A implementação das práticas integrativas e complementares no SUS: revisão integrativa / The implementation of integrative and complementary practices in SUS: an integrative review

Isabela Mie Takeshita, Lorena Cristine Santos Sousa, Edna Lúcia Campos Wingester, Camila Augusta dos Santos, Ângela Spesiali Aroeira, Carla de Paula Silveira

Abstract


As Práticas Integrativas e Complementares (PIC) nascem do conhecimento social, não é considerada invasiva e promove a integração com a medicina convencional, diversificam as possibilidades para a atuação profissional e para o tratamento dos usuários do SUS. Diante disso, buscou se saber como as PIC estão sendo implementadas no SUS. O objetivo dessa revisão de literatura foi conhecer como as PIC são utilizadas na rotina dos serviços públicos de saúde. Realizou-se uma revisão integrativa da literatura nacional com os descritores “Assistência de Enfermagem”, “Terapias Complementares” e “Sistema Único de Saúde”. Resultados e Discussão: os artigos da amostra foram publicados na base de dados LILACS, com metodologia de caráter descritivo exploratório. Identificou-se a descrição dos estudos, como as PIC são empregadas e desafios a serem enfrentados.

 

 


Keywords


Terapias complementares, Atenção primária à saúde, Promoção em saúde.

References


Brasil. Ministério da Saúde. Glossário temático: práticas integrativas e complementares em saúde. Brasília; 2018.

Silva LB, Lima IC, Bastos RA. Terapias complementares e integrativas: conhecimento e utilização pelos docentes do curso de enfermagem de uma instituição pública. Revista de Saúde Coletiva da UEFS. 2015; 5(1):40. Disponível em:< http://periodicos.uefs.br/index.php/saudecoletiva/article/view/1008>. Acesso em: 20 de julho de 2020.

Brasil. Ministério da Saúde. Manual de implantação de serviços de práticas integrativas e complementares no SUS. 2 ed. Brasília; 2018.

Brasil. Ministério da Saúde. Política nacional de práticas integrativas e complementares no SUS: atitude de ampliação de acesso. 2 ed. Brasília; 2015.

Júnior ET. Práticas integrativas e complementares em saúde, uma nova eficácia para o SUS. Estudos Avançados. 2016; 30(86): 99-112. Disponível em: < https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-40142016000100099>. Acesso em 23 de julho de 2020.

Barros NF, Spadacio C, Costa MV. Trabalho interprofissional e as Práticas Integrativas e Complementares no contexto da Atenção Primária à Saúde: potenciais e desafios. Saúde em Debate. 2018; 42 (spe1): 163-173. Disponível em:< https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S0103-11042018000500163&lng=en&nrm=iso&tlng=pt>. Acesso em 20 de agosto de 2020.

Zanchett S, & Dallacosta FM. Percepção do profissional da saúde sobre a importância do trabalho multiprofissional e interdisciplinar na atenção básica. Revista Interdisciplinar de Estudos em Saúde. 201; 145-153. Disponível em<: http://www.uniedu.sed.sc.gov.br/wp-content/uploads/2016/09/unoesc-SABRINA-ZANCHETT.pdf>. Acesso em 20 de março de 2021.

Mendes KDS, Silveira RCCP, Galvão CM. Revisão integrativa: método de pesquisa para a incorporação de evidências na saúde e na enfermagem. Texto & Contexto. 2008; 17(4):758-764. Disponível em:< https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-07072008000400018>. Acesso em 20 de agosto de 2020.

Gonçalves RP, Antunes HM, Teixeira JBP, et al. Profissionais da área de saúde pública: atitudes, conhecimentos e experiências em relação a práticas médicas não-convencionais. Revista APS. 2008; 11(4). Disponível em:< https://periodicos.ufjf.br/index.php/aps/article/view/14256>. Acesso em 23 de julho de 2020.

Thiago SCS, Tesser CD. Percepção de médicos e enfermeiros da Estratégia de Saúde da Família sobre terapias complementares. Revista de Saúde Pública. 2011;45(2):249-257. Disponível em:< https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0034-89102011000200003&script=sci_abstract&tlng=pt>. Acesso em 15 de setembro de 2020.

Lima KMSV, Silva KL, Tesser CD. Práticas integrativas e complementares e relação com promoção da saúde: experiência de um serviço municipal de saúde. Interface - Comunicação, Saúde, Educação. 2014;18(49):261-272. Disponível em:< https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1414-32832014005030133&script=sci_abstract&tlng=pt>. Acesso em 10 de outubro de 2020.

