Tratamento tardio da fratura maxilar com restauração da oclusão: Visão clínica / Late treatment of maxillary fracture with restoration of occlusion: Clinical view

Marcus Antonio Brêda Júnior, Janaina Soares da Silva, Darllon Manuel Borges Souza, Rejane Kelly Andrade Beiriz, Hayla Lerner Hora Rocha, Italo Weinne Vieira Binas, Ricardo Viana Bessa Nogueira, Ricardo José de Holanda Vasconcellos

Abstract


A Organização Mundial da Saúde (OMS) considera o trauma uma das principais causas de morte no mundo. Pelo fato da face ser uma área desprotegida da estrutura física, grande parte dos traumas afeta essa região. Os acidentes automobilísticos são os principais fatores etiológicos das fraturas do terço médio da face. O objetivo do tratamento dessas fraturas é fixar e estabilizar os fragmentos, restaurando a dimensão vertical, a oclusão dentária, a função mastigatória e as relações anatômicas, postergando o tratamento resultam em pseudoartrose, que pode necessitar de osteotomias e enxertos ósseos durante a cirurgia de reconstrução. O objetivo deste trabalho é relatar um caso clínico de tratamento tardio de uma fratura do tipo Le fort I, em que foi necessária a osteotomia Le fort I para restaurar a oclusão. Paciente em acompanhamento pós-operatório e sem complicações.

 

 


Keywords


Cirurgia, Fratura maxilar, Le Fort I, Fixação Rígida.

References


SILVA J.J.L; et al. Trauma facial: análise de 194 casos. Rev. Bras. Cir. Plást. (Impr.), v. 26 n.1, 2011.

BEZERRA A.L.D; et al. Perfil epidemiológico dos traumas faciais. Rev Enferm UFPI, v. 6 n. 2, 2017.

HAGE C.A; et al. Traumas faciais e morbidade bucal provocada pela violência em Belém, estado do Pará, Brasil. Rev Pan-Amaz Saude, v. 9 n. 1, 2018.

BAGHERI S.C; et al. Terapias atuais em cirurgia bucomaxilofacial. Ed. Elsevier. Cap. 18, p. 336-340. 2013.

POGREL M.A; et al. Cirurgia bucomaxilofacial. Ed. Santos. Cap. 06, p. 280-281. 2016.

HUPP J.R; et al. Cirurgia oral e maxilofacial contemporânea. Ed. Elsevier. Cap. 26 p. 1116-1250. 2015.

GONZAGA F; et al. Estudo dos Traumas de Face Atendidos e Tratados Cirurgicamente no Hospital Regional de São José Dr. Homero de Miranda Gomes. p. 19-2. 2013.

CRUZ G.A.O; et al. Fraturas Panfaciais: experência do ano 2011. V. 15 n. 2, 2012.

CAVALCANTI A.L; et. Traumatismos Maxilofaciais em Crianças e Adolescentes em Campina Grande, Paraíba, Brasil. Pesq Bras Odontoped Clin Integr. 12(3). 2012.

ARAUJO F.M; et al. Tratamento das fraturas Le Fort III. Ciência Atual. V. 2 n. 10, 2014.

MELO M.R; et al. Tratamento cirúrgico da fratura de maxila: estudo prospectivo de 1 ano em um centro de treinamento em cirurgia crânio-maxilo-facial. Rev. Bras Cir Craniomaxilofac. V. 14 n. 4, 2011.

LIMA N.N.M; et al. Recuperação de sensibilidade após osteotomia le fort i. Rev. JOAC. V. 2 n. 2, 2016.

TEIXEIRA A.L.S; et al. Osteotomia le fort i alta para tratamento de pacientes padrão iii – série de casos clínicos. Braz. J. Surg. Clin. Res. V. 27 n. 1, 2019.

ROCHA N.S; et al. Desvio de septo após osteotomia le fort i. Rev. Cient. OARF. V. 1 n. 1, 2016.

MILORO M; et al. Princípios de cirurgia bucomaxilofacial de Peterson. Ed. Santos. Cap. 13, p. 494 -788. 2016.

TAVARES R.N; et al. Estabilidade do reposicionamento anterior da maxila através de análise cefalométrica lateral. R Dental Press Ortodon Ortop Facial. V. 10 n. 3, 2005.

LAUREANO J.R.F; et al. Osteotomia le fort i na abordagem cirúrgica intrabucal para exérese do angiofibroma juvenil nasofaríngeo: relato de caso clínico. Revista de Cirurgia e Traumatologia Buco-Maxilo-Facial. V. 4 n. 4, 2004.

CATUNDA I.S; et al. Osteotomia le fort i: aspectos de interesse no tratamento de nasoangiofibroma juvenil. Rev. Cir. Traumatol. Buco-Maxilo-Fac. V. 11 n. 4, 2011.

JODAS C.R.P; Análise da concordância intra e inter-observadores na detecção das fraturas da face por meio da tomografia computadorizada. Rev. Bras. Cir. Cabeça Pescoço. V. 38 n. 1, 2009.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n3-010

Refbacks

  • There are currently no refbacks.