Fatores que intensificam o risco de óbito causado por SEPSE e o papel do farmacêutico nesse contexto: uma revisão integrativa/ Factors that intensify the risk of death caused by SEPSIS and the role of pharmaceuticals in this context: an integrative review

Gleicy Kelly China Quemel, Ana de Abreu Corrêa, Ester de Abreu Corrêa Teixeira, Matsunai da Silva Ferreira, José Weleson Oliveira da Silva Sousa, Jennyfer Camille Corrêa de Lima

Abstract


A sepse se caracteriza por ser uma resposta inflamatória sistêmica que é associada a um foco infeccioso e se não for tratada de forma adequada pode evoluir para quadros mais graves, como por exemplo choque séptico, e consequentemente falência múltipla de órgãos e óbito. Nesse contexto, este estudo tem por objetivo analisar, com base na literatura, os fatores que intensificam as mortes de pacientes hospitalizados com SEPSE, destacando o papel do farmacêutico no cuidado e dispensação de antibióticos. Para alcançar o objetivo proposto, foi realizada uma revisão integrativa da literatura, cujos artigos selecionados foram coletados nos seguintes bancos de dados: BVS, PubMed e SciELO. No campo da busca de dados, foram utilizados os seguintes descritores: [Fatores de risco/ danger factores], [SEPSE/ SEPSIS] e [Óbitos por sepse/ deaths from sepsis].Para constituir a amostra foram selecionados os trabalhos que atenderam aos seguintes critérios de inclusão: artigos completos, publicados nos últimos cinco anos (2016-2021) e disponível nos idiomas português e inglês, exclusos artigos duplicados e de acesso restrito. Após a busca foram selecionadas 30 artigos para compor os resultados deste estudo. Por meio da análise desses estudos foi possível elencar a idade, o sexo, a presença de HAS, DM e DR, como fatores de risco para SEPSE. Além disso, percebeu-se que o farmacêutico é um profissional indispensável para o monitoramento das ações assistenciais e técnicas, tanto no serviço de farmácia, laboratório como nas ações assistenciais adotados, para garantir a adesão das diretrizes estabelecidas em protocolos de sepse.


Keywords


Prevenção, Infecção Hospitalar, Resistência imunológica.

References


AGUIAR, K. V. C. S. et al. Sepse em Unidade de Terapia Intensiva: Fatores Predisponentes e a Atuação Preventiva do Enfermeiro. Rev. Mult. Psic; v14, n 52, p. 214-230, 2020

BISSON, M. P. Farmácia Clínica & atenção farmacêutica. 2. ed. Barueri, SP, 2007

BORGES, A. C. M. et al. Epidemiologia e fisiopatologia da sepse: uma revisão. Research, Society and Development, v. 9, n.2, 2019;

CABRAL, J. C.; OLIVEIRA, S.C. Correlação do prognóstico de sepse com os agentes etiológicos em hospital de Maceió-AL. Ciências da Saúde; v 4, n1, 2017;

CILLÓNIZ, C. et al. Pure Viral Sepsis Secondary to Community-Acquired Pneumonia in Adults: Risk and Prognostic Factors. The Journal of Infectious Diseases; v 220, p: 1166-1171, 2019;

DELLINGER, R.; LEVY, M.; RHODES, A. Surviving Sepsis Campaign: international guidelines for management of severe sepsis and septic shock, 2014. Intensive care, v41, n 2, p: 580-637, 2015

DOLIN, H. H.; PAPADIMOS, T. J.; STEPKOWSKI S. Characterization of Pathogenic Sepsis Etiologies and Patient Profiles: A Novel Approach to Triage and Treatment. Microbiology Insights v 12, p: 1–8, 2019

FREITAS, F.G.R.; SALOMÃO, R.; TERERAN, N. O impacto da duração da disfunção orgânica no desfecho de pacientes com sepse grave e choque séptico. Revista Ciências Clínicas, São Paulo, v.63 n.4. 2018

GU, X. et al.. Respiratory viral sepsis: epidemiology, pathophysiology, diagnosis and treatment. Respir Ver; v 26, n2, 2020;

GUPTA, N et al. Viral Sepsis in Children. Front. Pediatr; v 6, n 2, 2018

HU, H. J.; ZHANG, G. Q.; ZHANG, Q. Probiotics Prevent Candida Colonization and Invasive Fungal Sepsis in Preterm Neonates: A Systematic Review and Meta-Analysis of Randomized Controlled Trials. Pediatrics and Neonatology; v 58, 2017;

JACOB, M. S. et al.. Sepse bacteriana: levantamento do perfil epidemiológico do município de Manhuaçu/MG e discussão sobre a fisiopatologia e fatores relacionados a agravos. Sociedade, ciência e tecnologia; v 5, 2020;

KISSOON, N.; CARCILLO, J.A.; ESPINOSA, V. Global Sepsis Initiative Vanguard Center Contributors. World Federation of Pediatric Intensive Care and Critical Care Societies: Global Sepsis Initiative. Pediatr Critical Care Med. v 12, n 5, p: 494-503, 2011

LIN, G. L et al. Epidemiology and Immune Pathogenesis of Viral Sepsis. Frontiers in Immunology; v 9, 2018;

