Prevalência de gestantes diagnosticadas com HIV no “teste da mamãe” do Estado de Goiás no ano de 2005 a Setembro de 2016 / Prevalence of HIV diagnosed in pregnant women in the "mom test" of the state of Goiás from 2005 to September 2016

Angela Valéria Sampaio Gomes Ferreira, Benigno Alberto Moraes da Rocha, Aline de Cássia Oliveira Castro, Pedro Henrique Martins Piedade, Carlos Augusto de Oliveira Botelho, Carlos Augusto de Oliveira Botelho Junior

Abstract


O HIV é um vírus do gênero Lentivirinae e da família Retroviridae, envelopado de RNA que, uma vez no hospedeiro, transcreve este material em DNA, infecta linfócitos e macrófagos que tem em sua superfície o marcador CD4. Atualmente houve uma progressiva feminização da infecção, decorrente da transmissão heterossexual. Segundo o Relatório Global do Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS (UNAIDS), cerca de 200 milhões de mulheres ficam grávidas a cada ano, das quais 2,5 milhões são infectadas pelo HIV. Identificar o perfil epidemiológico das gestantes HIV positivo é de grande relevância, para a possibilidade de estabelecer estratégias de prevenção e assistência no pré-natal e puerpério. O objetivo do estudo foi estimar a prevalência de infecção por HIV, das gestantes triadas pelo programa de proteção à gestante do Estado de Goiás. Trata-se de um estudo ecológico, retrospectivo, compreendendo série histórica de dez anos, a partir de janeiro de 2005 a setembro de 2016. A triagem é realizada usando sangue seco em papel filtro e analisado pelo método ELISA. Do total de 834.155 gestantes, 1254 foram diagnosticadas com HIV positivo, obtendo prevalência de 1,50 para cada 1000 mulheres (IC95% 1,42-1,58), sendo observado variações de 1,42 para cada 1000 mulheres em 2005 e 1,49 em 2016.


Keywords


Gestantes, HIV, Transmissão Vertical, Prevalência, Estado de Goiás.

References


Junior RM, Marques AR, Masur H. História natural da infecção pelo HIV. Veronesi: Tratado de Infectologia/ editor científico Roberto Focaccia. -- 5. ed. rev. e atual. -- São Paulo: Editora Atheneu, 2015. p. 191-195.

Sabino EC, Barreto CC, Sanabani SS. AIDS e Infecção por HIV. Veronesi: Tratado de Infectologia/ editor científico Roberto Focaccia. -- 5. ed. rev. e atual. -- São Paulo: Editora Atheneu, 2015. p. 165-170.

Moron AF, Camano L, Júnior LK. — Obstetrícia. Barueri, SP. Manole, 2011.

Freitas F, Costa SHM, Ramos JGL, Magalhães JA. Rotinas em Obstetrícia-6. Ed. – Porto Alegre: Artmed, 2011.

Ribeiro AF, Veras MASM, Guerra MAT. Epidemiologia da infecção pelo HIV/aids. Veronesi: Tratado de Infectologia/ editor científico Roberto Focaccia. -- 5. ed. rev. e atual. -- São Paulo: Editora Atheneu, 2015. p. 171-186.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Coordenação-Geral de Desenvolvimento da Epidemiologia em Serviços. Guia de Vigilância em Saúde: volume 1. ed. atual. – Brasília: Ministério da Saúde, 2017.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Boletim Epidemiológico. HIV/AIDS. Volume 49- nº 53. 2018a.

Zugaib. Obstetrícia / editor Marcelo Zugaib; editora associada Rossana Pulcineli Vieira Francisco; [ilustrações Sirio José Braz Cançado]. – 3. ed. – Barueri, SP: Manole, 2016.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Protocolo clínico e diretrizes terapêuticas para prevenção da transmissão vertical de hiv, sífilis e hepatites virais. Departamento de Vigilância, Prevenção e Controle das Infecções Sexualmente Transmissíveis, do HIV/Aids e das Hepatites Virais. Brasília – DF 2018b.

Brasil. Ministério da Saúde. Protocolos da Atenção Básica: Saúde das Mulheres / Ministério da Saúde, Instituto Sírio-Libanês de Ensino e Pesquisa – Brasília: Ministério da Saúde, 2016.

Araújo EC, Monte PCB, Haber ANA. Avaliação do pré-natal quanto à detecção de sífilis e HIV em gestantes atendidas em uma área rural do estado do Pará, Brasil. Revista Pan-Amazônica de Saúde, v. 9, n. 1, p. 33-39, 2018.

Paes ALV, Gomes HG, Ribeiro ARS, Lima MMB, Araújo BB, Smith NA. Perfil epidemiológico de gestantes com HIV acompanhadas em um serviço de assistência especializada em Belém-PA. R. Interd. V. 10, n.3, p. 100-109, jul. ago. set. 2017.

Barbosa BLFA, Marques AK, Guimarães JV. Gestantes HIV positivas e os fatores de risco relacionados à transmissão vertical do HIV. Rev. enferm. UFPE online, v. 12, n. 1, p. 171-178, 2018.

