Os riscos da chlamídea trachomatis em mulheres grávidas e os efeitos dos diferentes fármacos utilizados para o tratamento / the risks of chlamídea trachomatis in pregnant women and the effects of the different drugs used for the treatment

Dayana Bezerra Marques, Neuza Biguinati de Barros, Margareth da Silva Lima

Abstract


Chlamydia trachomatis é considerada um dos principais patógenos associados a doenças de transmissão sexual em todo o mundo. O uso de medicamentos na gestação e lactação sempre representou um desafio, uma vez que implica ação potencialmente danosa não apenas para a mulher, mas também para o feto. A maioria dos fármacos administrados às mulheres grávidas atravessa a barreira placentária e expõe o embrião em desenvolvimento a seus efeitos farmacológicos, nas lactentes, podendo ocorrer a sua transferência para o leite materno. Objetivos: Identificar quais são os riscos da clamídia em mulheres grávidas e os diferentes efeitos dos fármacos utilizados e descrever quais são os fármacos mais utilizados para tratar clamídia durante a gravidez. Metodologia: é uma pesquisa básica, que objetiva gerar conhecimentos novos e úteis para o avanço da ciência. Seus objetivos são exploratórios, cuja finalidade é a de proporcionar mais informações sobre o assunto que foi investigado, possibilitando sua definição e seu delineamento. Quanto à fundamentação teórica, trata-se de um referencial bibliográfico ao passo que utiliza de literaturas científicas disponibilizadas por meio eletrônico. Utilizando-se como técnica de análise de dados a análise de conteúdo interpretativa. Os critérios de inclusão que foram usados são: publicações em português, entre os anos de 2005 a 2020 disponíveis na íntegra. Conclusão: Muitas infecções sexualmente transmissíveis estão associadas a resultados adversos na gravidez. As evidências atuais sobre intervenções com antibióticos individuais para o tratamento de infecção genital por Chlamydia trachomatis na gravidez é limitada aos fármacos Amoxicilina, Azitromicina, Claritromicina, Doxiciclina, Eritromicina e a Tetraciclina que demonstram eficácia no tratamento.


Keywords


Infecções por Chlamydia, Gestantes, Efeitos Colaterais e Reações Adversas Relacionados a Medicamentos.

References


Ángel-Müller, Edith, y Rodríguez, Andrea, y Núñez-Forero, Lilian M., y Moyano, Luisa F., y González, Patricia, y Osorio, Elkin, y Díaz, Luz A., y Rodríguez-Malagón, Nelcy, y Ruiz-Parra, Ariel I., y Tolosa, Jorge E., y Gaitán-Duarte, Hernando, y "Prevalencia y factores asociados a la infección por C. trachomatis, N. gonorrheae, T. vaginalis, C. albicans, sífilis, VIH y vaginosis bacteriana en mujeres con síntomas de infección vaginal en tres sitios de atención de Bogotá, Colombia, 2010." Revista Colombiana de Obstetricia y Ginecología 63, no. 1 (2012):14-24. Redalyc, https://www.redalyc.org/articulo.oa?id=195224186003.

ANVISA. Agência Nacional de Vigilância Sanitária / Ministério da Saúde. Bulário Eletrônico. Bula Amoxicilina Profissional. 2020. Disponível em: . Acesso em: 29 set. 20201

ANVISA. Agência Nacional de Vigilância Sanitária / Ministério da Saúde. Bulário Eletrônico. Bula Azitromicina Profissional, 2009. Disponível em: . Acesso em: 29 set. 20202

ANVISA. Agência Nacional de Vigilância Sanitária / Ministério da Saúde. Bulário Eletrônico. Bula Claritromicina Profissional. Disponível em: . Acesso em: 29 set. 2020.3

ANVISA. Agência Nacional de Vigilância Sanitária / Ministério da Saúde. Bulário Eletrônico. Bula Cloridrato de Tetraciclina Profissional. MEDQUÍMICA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA LTDA. Disponível em: . Acesso em: 29 set. 2020.4

