O Tratamento da Hanseníase a partir de uma Revisão Integrativa/ The Treatment of Leprosy from an Integrative Review

Aldo Neto Alves Propércio, Filipe Alves de Oliveira, Thiago Nunes do Vale, Daniel Rodrigues Bandeira, Ana Mackartney de Souza Marinho

Abstract


A hanseníase é definida como uma doença crônica e infectocontagiosa, cujo agente etiológico é o Mycobacterium leprae. A doença evolui de forma lenta e progressiva, podendo ocasionar incapacidades físicas e se não tratada se torna transmissível, atingindo qualquer pessoa. Pode-se classificar a hanseníase em 4 tipos, no qual a indeterminada e a tuberculóide são categorizadas em paucibacilar, enquanto os tipos dimorfa e virchowiana são classificadas em multibacilar.Com o intuito de pesquisar as formas de tratamento disponíveis para a hanseníase no adulto, foi realizada uma revisão integrativa buscando os principais resultados de estudos que abordam os esquemas terapêuticos disponíveis para a doença, pontuando seus possíveis efeitos colaterais.A partir disso, foi observado que o tratamento preconizado para a hanseníase consiste na associação de medicamentos, na chamada poliquimioterapia (PQT): rifampicina, dapsona e lofazimina. Os casos paucibacilares são tratados com uma dose mensal supervisionada de 600 mg de rifampicina e 100 mg de dapsona diárias em casa, com duração de 6 meses. O grupo multibacilar é tratado com uma dose mensal supervisionada de 600 mg de rifampicina, 100 mg de dapsona e de 300 mg de clofazimina; diariamente e em casa, o paciente deve tomar 100 mg de dapsona e 50 mg de clofazimina, com duração de 12 meses.Inferiu-se também que a hanseníase é uma doença negligenciada, que se diagnosticada e tratada precocemente, possibilita uma vida com pouca, ou nenhuma interrupção das atividades diárias do indivíduo afetado. Portanto, é necessário o acesso de toda a população aos serviços habilitados a tratar a hanseníase,


Keywords


Hanseníase, Saúde pública, Esquema terapêutico.

References


LASTÓRIA, J.C.; MORGADO, de Abreu M. A. M. Sociedade Brasileira de Dermatologia no combate à hanseníase. An Bras Dermatol., (online), v. 91, n. 3, p. 397-9, 2016. Acesso em 13/09/2020.

LASTÓRIA, J.C.; MORGADO, de Abreu M. A. M. Hanseníase: revisão dos aspectos epidemiológicos, etiopatogênicos e clínicos - Parte I. An Bras Dermatol., v. 89, n 2, p. 205-19, 2014. Acesso em 13/09/2020.

MARTINS-MELO, Francisco Rogerlândio et al. Leprosy-related mortality in Brazil: a neglected condition of a neglected disease. Transactions of the Royal Society of Tropical Medicine and Hygiene, v. 109, n. 10, p. 643–652. October 2015. Acesso em: https://doi.org/10.1093/trstmh/trv069. Acesso em 13/09/2020.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. Guidelines for the Diagnosis, Treatment and Prevention of Leprosy. Disponível: https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/274127/9789290226383-eng.pdf?ua=1. Acesso em 13/09/2020.

FIGUEIREDO, Priscila Verdam; HEINEN, Renata Correa. Poliquimioterapia No Tratamento Da Hanseníase. Revista Saúde Física & Mental, Rio de Janeiro, v. 5, n. 2, p. 56-69, 2017. Disponível em: <>. Acesso em 28/08/2020.

SCOLLARD, David; STRYJEWSKA, Barbara; DACSO, Mara. Leprosy: Treatment and prevention. UptoDate, v. 1, n. 1, p. 1-26, Jul. 2020a. Acesso em 13/09/2020.

ZHU, Y.I.; STILLER, M. J. Dapsone and sulfones in dermatology: overview and update. J Am Acad Dermatol. (online), v. 45, n. 3, p. 420-434, 2001. Disponível em:

BARRETO, J. A.; BELONE, A. F. F.; FLEURY, R.N et al. Manifestations of reactional tuberculoid pattern in borderline leprosy: comparative, histochemical and immunohistochemical study, in skin biopsies, between type 1 reactions occurred before and during multidrug therapy. An Bras Dermatol, (online), v. 80, p. 268-274, 2005. Acesso em 13/09/2020.

RODRIGUES, L. C.; LOCKWOOD, D. N. J. Leprosy now: epidemiology, progress, challenges, and research gaps. Lancet Infect Dis, v. 6, p. 464-470, 2011. Acesso em 13/09/2020.

SCOLLARD, David; STRYJEWSKA, Barbara; DACSO, Mara. Leprosy: Epidemiology, microbiology, clinical manifestations, and diagnosis. UptoDate, v. 1, n. 1, p. 1-45, Jul. 2020b. Acesso em 13/09/2020.

PESCARINI, J.M.; STRINA, A.; NERY, J. S et al. Socioeconomic risk markers of leprosy in high-burden countries: A systematic review and meta-analysis. PLoS Negl Trop Dis., v. 12, p. e0006622, 2018. Disponível em: . Acesso em 13/09/2020.

NERY, J. S.; RAMOND A.; PESCARINI J.M.; et al. Socioeconomic determinants of leprosy new case detection in the 100 Million Brazilian Cohort: a population-based linkage study. Lancet Glob Health, v. 19, n. 30, p. 330-4, 2019. Acesso em 13/09/2020.

