Caracterização citogenética de um Craniofaringioma por bandeamento G/ Cytogenetic characterization of a Craniopharyngioma by g banding

Larissa de Souza da Silva, Juliana Cristina Schneider, Edivaldo Herculano Correa de Oliveira, Fabio Pacheco Estumano da Silva

Abstract


Os Cânceres do Sistema Nervoso Central (SNC) representam cerca de 2% de todas as neoplasias. Por afetar o sistema nervoso mostram uma grande variação de sintomas, porque esse órgão coordena todas as funções do corpo. Craniofaringiomas são tumores da região selar presumivelmente derivado de bolsa do epitélio Rathke, com um comportamento benigno. Os casos de craniofaringiomas correspondem a 1,2 a 4,6% dos tumores do SNC. Duas variantes são conhecidas: craniofaringioma adamantinomatoso e papilar. Pouco se sabe sobre alterações cromossômicas deste tipo de tumor, e os estudos por CGH falharam em demostrar alterações cromossômicas especificas até o momento e sugeriram que a presença de múltiplas alterações cromossômicas são eventos raros em craniofaringioma. Nosso trabalho teve como objetivo caracterizar as anormalidades cromossômicas de um paciente com craniofaringioma. A amostra foi obtida no Hospital Ophir Loyola, Belém-PA, e foi cultivada após desagregação enzimática (colagenase tipo IV) para obtenção de cromossomos. As células foram cultivadas com DMEM suplementado com 10% de Soro Bovino Fetal. A colheita cromossômica foi feita com 0,1 ml de colcemid e KCl 0,075 M foi usado para a hipotonização. As lâminas com os cromossomos foram incubadas a 37 ° C por 24 horas antes do tratamento com 2 x SSC a 45 ° C por min 2'30''. A coloração foi realizada em tampão fosfato (pH 6,8) e Wright (3:1). As aquisições de imagens foram feitas em um microscópio Leyca DM 500 com uma câmera ICC Leyca HD 50. Após análise observamos cariótipos muito complexos, com alterações numéricas e estruturais em quase todos os pares de cromossomos. Os números de cromossomos variaram de 44 a 52, exibindo cariótipos próximos a diploidia. O número modal de cromossomos foi de 46. Sendo assim foi construído o seguinte cariótipo composto: 44~52, XY, -X, del (1)(p32-> pter), +2, -4, del (6)(q24 -> qter), -7, -8, -9, -9, -10, +10, +11, -12, +12, +13, +14, -15, +15, -16, -17, +18, -20, -21, +21, +22, +r, +mar(x3), para demostrar as alterações clonais. Os craniofaringiomas foram pouco analisados citogeneticamente até agora, e apenas os cromossomos, o 2 e o 12, foram consistentemente envolvidos. Nosso trabalho contribui para compreensão da biologia dos craniofaringiomas, pois, poucos casos foram citogeneticamente analisados até o momento.


Keywords


craniofaringioma, alterações cromossômicas, bandeamento G, alterações clonais.

References


Bassols, A.M.; Okabayashi, L.S.; Silva, A.B.; Carneiro, B.B.; Feijó, F.; Guimarães G.C.; Cortes, G. N.; Rohde, L.A.; & Eizirik, C.L. (2014). Alunos do primeiro e do último ano de medicina: existe diferença na prevalência e intensidade de ansiedade e sintomas depressivos?. Revista Brasileira de Psiquiatria. 36 (3): 233-40.

Borine, R. W.; Kátia & Bassitt, D. (2015). Relação entre a qualidade de vida e o estresse em acadêmicos da área da saúde. Estudos Interdisciplinares em Psicologia, 6(1), 100.

Brito, H. L., Seidl, E. M. F., & Costa-Neto, S. B. (2016). Coping religioso de pessoas em psicoterapia: um estudo preliminar. Contextos Clínicos, 9(2), 202-215.

Calais, S. L., Andrade, L. M. B. D., & Lipp, M. E. N. (2003). Gender and schooling diferences in stress symptoms in young adults. Psicologia: Reflexão e Crítica, 16(2), 257-263.