ANVISA. Agência Nacional de Vigilância Sanitária / Ministério da Saúde. Bulário Eletrônico. Bula da Doxiciclina Profissional. Disponível em: . Acesso em: 29 de set. 2020.5

ANVISA. Agência Nacional de Vigilância Sanitária / Ministério da Saúde. Bulário Eletrônico – Bula do Estolato de eritromicina Profissional. Prati-Donaduzzi. Disponível em: . Acesso em: 29 set. 2020.6

BAKKEN, IJ. Chlamydia trachomatis and ectopic pregnancy: recent epidemiological findings. Curr Opin Infect Dis. 2008. Feb. 21(1):77-82. [Medline]. Disponível em: . Acesso em: 19 set. 2020.

BRASIL. Ministério da Saúde. Clamídia: o que é, causas, sintomas, tratamento, diagnóstico e prevenção. 2019. Disponível em: . Acesso em: 19 set. 2020.

CARVALHO, N. S.; PEGORARO, M. G; TAKIMURA, M.; OLIVEIRA, F. C. Jr. Prevalência da Infecção por Chlamydia trachomatis em Parturientes Jovens Atendidas em uma Maternidade Pública. DST - J Bras Doenças Sex Transm. 2010; 22(3):141. Disponível em: . Acesso em: 16 mar. 2021.

CLUVER C, Novikova N, Eriksson DO, Bengtsson K, Lingman GK. Interventions for treating genital Chlamydia trachomatis infection in pregnancy. Cochrane Database Syst Rev. 2017 Sep 22;9(9):CD010485. doi: 10.1002/14651858.CD010485.pub2. PMID: 28937705; PMCID: PMC6483758.

CLIFF, S. J, TABRIZI, S., SULLIVAN, E. A. Chlamydia in the Pacific region, the silent epidemic. Sex Transm Dis 2008; 35: 801-680. Sep;35(9):801-6. doi: 10.1097/OLQ.0b013e318175d885. PMID: 18580823.

COSTA, M. C. et al., Doenças sexualmente transmissíveis na gestação: uma síntese de particularidades. An. Bras. Dermatol. 2010; 85(6):767-85. Disponível em: . Acesso em: 18 de set. 2020.

DIONNE-ODOM J, SUBRAMANIAM A, AARON KJ, GEISLER WM, TITA ATN, MARRAZZO J. High rates of persistent and recurrent chlamydia in pregnant women after treatment with azithromycin. Am J Obstet Gynecol MFM. 2020 Nov;2(4):100216. doi: 10.1016/j.ajogmf.2020.100216. Epub 2020 Aug 18. PMID: 33345925.

FOOD AND DRUG ADMINISTRATION (FDA). Disponível em: . Acesso em: 29 de set. 2020.

FEBRASGO. Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia. Manual de Orientação Doenças Infectocontagiosas. 2010. Disponível em: . Acesso em: 19 set. 2020.

HAGGERTY C. L.; GOTTLIEB S. L.; TAYLOR B. D.; LOW N.; XU F.; NESS R. B. Risco de sequelas após infecção genital por Chlamydia trachomatis em mulheres. The Journal of Infectious Disease 2010; 201 Suplemento 2: S134-55. Disponível em: . Acesso em: 18 set. 2020.

KAZEMI B, SEYED N, BANDEHPOUR M, SHARIFNIA. Z, PAKZAD. P. Cloning, expression and purification of truncated Chlamydia trachomatis outer membrane protein (OMP2) and its application in an ELISA assay. Iran J Immunol 2008; 5: 148-155.

MAJERONI BA, UKKADAM S. Screening and treatment for sexually transmitted infections in pregnancy. Am Fam Physician. 2007 Jul 15;76(2):265-70. PMID: 17695573.

MYLONAS I. Female genital Chlamydia trachomatis infection: where are we heading? Arch Gynecol Obstet. 2012 May;285(5):1271-85. doi: 10.1007/s00404-012-2240-7. Epub 2012 Feb 19. PMID: 22350326.