Vieira ACBC, Miranda AE, De Vargas PRM, Maciel ELN. Prevalência de HIV em gestantes e transmissão vertical segundo perfil socioeconômico, Vitória, ES. Revista de Saúde Pública, v. 45, p. 644-651, 2011.

Ferezin RI, Bertolini DA, Demarchi IG. Prevalência de sorologia positiva para HIV, hepatite B, toxoplasmose e rubéola em gestantes do noroeste paranaense. Rev. bras. ginecol. obstet, v. 35, n. 2, p. 66-70, 2013.

Menezes LSH, Palácios VRCM, Alcântara MSV, Bichara CNC. Prevalência da infecção por HIV em grávidas no Norte do Brasil. DST - J bras Doenças Sex Transm 2012; 24(4): 250-254 - ISSN: 0103-4065 - ISSN on-line: 2177-8264.

Granato SMR, Rezende HHA, Mendonça JR, De Castro AM, Avelar JB. Prevalência de HIV, toxoplasmose e tripanossomíase americana em gestantes em goiás. Estudos, Goiânia, v. 41, n. 4, 2014.

Gouveia PAC, Da Silva GAP, De Albuquerque MFPM. Factors associated with mother-to-child transmission of the human immunodeficiency virus in Pernambuco, Brazil, 2000-2009. Tropical medicine & International Health: TM & IH, v. 18, n. 3, p. 276-285, 2013.

Carvalho CFS, Silva RAR. Perfil sociodemográfico e de saúde de mulheres soropositivas em um pré-natal de alto risco. Cogitare Enfermagem,v. 19, n. 2, 2014.

Darak S, Janssen F, Hutter I. Fertility among HIV-infected Indian women: the biological effect and its implications. Journal of biosocial science, v. 43, n. 1, p. 19-29, 2011.

D'ubaldo C, Pezzotti P, Rezza G, Branca M, Ippolito G. Association between HIV-1 infection and miscarriage: a retrospective study. Aids, v. 12, n. 9, p. 1087-1093, 1998.

Shearer WT, Langston C, Lewis DE, Pham EL, Hammill HH, Kozinetz CA, Hanson IC, Popek EJ. Early spontaneous abortions and fetal thymic abnormalities in maternal‐to‐fetal HIV infection. Acta Pediatrica, v. 86, n. S421, p. 60-64, 1997.

Villela WV, Barbosa RM, Portella AP, De Oliveira LA. Motivos e circunstâncias para o aborto induzido entre mulheres vivendo com HIV no Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, v. 17, p. 1709-1719, 2012.

Barbaresco AA, Da Costa TL, Avelar JB, Rodrigues IMX, Do Amaral WN, De Castro AM. Infecções de transmissão vertical em material abortivo e sangue com ênfase em Toxoplasmose gondii. Rev Bras Ginecol Obstet. 2014; 36(1):17-22.

Silva CM, Alves RS, Dos Santos TS, Bragagnollo GR, Tavares CM, Dos Santos AAP. Epidemiological overview of HIV/AIDS in pregnant women from a state of northeastern Brazil. Rev Bras Enferm [Internet]. 2018;71(Suppl 1):568-76. [Thematic Issue: Contributions and challenges of nursing practices in collective health]

Filgueiras PL, Bastos CE, Sena EA, Freitas CHSM, Pereira IL, De Oliveira MG. Caracterização das gestantes portadoras de HIV no Estado da Paraíba, 2008-2012. Rev Bras Ciênc Saúde, v. 18, p. 115-124, 2014.

De Lima SKSS, De Souza KKB, Dantas SLC, Rodrigues ARM, Rodrigues IR. Caracterização das gestantes com HIV/Aids admitidas em hospital de referência. SANARE-Revista de Políticas Públicas, v. 16, n. 01, P. 45-51, Jan/Jun.- 2017.

Ayala ALM, Moreira A, Francelino G. Características socioeconômicas e fatores associados à positividade para o HIV em gestantes de uma cidade do sul do brasil. Revista de Atenção Primária a Saúde, Rev. APS. 2016 abr/jun; v. 19 n. 2: 210 - 220.

Figueiró-Filho EA, Senefonte FRA, Lopes AHA, Morais OO, Júnior VGS, Maia TL, Duarte G. Frequência das infecções pelo HIV-1, rubéola, sífilis, toxoplasmose, citomegalovírus, herpes simples, hepatite B, hepatite C, doença de Chagas e HTLV I/II em gestantes, do Estado de Mato Grosso do Sul. Rev Soc Bras Med Trop, v. 40, n. 2, p. 181-7, 2007.

Dutra PA. Distribuição espacial da infecção pelo vírus da imunodeficiência Humana em gestantes do Ceará. Dissertação- Universidade Estadual do Ceará, Centro de Ciências da Saúde, Programa de Pós-Graduação em Cuidados Clínicos em Enfermagem e Saúde, Fortaleza, 2017.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n2-248

Refbacks

  • There are currently no refbacks.