Prevalência e perfil de resistência bacteriana nas infecções do trato urinário em hospitais da região norte e nordeste do Brasil: uma revisão / Prevalence and profile of bacterial resistance in urinary tract infections in hospitals in the north and northeast regions of Brazil: a review

Antonio Paulo Favacho Furlan, Ana Josefina Gonçalves Salomão, Brenda Vidigal Tavares Nunes, Daniel Rego Sousa, Renan Reno Martins, Carolina Moraes da Silva, Alex Cezar Massoud Salame da Silva

Abstract


Introdução: No Brasil, a Infecção do Trato Urinário (ITU) é considerada uma das infecções  mais comuns. Esta infecção é consequência da invasão tecidual e colonização microbiana em qualquer parte do sistema urinário, normalmente estéril. Objetivo: Investigar por meio de revisão de literatura, as espécies bacterianas mais prevalentes, assim como o seu perfil de resistência frente aos tratamentos de escolha na Infecção no Trato Urinário. Metodologia: foi elaborado a partir de dados oriundos de artigos originais que dispunham de dados sobre o tema em questão, os quais foram analisados e comparados. A pesquisa foi feita nas bases de dados Scielo, Bireme, Pubmed e Google acadêmico. Os trabalhos selecionados possuíam a língua portuguesa como idioma, e estão entre os anos de 2007 a 2017 sendo utilizados critérios de inclusão e exclusão. Resultados: Foram encontrados um total de 2.095 artigos, sendo 97 da Bireme, 176 do Scielo, 1.770 do Google Acadêmico e 52 do Pubmed. Após análise e aplicação dos critérios de inclusão e exclusão, foram selecionados 14 artigos. Discussão: O diagnóstico da ITU é feita por meio de uroculturas A E. coli é a bactéria mais significativamente prevalente em todos os grupos analisados, independentemente do sexo e da faixa etária, seguida pela Klebsiella pneumoniae (K. pneumoniae) e Proteus mirabilis (P. mirabilis). Conclusão: O arsenal terapêutico frente a estas infecções vem se mostrando ineficiente devido ao uso indiscriminado que propicia o surgimento de superbactérias detentoras de mecanismos de resistência. A bactéria mais comum na etiologia da ITU é a Escherichia coli.


 


Keywords


Infecções do Sistema Genital, Epidemiologia, Brasil, Resistência a Medicamentos.

References


GOLDMAN, L.; AUSIELLO, D. Cecil tratado de medicina interna. 23. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2009. 3458 p.

Dalbosco V, Srougi M, Dall’oglio M. Infecções do Trato Urinário. Rev Bras Med 60: 320-336, 2003

Esmerino LA, Gonçalves lG, Schelesky, ME. Perfil de sensibilidade antimicrobiana de cepas Escherichia coli isoladas de infecções urinárias comunitárias. Publicatio UEPG: Ciências Biológicas e da Saúde. 2003; 9(1): 31-39. Disponível em: http://www.revistas2.uepg.br/index.php/biologica/article/download/357/365

Stamm WE. Urinary tract infections and pyelonephritis In: Kasper DL,

Fauci A, Longo D, Braunwald E, Hauser SL, Jameson JL,. Harrisons

Principles of Internal Medicine, 16 edition, McGraw-Hill, USA, p.1715-

, 2005.

Vieira JMS, Saraiva RMC, Mendonça LCV, Fernandes VO, Pinto MRC, Vieira ABR. Suscetibilidade antimicrobiana de bactérias isoladas de infecções do trato urinário de pacientes atendidos no Hospital Universitário Bettina Ferro de Souza, Belém - PA. Revista Brasileira de Análises Clínicas. 2007; 39(2): 119-121. Disponível em: http://www.sbac.org.br/rbac.aspx 3

Pires MCS; Frota KS; Junior OM; Correia AF; Cortez-Escalante JJ; Silveira CA. Prevalência e susceptibilidades bacterianas das infecções comunitárias do trato urinário, em Hospital Universitário de Brasília, no período de 2001 a 2005. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical. Uberaba – MG, v.40, n.6, Nov/Dec, 2007.

BLATT, JM; MIRANDA, MC. Perfil dos microorganismos causadores de infecções do trato urinário em pacientes internados. Revista Panamericana de Infectologia. Santa Catarina, v.7, n°4: 10-14, Nov., 2005.

BRAOIOS, A; TURATTI, TF; MEREDIJA, LCS; CAMPOS, TRS; DENADAI, FHM. Infecções do trato urinário em pacientes não hospitalizados: etiologia e padrão de resistência aos antimicrobianos. Jornal Brasileiro de Patologia e Medicina Laboratorial. Rio de Janeiro, v. 45, n.6, Nov/Dec., 2009

Goldraich NP, Manfroi A. Febrile urinary tract infection: Escherichia coli susceptibility to oral antimicrobials. Pediatr Nephrol. 2002 Mar; 17(3):173-6.

Ronald A. The etiology of urinary tract infection: traditional and emerging pathogens. Am J Med. 2002 Jul 8; 113 Suppl 1A:14S-19S.

Stoller ML, Kane CJ & Meng MV Urologic Disordens. In: Current Medical

Diagnosis & Treatment McPhee SJ, Papadakis MA & Tierney JR LM

McGraw Hill USA,p.816-819, 2008.