FRANCO et al. Revisão Bibliográfica de protocolos de tratamento farmacológico de Hanseníase utilizando o medicamento dapsona. Revinter, São Paulo, v. 11, n. 02, p. 57-72, jun. 2018. Disponível em: . Acesso em 28/08/2020.

NHDP. Guide to the Management of Hansen’s disease. National Hansen’s disease Programs, v. 1, n. 1, 2019. Disponível em: . Acesso em 28/08/2020.

WHO. Guidelines for the Diagnosis, Treatment and Prevention of Leprosy. World Health Organization, p. 87, 2018a. Disponível em: . Acesso em 28/08/2020.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. Expert Committee on Leprosy. Seventh Report. WHO, Geneva, 1998. Acesso em 13/09/2020.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. Diretrizes para vigilância, atenção e eliminação da Hanseníase como problema de saúde pública: manual técnico-operacional – Brasília: Ministério da Saúde, 2016. Acesso em 13/09/2020.

BOTERO-JARAMILLO, Natalia et al. Tratamiento de la enfermedad de Hansen en Colombia: medicalización y control de la enfermedad a lo largo del siglo XX. Rev. Fac. Nac. Salud Pública, Medellín, v. 35, n. 3, p. 358-368, Dec. 2017. Available from . Acesso em 28/08/2020. http://dx.doi.org/10.17533/udea.rfnsp.v35n3a06.

PAVÃO, Gustavo Carvalho; CASEIRO, Marcos Montani; GAGLIANI, Luiz Henrique. Hanseníase: Aspectos Clínicos, Epidemiológicos, Tratamento E Diagnóstico Laboratorial No Brasil. Revista UNILUS Ensino e Pesquisa v. 15, n. 39, p. 1-11, abr./jun. 2018. Disponível em: <>. Acesso em 28/08/2020.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Coordenação-Geral de Desenvolvimento da Epidemiologia em Serviços. Guia de Vigilância em Saúde: volume único [recurso eletrônico] / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Coordenação-Geral de Desenvolvimento da Epidemiologia em Serviços. – 3ª. ed. – Brasília: Ministério da Saúde, 2019. Acesso em 13/09/2020.

WHITE, C; FRANCO-PAREDES, C. Leprosy in the 21st century. Clin Microbiol Ver. v. 28, n. 1, p. 80-94, Jan 2015. Disponível em: <>. Acesso em 28/08/2020. doi: 10.1128/CMR.00079-13.

NORIEGA, L. F. et al. Hanseníase: doença milenar que permanece como problema de saúde pública nos dias atuais. An Bras Dermatol. v. 91, n. 4, p. 547-8, 2016. Acesso em 13/09/2020.

FOSS, Norma Tiraboschi. Hanseníase: aspectos clínicos, imunológicos e terapêuticos. An Bras Dermatol, v. 74, n. 2, p. 1999. Acesso em 13/09/2020.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. Global leprosy update, 2017: reducing the disease burden due to leprosy. Wkly Epidemiol Rec [Internet], v. 93, n. 35, p. 445-56, 2018. Available from: https://apps.who.int/iris/handle/10665/274290. Acesso em 13/09/2020.

MANICKAM, P.; MEHENDALE, S.M.; NAGARAJU, B. et al. International open trial of uniform multidrug therapy regimen for leprosy patients: findings implications for national leprosy programmes. Indian J Med Res, v. 144, n. 4, p. 525–35, 2016. Disponível em: . Acesso em 13/09/2020.

FERREIRAI, P.; BUHRER-SÉKULA, S.; DE OLIVEIRA, M.R. et al. Patient profile and treatment satisfaction of Brazilian leprosy patients in a clinical trial of uniform six-month multidrug therapy (U-MDT/CT-BR). Lepr Rev. v. 85, n. 4, p.267–74, 2014. Acesso em 13/09/2020.

RAO, P. N.; SUNEETHA, S.; PRATAP, D.V. Comparative study of uniform-MDT and WHO MDT in Pauci and Multi bacillary leprosy patients over 24 months of observation. Lepr Rev., v. 80, n. 2, p.143–55, 2009. Acesso em 13/09/2020.

BUTLIN, R. C.; PAHAN, D.; KYA, A. et al. Outcome of 6 months MBMDT in MB patients in Bangladesh-preliminary results. Lepr Rev., v. 87, n. 2, p. 171–82, 2016. Acesso em 13/09/2020.

PENNA, G.O.; BÜHRER-SÉKULA, S.; KERR, L. R. S. et al. Uniform multidrug therapy for leprosy patients in Brazil (U-MDT/CT-BR): results of an open label, randomized and controlled clinical trial, among multibacillary patients. PLoS Negl Trop Dis., v. 11, n. 7, p. e0005725, 2017;. doi: 10.1371/ journal.pntd.0005725 Acesso em 13/09/2020.

KAUR, I.; DOGRA, S.; NARANG, T. De D. Comparative efficacy of thalidomide and prednisolone in the treatment of moderate to severe erythema nodosum leprosum: a randomized study. The Australasian journal of dermatology, v. 50, p. 181–185,2009. Disponível em: . Acesso em 13/09/2020.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n2-339

Refbacks

  • There are currently no refbacks.