Indicadores da respiração oral na educação infantil: contribuições da neurociência / Oral breath indicators in early childhood education: contributions from neuroscience

Soraia Bortoletto, Thiago Elmauer Ferreira

Abstract


Introdução: A síndrome do respirador oral é altamente incidente na primeira infância e pode ocasionar grandes danos, pois este é um período determinante na maturação neurológica. De acordo com a neurociência, respirar pelo nariz potencializa o processamento neuronal e favorece a atividade cortical. Já a respiração oral é responsável por uma série de alterações físicas e comportamentais, sobretudo o prejuízo na aprendizagem. Objetivo: Reunir indicadores de risco para a síndrome do respirador oral e propor ajustes preparatórios para fins pedagógicos, bem como discutir o papel da escola na promoção da saúde. Metodologia: Trata-se de uma pesquisa descritiva, de abordagem qualitativa, obtida por meio de levantamento bibliográfico. Foi realizada uma revisão integrativa sobre respiração oral nas bases de dados LILACS e Medline, além de livros, teses, dissertações e artigos no Google Scholar sobre a participação da escola na promoção da saúde. Resultados: Listaram-se aspectos físicos, funcionais e comportamentais decorrentes da respiração oral. Dentre eles, sonolência, dificuldade de concentração e alterações de humor, com implicações diretas na aprendizagem. A partir dos achados, elaborou-se uma lista com medidas de promoção do padrão respiratório. Conclusão: Este estudo permitiu elencar os principais indicadores de risco para a síndrome do respirador oral e propor mediações pedagógicas. Também foi discutida a participação da escola na promoção da saúde. Em geral, os trabalhos sobre respiração oral são dirigidos aos profissionais da saúde. Entretanto, devido à complexidade do tema ressalta-se a necessidade de uma abordagem transdisciplinar, que contemple os profissionais da educação.


Keywords


Respiração Bucal, Sinais e Sintomas, Educação Infantil, Neurociências.

References


AL ALI et al. The influence of snoring, mouth breathing and apnoea on facial morphology in late childhood: a three-dimensional study. BMJ Open, set., 2015, v. 5, ano 9, e009027.

ALVAREZ, M. L. O. O papel dos cursos de Letras na formação dos professores de línguas: ontem, hoje e sempre. In: Kleber Aparecido da Silva (Org.). Ensinar e aprender línguas na contemporaneidade: linhas e entrelinhas. 1ed. Campinas: Pontes, 2010, v. 1, p. 235-255.

ASSIS, S. S.; JORGE, T. A. As doenças negligenciadas e o ensino de Ciências: reflexões elaboradas a partir das propostas curriculares. Ensino, Saúde e Ambiente, mai., 2014, v.7, n.1, 11p.

BALDRIGHI et al. A importância do aleitamento natural na prevenção das alterações miofuncionais e ortodônticas. Rev Dent Press Ortodon Ortop Facial, Maringá, 2001, v. 6, p. 111-121.

BIANCHINI, A. P.; GUEDES, Z. C. F.; VIEIRA, M. M. Rev Bras Otorrinolaringol, São Paulo, ago., 2007. v. 73, n. 4, p. 500-505.

BNCCEI Banco nacional comum curricular na educação infantil. Movimento pela Base Nacional Comum, 2019.

COSTA et al. Health education strategy for schoolchildren in Marabá city, Pará. Braz J Hea Rev, Curitiba, jul./aug., 2020, v. 3, n. 4, p.10014-10026.

DIDONET, V. Educação infantil. Humanidades, Brasília, 1991, n. 43, p. 89-98.

FERES et al. Palatal dimensions and occlusal characteristics of nose and mouth- breathing children. Pesq Bras Odontoped Clin Integr, João Pessoa, jan./abr., 2009, v. 9 n. 1, p. 25-29.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. Rio de Janeiro, Paz e terra, 2014.

FREIRE, P. Professora sim, tia não: cartas a quem ousa ensinar. Rio de Janeiro, Paz & Terra, 2012.

