Avaliação de um programa de promoção da inteligência emocional em profissionais de saúde do contexto hospitalar / Evaluation of a program to promote emotional intelligence in health professionals from the hospital context

Ana Inês Santos Prior, Marlene Ferreira, Ana Filipa Pereira, Carla Alexandra Fonte

Abstract


A inteligência emocional tem-se tornado um fator protetor dos riscos associados ao desgaste profissional nos contextos de saúde. Neste artigo são apresentados os resultados de um programa de intervenção em grupo que procurou promover competências de inteligência emocional em assistentes operacionais de um hospital do norte de Portugal. Participaram 6 assistentes, com idades compreendidas entre 21 a 47 anos. Para a avaliação da eficácia deste, foi administrado um protocolo de instrumentos (WLEIS-P, MHC-SF, EADS-21; ROCI II – A, B, C) pré e pós implementação das sessões e foram realizadas análises qualitativas sobre a perceção dos participantes e sobre o impacto do programa.Resultaram alterações positivas nas competências da avaliação e perceção e regulação das próprias emoções, o aumento dos níveis de bem-estar sociale um melhoramento nos estilos de gestão de conflitos, permitindo desenvolver competências úteis à prática profissional diária dos assistentes. Os resultados obtidos permitem concluir que programa possibilitou a aquisição de estratégias eficazes à perceção,autoconsciência, clarificação e autorregulação emocional, promovendo um ajustamento ao exercício da sua função, tornando-o mais equilibrado enquanto pessoa e profissional, com impacto positivo na sua saúde.

 


Keywords


inteligência emocional, saúde mental, promoção da saúde, cuidados de saúde

References


Cabral L, Duarte JC, Silva D, Gonçalves AM & SilvaZ. A situação de crise em Portugal e a saúde mental dos profissionais de saúde. Revista Portuguesa de Enfermagem de Saúde Mental 2016; (3): 57-62.

Mota RA, Martins CGM, Véras RM. Papel dos profissionais de saúde na política de humanização hospitalar. Psicologia em Estudo 2006; 11 (2): 323-330.

Da Costa ILS. As condições de trabalho, os riscos gerais e os riscos psicossociais nos profissionais de saúde: Um estudo no pólo de Valongo do Centro Hospitalar São João do Porto (Tese de Mestrado). Porto: Universidade Fernando Pessoa; 2017.

Covacs JM. Bem-estar no trabalho: O impacto dos valores organizacionais, percepc?a?o de suporte organizacional e percepc?a?o de justic?a. Dissertac?a?o de Mestrado na?o-Publicada, Programa de Po?s-Graduac?a?o em Psicologia da Sau?de, Universidade Metodista de Sa?o Paulo, Sa?o Bernardo do Campo, 2006.

Monteiro RFN. Bem-estar no trabalho e percepção de saúde: Estudo realizado com auxiliares de geriatria no norte de Portugal[Dissertação]. Porto: Universidade Fernando Pessoa; 2011.

Domingues A. Inteligência emocional, empatia e satisfação no trabalho em médicos. [Dissertação]. Porto:Universidade do Porto, Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação; 2009.

Goleman D. Trabalhar com Inteligência Emocional (5a). Lisboa: Temas e Debates-Círculo de Leitores; 2012.

Franco MGS d’Ec?a C & Santos NN. Desenvolvimento da Compreensão Emocional. Psicologia: Teoria E Pesquisa, 2015; 31(3), 339–348. https://doi.org/10.1590/0102-37722015032099339348

Faria L, Costa AC & Costa M. Validac?a?o do questiona?rio de compete?ncia emocional (QCE): Estudo em Contexto Hospitalar com Enfermeiros. Actas das XIII Confere?ncia Internacional e Avaliac?a?oPsicolo?gica: Formas e Contextos. Braga: Psiquili?briosEdic?o?es 2008; 923-930.

Rodrigues N, Rebelo T, & Coelho JV. Adaptação da Escala de Inteligência Emocional de Wong e Law (WLEIS) e análise da sua estrutura factorial e fiabilidade numa amostra portuguesa. Psychologica, 2011; 55: 189–207.

Libbrecht N, Beuckelaer A, Lievens F &Rockstuhl T. Measurement Invariance of the Wong and Law Emotional Intelligence Scale Scores: Does the Measurement Structure Hold across Far Eastern and European Countries? Applied Psychology: An International Review, 2014; 63(2), 223–237. https://doi.org/10.1111/j.1464-0597.2012.00513.x

Keyes CLM. The Mental Health Continuum: From Languishing to Flourishing in Life. Journal of Health and Social Behavior 2008; 43 (2), 207

Matos A, André R, Cherpe S, Rodrigues D, Figueira C, & Pinto A. Estudo Psicométrico preliminar da Mental Health Continuum - Short Form - for youth numa amostra de adolescentes portugueses. Psychologica 2010; 53: 131–156.

Fonte C, Silva I, Vilhena E & Keyes C. The portuguese adaptation of the mental health continuum-short form for adult population. CommunityMent. Health J. 2020; 56: 368–375.

Pais-Ribeiro JL, Honrado A & Leal I. Contribuição para o estudo da adaptação portuguesa das escalas de Ansiedade, Depressão e Stress (EADS) de 21 itens de Lovibond e Lovibond. Psicologia, Saúde & Doenças, 2004, 5 (2), 229-239.

Franque PT. Ana?lise dos Estilos de Gesta?o do Conflito Predominantes em Ambiente Laboral dos Enfermeiros da Ilha de Sa?o Miguel. Dissertac?a?o de Mestrado, Portugal: Universidade dos Ac?ores, 2006.

Cunha P & Leitão S. Manual de Gestão de Construtiva de Conflitos. Edições Universidade Fernando Pessoa. 3ª Edição. Porto, 2016.

Akerjordet K, &Severinsson E. Emotional intelligence: A review of the literature with specific focus on empirical and epistemological perspectives. Journal of Clinical Nursing 2007; 16 (8): 1405-1416.

Cadman C & Brewer J. Emotional intelligence: a vital prerequisite for recruitment in nursing. Journal of Nursing Management 2001; (9): 321-324




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n2-391

Refbacks

  • There are currently no refbacks.