Estatística sobre o crescimento de pessoas coinfectadas TB-HIV no Estado do Pará e formas de reduzir os índices / Statistics on the growth of TB-HIV coinfected people in the State of Para and ways to reduce índices

Juan Gonzalo Bardález Rivera, Kezia Rayane Paulino Da Silva, Bianca Matos Pantoja, Marcela Adriana Miranda, Márcia Moares Paulino Da Silva, Annie Elisandra Mesquita De Oliveira

Abstract


A infecção pelo HIV aumenta as chances de desenvolvimento da tuberculose(TB) em 25 vezes mais do que uma pessoa que não tem o vírus. Isso ocorre devido a vulnerabilidade do sistema imunológico, que tem a função de defender o organismo contra as doenças. Dessa forma, pessoas com o vírus HIV ficam imunossuprimidas e são mais susceptíveis a desenvolver tuberculose. Objetivos: Demostrar o crescente número de casos de pessoas coinfectadas por TB-HIV no Pará e mencionar as formas de redução dos índices. Metodologia: Trata-se de um estudo bibliográfico descritivo, quantitativo de caráter retrospectivo. Onde foi realizado através de artigos científicos na plataforma SCIELO e dados estatísticos pelo boletim epidemiológico de 2018 do Ministério da Saúde e do DATASUS. Resultados: No Brasil, em 2017, dos 74,8 mil novos casos de tuberculose registrados, 11,4% apresentaram resultado positivo também para o HIV, o que representa 8,5 mil pessoas infectadas pelas duas doenças (TB-HIV). Em 2018, no Brasil, foram diagnosticados 9.508 números de casos confirmados para HIV positivo em coinfecção. Na região Norte, em 2018, casos novos com coinfecção TB-HIV são de 44,3%. No Pará, os casos novos com coinfecção são de 46,6% para cada 100 mil habitantes. Conclusão: Através dos dados são observados aumento em relação ao ano anterior, havendo a necessidade de redução dos índices. Para minimizar o desenvolvimento de TB em pessoas infectadas com HIV deve-se realizar o diagnóstico precoce e fazer a utilização de terapia antirretroviral (TARV). Além disso, é de suma importância os profissionais de saúde gerarem métodos de suporte social, para melhorar a qualidade de vida dos pacientes, ao apoio da família, amigos e comunidade, a fim de esclarecer sobre a doença e as formas de contágio. Portanto, sendo o objetivo diminuir os índices e o preconceito atrelados a doença.

 


Keywords


Tuberculose, HIV, coinfecção, Região Norte, Pará.

References


BARBOSA, E.L; LEVINO, A. ANÁLISE DA COINFECÇÃO TB/HIV COMO FATOR DE DESENVOLVIMENTO DA TUBERCULOSE MULTIDROGA RESISTENTE: UMA REVISÃO SISTEMÁTICA. Rev Pan-Amaz Saude, 4(4):57-66, 2013.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretária-Executiva. Boletim Epidemiológico. Relato de pesquisas operacionais para a qualificação da vigilância e assistência às pessoas com tuberculose. vol. 00, set, 2020.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretária-Executiva. Boletim Epidemiológico. Brasil Livre da Tuberculose: evolução dos cenários epidemiológicos e operacionais da doença. vol. 50, Mar, 2019.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretária-Executiva. Boletim Epidemiológico. Implantação do Plano Nacional pelo Fim da Tuberculose como Problema de Saúde Pública no Brasil: primeiros passos rumo ao alcance das metas.vol. 49, Mar, 2018.

BRASIL. Ministério da Saúde. Protocolo clínico e diretrizes terapêuticas para manejo da infecção pelo HIV em adultos. 2013. Disponível em: http://conitec. gov.br/images/Protocolos/PCDT_Manejo-HIVAdultos_2013.pdf. Acessado em: 22/05/2019.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria-Executiva. Recomendações para o manejo da coinfecção TB-HIV em serviços de atenção especializada a pessoas vivendo com HIV/AIDS / Ministério da Saúde. Secretaria-Executiva – Brasília: Ministério da Saúde, 2013a.

COELHO, L. E; ESCADA, R. O. S.; BARBOSA, H. P. P.; SANTOS, V. G. V. S.; GRINSZTEJN, B.G.J. O TRATAMENTO DA COINFECÇÃO HIV-TB. BJID, Vol 2, Nº 5, outubro, 2016.

SAN PEDRO, A.; OLIVEIRA, R. M.TUBERCULOSE E INDICADORES SOCIOECONÔMICOS: REVISÃO SISTEMÁTICA DA LITERATURA. Rev Panam Salud Publica. abr;33(4):294-301, 2013.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. GLOBAL TUBERCULOSIS REPORT 2015. Geneva: World Health Organization; 2015.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n2-247

Refbacks

  • There are currently no refbacks.