FUNDAÇÃO MARIA CECÍLIA SOUTO VIDIGAL. Fundamentos do desenvolvimento infantil: do nascimento aos 3 anos, São Paulo, 2011.

GODINHO et al. Mouth breathing syndrome: the orientation to other professions. Revista Saúde da Criança e do Adolescente, jan./jun., 2011, v. 3, n. 1, p. 19-26.

GODOY, M. A. B. Problemas de aprendizagem e de atenção em alunos com obstrução das vias aéreas superiores. Universidade Estudual de Maringá, Maringá, 2003.

GRAZIANI et al. Hábitos orais na infância: o que os pais/cuidadores devem saber? In: Programa educativo e social JC na Escola: ciência alimentando o Brasil [S. l: s.n.], 2016.

HOUZEL, S. H. Neurociências na educação. Belo horizonte, 2010.

KRAMER, S. (org.). Infância e produção cultural. Campinas: Papirus, 1998.

KUROISHI et al. Deficits in working memory, reading comprehension and arithmetic skills in children with mouth breathing syndrome: analytical cross-sectional study. Sao Paulo Med J, São Paulo, abr., 2015, v. 133, n. 2, p. 78-83.

LEAL, R. B. Elaboração e validação de instrumento para avaliar a qualidade de vida do respirador oral. [dissertação]. Recife, Faculdade de Odontologia da UPE, 2004.

LEMOS et al. Alterações funcionais do sistema estomatognático em pacientes com rinite alérgica: estudo caso-controle. Braz J Otorhinolaryngol, 2009, v. 75, n. 2, p. 268-74.

MARQUES, P. S.; FAGALI, E. Q. A influência da respiração no processo de aprendizagem. Constr psicopedag, São Paulo, 2018, v. 26, n. 27, p. 37-52.

MARSON et al. Effectiveness of speech and language therapy and brief intervention proposal in mouth breathers. Rev CEFAC, 2012, v. 14, n. 6. P.1153-1166.

MARTINS et al. Avaliação dos instrumentos do projeto nossas crianças: janelas de oportunidades, segundo agentes comunitários de saúde., 2008, v.17, n.1, p.106-114.

MASAHIRO et al. Proposal for a screening questionnaire for detecting habitual mouth breathing, based on a mouth-breathing habit score. BMC Oral Health, 2018, v. 18, ano 1, p. 216.

MELO, L. B. R. de. Memória de trabalho e função executiva: uma proposta de diálogo entre dois modelos teóricos. Dissertação (Mestrado em Psicologia) – Instituto de Ciências Humanas, Universidade Federal de Juiz de Fora, Minas Gerais, 2011.

MENEZES et al. Síndrome da respiração oral: alterações clínicas e comportamentais / mouth breathing syndrome: clinical and behavioral changes. Arq odontol, 2009, v. 45, n. 3, p. 160-165.

MONTEIRO, P. H. N; BIZZO, N. A saúde na escola: análise dos documentos de referência nos quarenta anos de obrigatoriedade dos programas de saúde, 1971-2011. Hist cienc saúde-Manguinhos, Rio de Janeiro, Jun., 2015. v. 22, n. 2, p. 411-428.

PACHECO et al. Guidelines proposal for clinical recognition of mouth breathing children. Dental Press J Orthod, jul./ago., 2015, v. 20, n. 4, p. 39-44.

PREFEITURA DE BELO HORIZONTE. Protocolo da rinite alérgica. 2012.

RIZZO, M. C. Obstrução nasal na infância. Recomendações - Sociedade de Pediatria de São Paulo - Atualização de Condutas em Pediatria. Departamento de Otorrinolaringologia, 2012, n. 62, p. 1-10.

RODRIGUES, E. H. S. Pedagogos por quê? Ensaios Pedagógicos, Revista Eletrônica do Curso de Pedagogia das Faculdades OPET, 2013.

ZELANO et al. Nasal respiration entrains human limbic oscillations and modulates cognitive function, J Neurosci, dez., 2016, v. 36, n. 49, p. 12448 –12467.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n2-362

Refbacks

  • There are currently no refbacks.