de consciência. Apresentava história de Síndrome de Sjögren e Tireoidite de Hashimoto com hipotireoidismo há mais de 10 anos. Em uso de levotiroxina 75mcg/dia desde a admissão. Exame físico: estado geral grave, traqueostomizada, bradipneica (FR: 8irpm), com anasarca, edema palpebral e conjuntival bilaterais, macroglossia, temperatura axilar 35,7ºC e escala de coma de Glasgow 5/15. Ritmo cardíaco regular, bulhas hipofonéticas e frequência cardíaca de 60bpm em vigência de infecção. Murmúrio vesicular presente, com estertores creptantes difusos em bases. Abdome distendido, ruídos hidroaéreos lentificados. Exames laboratoriais: leucocitose com desvio à esquerda, TSH:12mUl/L; T4L:0,8ng/dL; T3:50ng/dL; rT3:53g/dL; sódio sérico entre 119-132mEq/L; potássio:4,1mEq/L; CPK:500U/L. Radiografia de tórax: infiltração pulmonar bilateral; RNM de crânio: lesões microangiopáticas. Três semanas após início da reposição de altas doses de levotiroxina (600mcg/dia), evoluiu com melhora do quadro, reversão da hiponatremia e resolução da infecção pulmonar. Relatamos um caso de CM mascarado laboratorialmente pela possível associação com SED, que pode dificultar o diagnóstico de uma condição potencialmente fatal.


Keywords


Doenças da Glândula Tireoide, Hipotireoidismo, Coma, Mixedema, Síndromes do Eutireoideo Doente

References


Sasazawa DT, Tsukumo DM, Lalli CA. Coma mixedematoso em paciente com neurofibromatose tipo 1: associação rara. Arq Bras Endocrinol Metab 2013; 57 (9): 743-747.

Maciel LMZ. Coma mixedematoso. Medicina Ribeirão Preto 2003; 36 (2/4): 384-388.

Ward LS, Maciel RMB. Valor preditivo da dosagem das iodotironinas na avaliação prognóstica de doentes graves. Rev Assoc Med Bras 1997; 43 (2): 114-118.

Neto AM. Síndrome do Eutireoidiano doente em portadores de Diabetes mellitus: padrão laboratorial e relação com controle glicêmico, complicações e atividade inflamatória. Campinas. Dissertação [Mestrado em Clínica Médica] - Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Estadual de Campinas; 2012.

Rouquayrol, MZ, Silva, MGC. Rouquayrol epidemiologia & saúde. 7. ed. Rio de Janeiro: MedBook, 2013.

Pontes AAN, Rodrigues HGC, Meneguesso AMA. Hipotireoidismo. Rev Bras Med 2012; 69 (12): 21-25.

Oliveira AI, Vinha E, Carvalho-Braga D, Medina JL. Diagnóstico e tratamento do coma mixedematoso: Breve revisão e protocolo de actuação. Rev Port Endocrinol, Diabetes e Metab 2008; 3 (2): 93-97.

Valente O, Atallah AN. Urgências em tireoide. In: Borges DR. Atualização Terapêutica: Diagnóstico e Tratamento. 24a ed. São Paulo: Artes Médicas; 2013. p. 1730-1734.

Castro MPR, Soares JCC. Hipotireoidismo. Rev Bras Med 2014; 71 (12): 100-105

Souza DZB et al. Conduta acerca do hipotireoidismo subclínico. Approach of subclinical hypothyroidism. Braz. J. Hea. Rev., Curitiba, v. 3, n. 5, p. 12935-12945, set./out. 2020.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n3-025

Refbacks

  • There are currently no refbacks.