Assis WC, Britto FR, Vieira LO, et al. Novas formas de cuidado através das práticas integrativas no Sistema Único de Saúde. Revista Brasileira em Promoção da Saúde. 2018; 31(2):1-6. Disponível em:< https://periodicos.unifor.br/RBPS/article/view/7575>. Acesso em 13 de julho de 2020.

Matos PC, Laverde CR, Martins PG, Souza JM, et al. Práticas integrativas complementares na atenção primária à saúde. Cogitare Enfermagem. 2018; (23)2: e54781. Disponível em:< https://revistas.ufpr.br/cogitare/article/view/54781/pdf>. Acesso em 05 de novembro de 2020.

Tesser CD, Sousa IMC, Nascimento MC. Práticas Integrativas e Complementares na Atenção Primária à Saúde brasileira. Saúde em Debate. 2018;42(spe1):174-188. Disponível em:< https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S0103-11042018000500174&lng=en&nrm=iso&tlng=pt>. Acesso em 13 de julho de 2020.

Paula ML, Jorge MSB, Morais JB. O processo de produção científica e as dificuldades para utilização de resultados de pesquisas pelos profissionais de saúde. Interface - Comunicação, Saúde, Educação. 2019; 23: e190083. Disponível em:< cielo.br/scielo.php?pid=S1414-32832019000100271&script=sci_abstract&tlng=pt#:~:text=A%20análise%20fundamentou-se%20na,utilização%20dos%20resultados%20das%20pesquisas.> Acesso em 15 de julho de 2020.

Nascimento MC, Romano VF, Chazan ACS, et al. Formação em práticas integrativas e complementares em saúde: desafios para as universidades públicas. Trabalho, Educação e Saúde. 2018;16(2):751-772. Disponível em:< https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1981-77462018000200751>. Acesso em 10 de julho de 2020.

Novaes AM. Publicações sobre a atuação da (o) enfermeira (o) em consulta com práticas integrativas, destacando o Ayurveda [Trabalho de Conclusão de Curso]. Repositório institucional UFSC. 2019. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/202354. Acesso em 20 março de 2021.

Santos LROL, Nascimento LOLS, Brito JQA. Acupuntura como Tratamento do Rejuvenescimento Facial: uma Revisão Literária. Revista Multidisciplinar e de Psicologia. 2018;12(40):382-396. Disponível em:< https://idonline.emnuvens.com.br/id/article/view/1121#:~:text=Os%20estudos%20encontrados%20apontaram%20que,e%20estimulando%20a%20circula%C3%A7%C3%A3o%20local.>. Acesso em 20 de outubro de 2020.

Burgel POF, & Gonçalves HB. Homeopatia: benefícios versus desinformação. Scientia Prima. 2020. 6(1), 72-82. Disponível em: https://abric.ong.br/ojs/index.php/scientiaprima/article/view/17. Acesso em 20 março de 2021.

Ruela LO, Moura CC, Gradim CVC, et al. Implementação, acesso e uso das práticas integrativas e complementares no Sistema Único de Saúde: revisão da literatura. Ciência & Saúde Coletiva. 2019;24(11):4239-4250. Disponível em:< https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1413-81232019001104239&script=sci_abstract&tlng=pt>. Acesso em 25 de agosto de 2020.

Losso LN, Freitas SFT. Avaliação do grau da implantação das práticas integrativas e complementares na Atenção Básica em Santa Catarina. Saúde em Debate. 2017;41(spe3):171-187. Disponível em:< https://www.scielo.br/pdf/sdeb/v41nspe3/0103-1104-sdeb-41-spe3-0171.pdf.>. Acesso em 08 de outubro de 2020.

Lima EDAP, de Azevedo Mello EC, Júnior JNDBS, Rodrigues RV, & dos Santos Guedes HC. Influência das práticas integrativas na promoção à saúde. Temas em saúde. 2019; Disponível em: https://temasemsaude.com/wp-content/uploads/2019/06/fesvip201914.pdf. Acesso em 20 março de 2021.

Luvison A, Maeyama MA, & Nilson LG. Análise das Práticas Integrativas e Complementares em saúde sob a luz da integralidade. Brazilian Journal of Health Review. 2020; 3(2):2634-2650. Disponível em: https://www.brazilianjournals.com/index.php/BJHR/article/view/8304/7162. Acesso em 26 de março de 2021.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n2-319

Refbacks

  • There are currently no refbacks.