Efeitos da liberação miofascial na flexibilidade de mulheres adultas, praticantes de ginástica localizada no Sesc Campinas / Myofascial release effects on the flexibility of adult women who practice localized gymnastics at Sesc Campinas

Daiane Almeida Rodrigues, Johnathan Pereira de Castro

Abstract


Este trabalho é uma busca de conhecimento e experiência na conclusão do estágio em Educação Física, na Atividade Desenvolvimento Físico-Esportivo, ocorrido nas Unidades Executivas/Operacionais do Sesc (Serviço Social do Comércio) – Departamento Regional em Goiás: Sesc Cidadania (2015) e Sesc Campinas (2016) na cidade de Goiânia. O objetivo do presente estudo foi investigar os efeitos da Liberação Miofascial (LM) sobre a flexibilidade de mulheres adultas praticantes de ginástica localizada, analisar a efetividade desta técnica nas aulas como ferramenta metodológica para a melhoria do desempenho físico. Foi traçado perfil de grupo desejado por meio de informações coletadas no Programa de Avaliação Físico-Funcional e no Módulo de Atividades – Central de Atendimentos e pela realização do teste “Sentar-e-Alcançar” pré e pós-intervenção com a técnica de Liberação Miofascial. Fizeram parte da pesquisa 13 alunas de Ginástica Localizada do Sesc de Campinas, com idade média de 46 anos, divididas em dois grupos experimentais, ambos realizaram os mesmos testes de flexibilidade e aplicação da técnica de LM por cinco sessões. Para análise de classificação dos níveis de flexibilidade utilizou-se das Diretrizes do Colégio Americano do Esporte (ACSM) 7ª edição, 2007. Os resultados indicaram mudança significativa. A técnica de LM influenciou positivamente no desempenho físico dos indivíduos.


Keywords


Liberação Miofascial, Flexibilidade, Ginástica localizada.

References


ALTER, M. J., SALES, D. R. Ciência da flexibilidade 3° edição. Porto Alegre: Editora ARTMED, 2010.

ANDRÉ, M. L. A. Mobilização miofascial. Disponível

em: http://www.marialuisa.com.br/tecnicas/liberacaomiofascial. América São Paulo, 2013.

ARRUDA, G. A; STELLBRINK, G; OLIVEIRA, A, R (2010) efeitos da liberação miofascial e idade sobre a flexibilidade de homens, Rev. Researchgate, Londrina, v.18, p. 396-400.

Diretrizes do ACSM para os testes de esforço e sua prescrição / American College of Sports Medicine: Rio de janeiro: Guanabara 7ª edição, 2007.

FRAGA, S. Lume.ufrgs.br, Auto liberação miofascial no treinamento Físico Revisão de literatura, porto- alegre, p. 5-22, 2015.

FORNASARI, A. C. Manual para estudo da cinesiologia. São Paulo: Editora Manole Ltda, 2001.

LEITÃO, B. Rev Bras Med Esporte Posicionamento Oficial da Sociedade Brasileira de Medicina do Esporte: Atividade Física e Saúde na Mulher, Vol. 6, N. 6 – Nov/Dez, 2000.

RÊGO, M; MARTIN, M; FILHO, D. Rev Neurocienc, Efeitos da Liberação Miofascial Sobre a Flexibilidade de um Paciente com Distrofia Miotônica de Steinert, São Paulo-SP, Brasil, p. 404-409, dez 2012.

RIBEIRO, A; ABAD, C; BARROS, V; NETO, B. Rev Bras Cineantropom, Nível de flexibilidade obtida pelo teste de sentar e alcançar a partir de estudo realizado na Grande São Paulo, p. 416-421,2010.

Rubini EC e Gomes PSC. A Titina e suas implicações na elasticidade muscular – breve revisão. Revista Brasileira de Fisiologia do Exercício. 3 (1): 20-25, 2004.

DANTAS, Estélio H. M. Flexibilidade, Alongamento e Flexionamento. 4. ed. Rio de Janeiro: Shape, 1999. p.57-207.

SILVA, M; RABELO, T. Rev. Movimentum - Revista Digital de Educação Física, Estudo comparativo dos níveis de flexibilidade entre mulheres idosas praticantes de atividade física e não praticantes, Ipatinga: Unileste-MG - V.1, p. 1-15, Agos./dez. 2006.

SOUZA, M. S. Estudo comparativo entre as técnicas de alongamento ativo x liberação miofascial. Pós-graduação em Fisioterapia em Traumatologia e Reumatologia, Bio cursos - Manaus, 2012.

VASCONCELOS, A; RIBEIRO, D; MACÊDO, C. Rev. Tema, O tratamento da flexibilidade pela fisioterapia, Campina Grande, v.7, n. 1011, p.29-37, 2008.

XIAOQIANG, Z; SHUSHENG, T; HUANG, Q. Rev. Researchgate, Understanding of myofascial trigger points, chin med, v.13, p.1-7, dez 2014.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n2-305

Refbacks

  • There are currently no refbacks.