MOHSENI, M.; SUNG, S.; TAKOV, V.. Chlamydia. In: StatPearls [Internet]. Treasure Island (FL): StatPearls Publishing; 2021 Jan-. Disponível em: . Acesso em: 18 set. 2020.

OAKESHOTT P. et al., Randomised controlled trial of screening for Chlamydia trachomatis to prevent pelvic inflammatory disease: the POPI (prevention of pelvic infection) trial. BMJ (Clinical research ed) 2010; 340: c1642. Disponível em: . Acesso em: 16 de mar. 2021.

PÁEZ-CANRO C, ALZATE JP, GONZÁLEZ LM, RUBIO-ROMERO JA, LETHABY A, GAITÁN HG. Antibiotics for treating urogenital Chlamydia trachomatis infection in men and non-pregnant women. Cochrane Database Syst Rev. 2019 Jan 25;1(1):CD010871. doi: 10.1002/14651858.CD010871.pub2. PMID: 30682211; PMCID: PMC6353232.

RAHMAN KS, KALTENBOECK B. Multi-peptide ELISAs overcome cross-reactivity and inadequate sensitivity of conventional Chlamydia pneumoniae serology. Sci Rep. 2019 Oct 21;9(1):15078. doi: 10.1038/s41598-019-51501-5. PMID: 31636331; PMCID: PMC6803651.

ROTHER, E. T. Revisão sistemática X Revisão narrativa. Acta Paulista de Enfermagem. Escola Paulista de Enfermagem, vol. 20, núm. 2, abril – junho. Brasil, 2007. Disponível em: . Acesso em: 18 set. 2020.

ROURS, I. et al., Chlamydia trachomatis infection during pregnancy associated with preterm delivery: a population-based prospective cohort study. European journal of epidemiology, 2012; 26: 493-502. Disponível em: . Acesso em: 16 de mar. 2020.

SALCEDO, M. M. B. P.; BEITUNE, P.; AYUB, A.C.K.; VANIN, C.M.M.; LAZZARI, J.M.; PESSINI, S.A.; ALMEIDA, S.A.; DIBI, R.P.; LIMA, C.P. Chlamydia trachomatis e gestação. Femina, v. 36, n. 07, p. 431-437, 2008.

SCHWEBKE JR, ROMPALO A, TAYLOR S. Re-evaluating the treatment of nongonococcal urethritis: Emphasizing emerging pathogens-a randomized clinical trial. Clinical Infectious Diseases 2011; 52:163–70.

SHAHAB QURESHI, MD, FACP. Chlamydia (Chlamydial Genitourinary Infections). Sep 25, 2018. Medscape. Disponível em: . Acesso em: 17 set. 2020.

SHULMAN, J. S. Everything You Need to Know About Chlamydia Infection. 2020. Disponível em: . Acesso em: 18 set. 2020.

SMITH, D. S. Bacterial Infections and Pregnancy. Medscape, 11 de sep. 2018. Disponível em: . Acesso em: 16 mar. 2021.

STEPHEN S, MUCHANETA-KUBARA CGE, MUNJOMA MW, MANDOZANA G. Evaluation of Cortez OneStep Chlamydia Rapicard™ Insta Test for the Detection of Chlamydia trachomatis in Pregnant Women at Mbare Polyclinic in Harare, Zimbabwe. Int J MCH AIDS. 2017;6(1):19-26. doi: 10.21106/ijma.150. PMID: 28798890; PMCID: PMC5547222.

STEPHENS AJ, AUBUCHON M, SCHUST DJ. Antichlamydial antibodies, human fertility, and pregnancy wastage. Infect Dis Obstet Gynecol 2011: 525182. doi: 10.1155/2011/525182.

VALLADAO, A. S. et al. Chlamydia trachomatis e suas implicações na reprodução humana. Rev. Inst. Adolfo Lutz (Impr.), São Paulo, v. 70, n. 4, 2011 . Disponível em: . Acesso em: 16 mar. 2021.

ZENILMAN JM. Genital Chlamydia trachomatis infections in women. Disponível em: . (accessed 2021).




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n3-023

Refbacks

  • There are currently no refbacks.