Carlotto, R. C., Teixeira, M. A. P., & Dias, A. C. G. (2015). Adaptação acadêmica e Coping em estudantes universitários. PsicoUSF, 20(3), 421-432.

Daré, P. K., & Caponi, S. N. (2017). Cuidado ao indivíduo com depressão na atenção primária em saúde. ECOS-Estudos Contemporâneos da Subjetividade, 7(1), 12-24.

Folkman, S., Lazarus, R. S., Gruen, R. J., & DeLongis, A. (1986). Appraisal, coping, health status, and psychological symptoms. Journal of Personality and Social Psychology, 50(3), 571–579

Gobatto, C. A.; Araujo, T. C. C. F. (2013). Religiosity and spirituality in oncology: Health Professionals' conceptions. Psicologia USP, 24(1), 11-34.

Guilherme, C.; Carvalho, E. C. (2011). Angústia espiritual em pacientes com câncer: intervenções de enfermagem. Revista de Enfermagem UFPE, 5(2), 290-294.

Haldorsen, H.; Bak, N.H.; Dissing, A.; Petersson, B. (2014). Stress and Symptoms of Depression Among Medical Students at The University of Copenhagen. Scand J Public Health, 42(1): 89–95.

Henning-Geronasso, M. C.; Moré, C. L. O. O. (2015). Influencia de la Religiosidad/Espiritualidad en el Contexto Psicoterapéutico. Psicologia: Ciência e Profissão, 35(3), 711-725.

Huang, M. F. C., & Torres, C. M. (2018). A dimensão religiosa no enfrentamento (Coping) em artigos científicos brasileiros. Revista de Estudos e Pesquisa da Religião, 21(2), 96-121.

Langoski, J. E.; Klipan, L. B.; Souza, J. A.; Ferracioli, M. U.; Fadel, C.B.; Bordin, D. (2014). Influência da trajetória acadêmica sobre o estresse e a percepção de estudantes de Odontologia. Revista de Odontologia da UNESP, 43 (Especial), 0-0.

Lawler, K. A., & Younger, J. W. (2002). Theobiology: an analysis of spirituality, cardiovascular responses, stress, mood, and physical health. Jounal of Religion & Health, 41(4):347-362.

Moutinho, I. L.D.; Maddalena, N. C.P.; Roland, R.K,; Lucchetti, A. L. G.; Tibiriça, S.H.C.; Ezequiel, O.S.; Lucchetti, G. (2017). Depression, stress and anxiety in medical students: A cross-sectional comparison between students from diferrent semesters. Rev Assoc Med Bras, 63(1): 21-28

Panzini, R. G., & Bandeira, D. R. (2007). Coping (enfrentamento) religioso/espiritual. Revista de Psiquiatria Clínica, 34(1), 126-135.

Phelps, A. C., Maciejewski, P. K., Nilsson, M., Balboni, T. A., Wright, A. A., Paulk, M. E., Trice, E., Schrag, D., Peteet, J. R., Block, S. D., & Prigerson, H. G. (2009). Religious coping and use of intensive life-prolonging care near death in patients with advanced cancer. JAMA, 301(11), 1140–1147.

Sakae, T. M.; Padão, D. L.; Jornada, L. K. (2010). Sintomas depressivos em estudantes da área da saúde em uma Universidade no Sul de Santa Catarina–UNISUL. Revista da AMRIGS, 54(1), 38-43.

Santos, F. S., Maia, C. R. C., Faedo, F. C., Gomes, G. P. C., Nunes, M. E., & Oliveira, M. V. M. D. (2017). Estresse em Estudantes de Cursos Preparatórios e de Graduação em Medicina. Revista Brasileira de Educação Médica, 41(2), 194-200.

Teixeira, M. A. P.; Dias, A. C. G.; Wottrich, S. H. & Oliveira, A. M. (2008). Adaptação à universidade em jovens calouros. Revista Semestral da Associação Brasileira de Psicologia Escolar e Educacional (ABRAPEE), 12(1), 185-202.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n2-120

Refbacks

  • There are currently no refbacks.