CORREIA, C.; COSTA, E. PERES, A. et al. Etiologia das infecções do trato urinário e sua susceptibilidade aos antimicrobianos. Acta Medica Portuguesa. n 20, p. 543-549, 2007.

Lapchik MS, Nishiura JL, Heilberg IP, Pancotti SL, Ajzen H, Schor N.

Tratamento da Infecção Urinária não Complicada (ITU): estudo comparativo

entre Ciprofloxacina (CIPRO) e Sulfametoxazol + Trimetoprima

(SZM+TMP) com dois esquemas Terapêuticos Jornal Brasileiro de

Nefrologia 1995 17(1):31-34.

Ribeiro RM, Rossi P. Cistite - Urinary tract infection in women. Caderno

Especial de Ginecologia e Obstetrícia - Revista Brasileira de Medicina.

Edição: Mar 1999 V 56 N 3.

Lago A, Fuentefria SR, Fuentefria DB. Enterobactérias produtoras de ESBL em passo fundo, estado do Rio Grande do Sul, Brasil. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical. 2010; 43(4): 430-434. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S003786822010000400019&script=sci_arttext

Santos NQ. A resistência bacteriana no contexto da infecção hospitalar. Texto Contexto Enferm; 13(n.esp):64-70, 2004

López FC, Alvarez F, Gordillo RM, González A, Román M. Microorganismos aislados de muestras de orina procedentes de la comunidad y padrón de sensibilidad en un periodo de 12 años. Rev Esp Quimioterapia 2005;18:159-167

Correia C, Costa E, Peres A, Alves M, Pombo G, Estevinho L. Etiologia das infecções do tracto urinário e sua Susceptibilidade aos Antimicrobianos. Departamento de Diagnóstico e Terapêutica. Escola Superior de Saúde. Escola Superior Agrária. Instituto Politécnico de Bragança. Bragança. Acta Med Port 2007; 20: 543-549

Elias DBD, Ribeiro ACS. Perfil de sensibilidade antimicrobiana em urinoculturas de um hospital universitário do estado do Ceará no período de janeiro a junho de 2015. Hospital Universitário Walter Cantídeo – Universidade Federal do Ceará – Fortaleza-CE, Brasil. RBAC. 2017;49(4):381-9

Vieira JMS, Amador ECC, Oliveira FP, Netto MAA, Vieira ABR. Suscetibilidade antimicrobiana de enterobactérias isoladas de infecções do trato urinário de pacientes de hospital de Belém (PA). 2007. Infarma, v.19, nº 3/4, 200720

Santana TCF., Pereira EMM, Silvio GM, Carmo MS, Turri RJG, Figueiredo PMS. Prevalência e resistência bacteriana aos agentes antimicrobianos de primeira escolha nas infecções do trato urinário no município de São Luís-MA. Laboratório de Microbiologia Médica da Universidade CEUMA. Revista de Patologia Tropical. 2012.Vol. 41 (4): 409-418.

Santana TCF, Maião FC, Silvio GM, Carmo MS, Figueiredo PMS. Perfil de resistência de escherichia coli e klebsiella spp isoladas de urocultura de comunidade do município de São Luis-MA no período de 2005-2008. Laboratório de Microbiologia Médica da Universidade CEUMA. Revista de Patologia Tropical. 2012.Vol. 41 (3): 295-303.

Oliveira R.A, Ribeiro E.A, Gomes M.C, Coelho D.D, Tomich G.M. Perfil de suscetibilidade de uropatógenos em gestantes atendidas em um hospital no sudeste do Estado do Pará, Brasil. Rev Pan-Amaz Saude 2016; 7(3):43-50

Rodrigues L.L.S, Guerreiro R, Dewes D, Dewes J, Sousa F, Almeida Y.S, Kono E.M. Frequência de Infecção no Trato Urinário em Idosos Asilados em Santarém, Pará. Em Foco. 2014. Ano 11, nº 21.

Carvalho AS. Avaliação da resistência das bactérias identificadas na urocultura de crianças no hospital universitário lauro wanderley. 2014. Monografia (Graduação) – UFPB/CCS.

Rang HP, Dale MM, Ritter JM, Flower RJ. Rang&Dale - Farmacologia. Elsevier: Rio de Janeiro, 2008. 6ª edição.

Reis ACC, Santos SRS, Souza SC, Saldanha MG, Pitanga TN, Oliveira RR. Ciprofloxacin resistance pattern among bacteria isolated from patients with community-acquired urinary tract infection. 2016. Rev. Inst. Med. Trop. Sao Paulo. 58:53.

Sarmento, LMS. Incidência de infecções hospitalares por enterobacterias em um hospital de Campina Grande-PB. 2013. Monografia – Universidade Estadual da Paraíba.

Silva RO, Dantas CG, Alves MF, Pinheiro MS. Perfil de resistência de enterobactérias em uroculturas de pacientes ambulatoriais na cidade de Aracaju/SE. 2014. Scientia plena vol. 10, n. 11

Magalhães V, Farias RB, Agra G, Lima AL, Etiologia e perfil de resistência das bactérias isoladas a partir de uroculturas oriundas de mulheres acima dos 18 anos. 2008. Universidade Federal de Pernambuco. Revista Brasileira de Medicina.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n2-423

Refbacks

  • There are currently no refbacks.