LUZ FILHO, C. A.; MARINHO, C. M. M.; SANTOS, D. P. Fatores de risco em pacientes com sepse em unidades de terapia intensiva: uma revisão integrativa. Revista Eletrônica Acervo Saúde; v 19, 2018;

MAIOLINE, B. B. N. et al. Fatores de risco associados ao agravamento de sepse em pacientes em unidade de terapia intensiva de um hospital de ensino. Colloquium vitae; v 12, n3, 2020;

MEDEIROS, K. et al. Perfil, sintomas e tratamento realizado em neonatos diagnosticados com sepse. Rev. Epidemiol. Controle Infecç. Santa Cruz do Sul, v 9, n 3, p: 220-226, 2019;

MENEZES, L. E. F. J. et al. Perfil epidemiológico e análise da efetividade para prevenção de óbitos de pacientes inseridos em protocolo de sepse. Rev Soc Bras Clin Med; v 17, n 1, p: 25-30, 2019;

MENG, C. et al . A retrospective study of ulinastatin for thetreatment of severe sepsis. Medicineopen; v 49, 2020

MORAES, R.. Análise de conteúdo. Revista Educação, Porto Alegre, v. 22, n. 37, p. 7-32, 1999

OLIVEIRA, J. V. F. et al. Sepse como motivo de morbidade hospitalar: análise histórica no Pará de 2015-2019. Revista Saúde; v.14, n.3-4, 2020;

OMS. World alliance for patient. Safety global patient safety challenge. Clean care is safer care, 2005. Diapon[ivel em: << https://www.who.int/gpsc/resources/newsalert/jan2007/en/>>. Acessado em março de 2021

PEREIRA, H. et al., P. Risk factors for healthcare associated sepsis in very low birth weight infants, Acta Med Port; v 29, n 4, p: 261-267, 2016;

PINHEIRO, K. H. E. et al. Fatores de risco e mortalidade dos pacientes com sepse, lesão renal aguda séptica e não séptica na UTI. Braz. J. Nephrol; v 41, n 4, p: 462-471, 2019;

PIRES, H. F.M.. et al. Sepse em unidade de terapia intensiva em um hospital público: estudo da prevalência, critérios diagnósticos, fatores de risco e mortalidade. Braz. J. of Develop., Curitiba, v. 6, n. 7, p: 53755-53773, 2020

PROUT, A. J. et al. . Bacterial and Fungal Etiology of Sepsis in Children in the United States: Reconsidering Empiric Therapy. Online Clinical Investigation; v 20, n 30, 2019

REINER, G. L. et al. Desfecho clínico e fatores associados ao óbito em pacientes com sepse internados em unidade de terapia intensiva. Arq. Catarin Med; v 49, n 1, p:02-09, 2020;

ROCHA, R. L.; NASCIMENTOS, J. S.; ROCHA, J. V. Levantamento epidemiológico retrospectivo de sepse na unidade de terapia intensiva do Hospital Universitário Lauro Wanderley. Brazilian Journal of Development, Curitiba, v.7, n.1, p.1322-1333, 2021

SANTIAGO, M. T.; BAHIA, C. P; PEREIRA, L. P. Aspectos relevantes da sepse. Revista cientifica Fagoc; v 2, 2017;

SANTOS, A.M.; SOUZA, G.R.B.; OLIVEIRA, A.M.L. Sepse em adultos na unidade de terapia intensiva: características clínicas. Arquivos Médicos dos Hospitais da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa. São Paulo, 2019.

SANTOS, J. V. R. et al. O uso de antimicrobianos em neonatos diagnosticados com sepse. UNITI; v 19, 2017;

SANTOS, M. R. et al. Mortes por sepse: causas básicas do óbito após investigação em 60 municípios do Brasil em 2017. Rev Bras Epidemiol; v 22, n 3, 2019;

SILVA, A. C. S. et al. Pharmacotherapeutic follow-up in a respiratory intensive care unit: description and analysis of results. Einstein (São Paulo); v 16, n 2, 2018;

SILVA, M. I. C. et al. Nursing diagnoses in COVID-19 cases with clinical evolution for sepsis. Research, Society and Development, v. 10, n. 1, 2021

SILVA,T.M. Atualizações em Sepse como facilidade de diagnóstico precoce: um relato de caso. Braz. J. Hea. Rev., Curitiba, v. 2, n. 5, p. 3950-3956, 2019

SOUSA, N. A.et al. Sepse neonatal - perfil microbiológico e sensibilidade antimicrobiana em um hospital no Nordeste do Brasil. RBAC; v 51, n 1, p: 46-51, 2019;

SOUZA, M. T.; SILVA, M. D.; CARVALHO, R. Revisão integrativa: o que é e como fazer. Revista Einstein. n 8. 2010;

VIEIRA, A. M. et al. Características de óbitos dos pacientes internados em uma unidade de terapia intensiva de hospital terciário. J. Health Biol Sci; v 7, n 1, p: 26-31, 2019;

WESTPHAL, G. A. et al. Estratégia de detecção precoce e redução de mortalidade na sepse grave. Rev Bras Ter Intensiva; v21, n 2, p: 113-123, 2019;

ZONTA,F.N.S. et al. Características epidemiológicas e clínicas da sepse em um hospital público do Paraná. Rev. epidemiol. controle infecç , n.8, 2018




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n2-404

Refbacks

  • There are currently no refbacks.