O papel do enfermeiro de unidade de terapia intensiva frente a morte encefálica / The role of intensive care unit nurses facing brain death

Jordana Alves Barbosa dos Santos, Marislei Espíndula Brasileiro

Abstract


DOS SANTOS, Jordana. O papel do enfermeiro da unidade de terapia intensiva frente a morte encefálica. [Monografia]. Goiânia: Centro de Estudos de Enfermagem e Nutrição/PUC-Go; 2017.

O objetivo do presente estudo foi identificar o papel do enfermeiro frente à morte encefálica dentro da Unidade de Terapia Intensiva. O método utilizado consistiu em uma revisão de literatura por ser um método que possibilita a análise de material já publicado. Os resultados evidenciaram que o enfermeiro tem uma função de extrema importância frente à morte encefálica na unidade de terapia intensiva. A função deste profissional além de ser em relação ao paciente é de empatia e compreensão com a família com intuito de promover o transplante de tecido e órgãos daquele que é um potencial doador. A morte encefálica é um assunto ainda desconhecido pela sociedade brasileira. Ademais, há muitos profissionais de saúde que não conduzem a questão da morte encefálica de forma como determina os manuais e protocolos. O estudo leva a concluir que há uma necessidade de capacitação desses profissionais para haver um correto processo para o transplante de órgãos e tecidos do paciente em morte encefálica. Ademais, precisa haver uma supervisão desses enfermeiros quanto ao correto uso do protocolo de morte encefálica dentro da UTI.


Keywords


Enfermagem, morte encefálica, unidade de terapia intensiva

References


Andrade AF, Amorim RLO, Paiva WS, Figueiredo EG, Barros e Silva LB, Teixeira MJ. Proposta para revisão dos critérios clínicos de morte encefálica. Rev. Med, São Paulo, n. 12, v.2, p. 86, 2007.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE TRANSPLANTE DE ORGÃOS. Dados gerais. RegistroBrasileiro de Transplantes. 2015 Jan-Dez [acesso em 20 de Novembro de 2016] Disponível em: www.abto.org.br.

BRASIL. Ministério da Saúde. Lei 9.434, de 4 de fevereiro de 1997. Dispõe sobre a remoção de órgãos, tecidos e partes do corpo humano para fins de transplante e tratamento e dá outras providências. Disponível em: Acesso em: 25 jan. 2017

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA. Resolução n.º1346, de 1991. Estabelece critérios para a caracterização da parada total e irreversível das funções encefálicas em pessoas com mais de dois anos de idade. Diário Oficial da União; Poder Executivo, Brasília, 1991. Disponível em:< http://www.portalmedico.org.br/resolucoes/cfm/1991/1346_1991.htm>. Acesso em: 25 dez. 2016.

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA (CFM). Resolução CFM n. 1.480, de 21 de agosto de 1997. Determina os procedimentos para a determinação de morte encefálica. Diário oficial da União, 21 de agosto de 1997; (1):18227

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA (CFM). Resolução CFM n. 1.480, de 21 de agosto de 1997. Determina os procedimentos para a determinação de morte encefálica. Diário oficial da União, 21 de agosto de 1997; (1):18227

CONSELHO FEDERAL DE ENFERMAGEM. Resolução COFEN nº 292 de 07 de janeiro de 2004. Normatiza a atuação do Enfermeiro na Captação e Transplante de órgãos e Tecidos [Internet]. 2004 [citado 2016 jan 24]. Disponível em: http://www. cofen.gov.br/resoluo-cofen-2922004_4328.html.

Dantas FA, Vieira DS, Souza JO, Fernandes LTB, Zaccara AAL. Aspectos éticos e legais da doação e transplantes de órgãos no Brasil. [Internet]. 15º Congresso Brasileiro dos Conselhos de Enfermagem. Fortaleza; 2012 [acesso 27 jan 2017]. Disponível: http://bit.ly/28Fldm8.

Diretrizes para manutenção de múltiplos órgãos do potencial doador adulto falecido. Revista Brasileira de Terapia Intensiva, 2011. Associação de Medicina Intensiva Brasileira.

Freire ILS, Oliveira MAE, Freitas MB, Melo GSM, Costa IKF, Torres GV. Compreensão da equipe de enfermagem sobre morte encefálica e a doação de órgãos.RevistaEnfermagem Global, Rio de Janeiro, n. 4, v. 13, p. 179-92, 2014.

Longuiniere ACF, Lobo MP, Leite PL, Barros RCS, Souza AN, Vieira SNS. Knowledgeofcriticalcare nurses abouttheprocessofbraindeathdiagnosis. Rev Rene, São Paulo, n. 5, v. 17, p. 691-8, 2016.

Lima C. Do conceito ao diagnóstico de morte: controvérsias e dilemas éticos. RevSocPortMed Interna, Lisboa, n. 1, v.12, p. 122-123, maio-junho, 2013.

Massarolo, MCKB, Moraes, EL de e Santos, MJ dos. Comunicação de más notícias: dilemas éticos frente a situação de morte encefálica. O mundo da saúde, São Paulo, 2012.

Macário, TTS, Junqueira, CRA, Silva, MS. Projeto educativo sobre doação de órgãos em sala de aula. Jornal Brasileiro de Transplante, 2012.

Manual para Notificação, Diagnóstico de Morte Encefálica e Manutenção do Potencial Doador de Órgãos e Tecidos. Curitiba: SESA/SGS/CET, 2016.

Mendes KDS, Roza BA, Barbosa SFF, Schirmer J, Galvão CM. Transplante de órgãos e tecidos: responsabilidades do enfermeiro. Texto & Contexto enferm, São Paulo, n. 4, v. 21, p. 945-53, 2012.

Oliveira, DMDL, Figueiredo, JBV. Cadernos de Graduação - Ciências biológicas e da saúde Unit | Aracaju | v. 2 | n.1 | p. 73-86 | Março, 2014.

Passos IMS, Figueiredo JBV, Menezes MO, Silva DP, Oliveira DML. Manutenção hemodinâmica na morte encefálica: revisão literária. Cadernos de Graduação Ciências biológicas e da saúde Unit. [Internet]. 2014 [acesso 22 janeiro de 2017];2(1):73-86. Disponível: http://bit.ly/1rsMRAV

Pompeo DA, Rossi LA, Galvão CM. Revisão integrativa: etapa inicial do processo de validação de diagnóstico de enfermagem. Acta Paul Enferm. 2009;22(4):434-8.

Rodrigues CFA, Stychnicki AS, Boccalon B, Silva GC. Morte encefálica, uma certeza? O conceito de “morte cerebral” como critério de morte. RevBioethikos, São Paulo, n.7, v. 3, p. 271-81, 2013.

Roza BA, Pestana JOM, Barbosa SFF, Schirmer J. Organdonation procedures: anepidemiologicalstudy. ProgTransplant, n.20, v.1, p. 88-95, 2010.

Silva, MF da, Junqueira, CRA, Macario, TTS. Jornal Brasileiro de Transplantes, v. 15, n. 4, out-dez, 2012.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n2-351

Refbacks

  • There are currently no refbacks.