Mortalidade materno-infantil no município do Rio de Janeiro, de 2007 a 2015: um Estudo Ecológico / Maternal and child mortality in the municipality of Rio de Janeiro, from 2007 to 2015: an Ecological Study

Lívia Machado de Mello Andrade, Eduardo Mesquita Peixoto, Luciane de Souza Velasque

Abstract


Contexto: No mundo, mais de 300 mil mulheres morrem por complicações relacionadas ao período gravídico-puerperal, todos os anos, sendo que 99% dos óbitos maternos situam-se nos países em desenvolvimento. Em 2017, no Brasil, mais de 50% das mortes em crianças menores de um ano decorreram de afecções ocasionadas no período perinatal. Tanto a mortalidade materna quanto a infantil são problemas, de modo geral, evitáveis, buscando-se, então, avaliá-los em conjunto. Objetivos: Investigar a relação entre a Razão de Mortalidade Materna e a Taxa de Mortalidade Infantil, entre 2007 e 2015, no município do Rio de Janeiro. Analisar esses parâmetros conforme os bairros, áreas e regiões programáticas da cidade e avaliá-las segundo recortes temporais, que vão de 2007 a 2010, de 2011 a 2015 e de 2007 a 2015. Metodologia: Estudo ecológico, não paramétrico, construído com base nos dados de 2007 a 2015 do Sistema de Informação sobre Mortalidade e do Sistema Nacional de Nascidos Vivos. Foram realizados os testes de Shapiro-Wilk, Spearman, Wilcoxon pareado e Kruskal-Wallis. Uso de banco que continha os limites dos bairros em Áreas Programáticas e Regiões Programáticas, permitindo o desenvolvimento da função Mapas no R software. Resultados: Quanto aos bairros, para a mortalidade materna, razões classificadas como altas prevaleceram, enquanto, para a infantil, taxas consideradas baixas foram as que apresentaram maior frequência. Houve correlação significativa, ainda que fraca, entre a taxa de mortalidade infantil e a razão de mortalidade materna, entre 2007 a 2015. Ao se associar as taxas de mortalidade infantil, nos 3 recortes de tempo empregados, com as áreas programáticas, houve desfecho estatisticamente significativo, assim como para a mortalidade materna, à exceção, neste caso, de 2007 a 2010. No cruzamento com as regiões programáticas, houve associação significativa com as variáveis de mortalidade infantil. Conclusão: É necessário garantir maior equidade quanto às condições sociais, econômicas e assistenciais de saúde para que tais desigualdades sejam atenuadas e, como consequência, a sobrevida das mães e de seus filhos aumentem.

 


Keywords


mortalidade, materna, infantil, materno-infantil, Rio de Janeiro.

References


VIANA, R, NOVAES, M, CALDERON, I. Mortalidade materna: uma abordagem atualizada. Com. Ciências Saúde - 22 Sup 1:S141-S152, 2011. Brasília. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/artigos/mortalidade_materna.pdf. Acesso em: 26 jul. 2019.

Mortalidade Capítulo C. Disponível em: http://tabnet.datasus.gov.br/tabdata/livroidb/2ed/CapituloC.pdf. Acesso em: 26 jul. 2019.

FERREIRA, H. F. Análise da mortalidade materna no município do Rio de Janeiro, 2007 a 2015. 2018. Dissertação (Mestrado em Enfermagem) – Centro de Ciências Biológicas e da Saúde, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro.

PEIXOTO, M. E. A taxa de mortalidade infantil no município do rio de janeiro entre 2010 e 2017: um estudo ecológico. Dissertação (Graduação em Enfermagem) - Centro de Ciências Biológicas e da Saúde, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro.

Subsecretaria de Promoção, Atenção Primária e Vigilância em Saúde. Mortalidade infantil no MRJ. Disponível em: http://www.rio.rj.gov.br/dlstatic/10112/7230287/4197719/MortalidadeInfantilnoMRJ17042017.pdf. Acesso em: 26 jul. 2019.

PEREIRA, F. Z. et al. Mortalidade Infantil e sua relação com as políticas públicas em saúde sob o olhar dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio e Objetivos de Desenvolvimento Sustentável no Estado de Goiás Brazilian Journal of Health Review, v. 4, n. 1, p. 3331–3348, fev de 2021. Disponível em:

https://www.brazilianjournals.com/index.php/BJHR/article/view/24957/19901.

MATOS, Lígia Neres et al . Mortalidade de infantil no município do Rio de Janeiro. Esc. Anna Nery, Rio de Janeiro, v. 11, n. 2, p. 283-288, Jun. 2007. Disponível em: . Acesso em: 26 jul. 2019. http://dx.doi.org/10.1590/S1414-81452007000200015.

RABELLO, D, et al. Análise Descritiva da Mortalidade Materna e na Infância no Brasil, 2007 a 2016. CONASS. Disponível em: https://www.conass.org.br/consensus/analise-descritiva-da-mortalidade-materna-e-na-infancia-brasil-2007-2016/. Acesso em: 26 jul. 2019.

VICTORA, Cesar G. Intervenções para reduzir a mortalidade infantil pré-escolar e materna no Brasil. Rev. bras. epidemiol., São Paulo, v. 4, n. 1, p. 3-69, Apr. 2001. Disponível em: . Acesso em 26 Jul. 2019. http://dx.doi.org/10.1590/S1415-790X2001000100002.

MORSE, Marcia Lait et al. Mortalidade materna no Brasil: o que mostra a produção científica nos últimos 30 anos?. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro , v. 27, n. 4, p. 623-638, Apr. 2011 . Disponível em: . Acesso em: 26 jul. 2019. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2011000400002.

FIOCRUZ. Medidas de austeridade podem aumentar mortalidade infantil no Brasil. 2019. Disponível em: https://portal.fiocruz.br/noticia/medidas-de-austeridade-podem-aumentar-mortalidade-infantil-no-brasil. Acesso em: 26 jul. 2019.

DIAS, J, et al. Mortalidade Materna. Revista Médica de Minas Gerais. v. 25(2), p. 173-179. 2015. Disponível em: http://www.rmmg.org/artigo/detalhes/1771#:~:text=No%20Brasil%2C%20as%20causas%20obst%C3%A9tricas,intimamente%20relacionadas%20a%20fatores%20socioecon%C3%B4micos. Acesso em: 22 set 2020.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n2-253

Refbacks

  • There are currently no refbacks.