Soropositividade ao PGL-I em um centro de reintegração para pessoas atingidas pela hanseníase e diferentes Regiões do Município de Anápolis-Goiás / Seropositivity to PGL-I in a reintegration center for people affected by leprosy and different regions in the Municipality of Anápolis-Goiás

Leonardo Queiroz Lopes, Gabriel Peixoto Nascimento, Amira Mohamed Ahmed, Mahitab AbdelNasser Ibrahem Sultan, Rodolfo Andres Sepulveda Barraza, Rodrigo Scaliante de Moura, Samira Bührer- Sékula

Abstract


Objetivo: Realizar avaliação sorológica comparativa ao antígeno Glicolipídeo Fenólico-I (PGL-I), utilizando o teste ML Flow, entre moradores de uma instituição coordenada pelo movimento de reintegração das pessoas atingidas pela hanseníase àquela encontrada entre áreas adjacentes e geograficamente distantes do município de Anápolis, no estado de Goiás, com o intuito de colaborar na descrição soroepidemiológica da hanseníase. Métodos: Trata-se de uma pesquisa exploratória, observacional e transversal, em forma de levantamento de prevalência, não controlada e não randomizada. Envolveu aplicação do teste imunocromatográfico ML Flow para detecção de anticorpos anti-PGL-I, desenvolvido pelo Instituto de Patologia Tropical e Saúde Pública da Universidade Federal de Goiás, além de questionário semiestruturado direcionado aos determinantes sociais da doença. Os dados foram coletados em 2018 por amostra obtida por conveniência. Resultados: Participaram 79 pessoas, sendo 19 internos da instituição (Grupo 1), 20 moradores circunvizinhos (Grupo 2) e 40 habitantes de áreas distantes do município (Grupo 3), sendo detectadas imunoglobulinas IgM direcionadas ao antígeno em 10,5%, 10% e 2,5%, respectivamente. Nota-se maior soropositividade na instituição e áreas próximas, em contraste com as regiões distantes da cidade. No entanto, os dados obtidos sugerem soroprevalência similar a regiões endêmicas e justifica-se pela configuração histórica do bairro. Além disso, os atuais casos notificados no município estão difusamente distribuídos pelos limites da cidade, sem restrição geográfica excepcional. Conclusão: Esclarecimento sorológico e a informação sobre a patologia favorecem a eliminação da marginalização e estigmas impostos sobre indivíduos que possuíram a doença outrora ou que estão sob condições de vulnerabilidade social abrigados pela instituição.


Keywords


Hanseníase, Mycobacterium Leprae, Preconceito, Estigma Social, Sorologia

References


Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis, Secretaria de Vigilância em Saúde, Ministério da Saúde. Guia prático sobre a hanseníase. Brasília: Ministério da Saúde; 2017; 1:1-78.

Lana FCF, Lanza FM, Carvalho APM, Tavares APN. O estigma em hanseníase e sua relação com as ações de controle. Revista de Enfermagem da UFSM 2014; 4:556–565.

Duthie MS, Balagon MF. Combination chemoprophylaxis and immunoprophylaxis in reducing the incidence of leprosy. Risk Management and Healthcare Policy 2016; 9:43–53.

World Health Organization. Global leprosy update, 2018: moving towards a leprosy free world. Weekly Epidemiological Record 2019; 94:389–412.

Silva LF. Eternos órfãos da saúde: medicina, política e construção da lepra em Goiás (1830-1962). Biblioteca Digital Faculdade de História da UFG 2013; 93:1-360.

Silva LF. Filantropia e política de assistência às famílias de doentes de lepra em Goiás, 1920-1962. História, Ciências, Saúde - Manguinhos 2016; 23:321–340.

Leite SCC, Sampaio CA, Caldeira AP. “Como ferrugem em lata velha”: O discurso do estigma de pacientes institucionalizados em decorrência da hanseníase. Physis 2015; 25:121–138.

Marinho FD, Nardi SMT, Coutinho GC. Fear and insignificance: social representations of leprosy for adolescents with the disease. Psychology 2019; 20:192–208.

Silveira MGB, Coelho AR, Rodrigues SM, Soares MM, Camillo GN. Portador de hanseníase: impacto psicológico do diagnóstico. Psicologia & Sociedade 2014; 26:517–527.

Frade MAC, Paula NA, Gomes CM, Vernal S, Bernardes Filho F, Lugão HB et al. Unexpectedly high leprosy seroprevalence detected using a random surveillance strategy in midwestern Brazil: A comparison of ELISA and a rapid diagnostic test. Plos Neglected Tropical Diseases 2017; 11:1-12.

Madureira BP, Carvalho FM, Pessolani MC, Collin SM, Deps PD. PGL-1 and LID-1 antibody levels in HIV-infected and HIV-uninfected individuals in a Hansen’s disease (leprosy) endemic area of Brazil. Immunobiology 2020; 19:1-17.

Filho FB, Paula NA, Leite MN, Abi-Rached TLC, Vernal S, Silva MB et al. Evidence of hidden leprosy in a supposedly low endemic area of Brazil. Memórias do Instituto Oswaldo Cruz 2017; 112:822–828.

Cardona-Castro N, Beltrán-Alzate JC, Manrique-Hernández R. Survey to identify Mycobacterium leprae-infected household contacts of patients from prevalent regions of leprosy in Colombia. Memórias do Instituto Oswaldo Cruz 2008; 103:332–336.

Abe M, Ozawa T, Minagawa F, Yoshino Y. Immuno-epidemiological studies on subclinical infection in leprosy. I. Geographical distribution of seropositive responders with special reference to their possible source of infection. Nippon Rai Gakkai Zasshi 1990; 59:130-144.

Bakker MI, Hatta M, Kwenang A, Klatser PR, Oskam L. Epidemiology of leprosy on five isolated islands in the Flores Sea, Indonesia. Trop Med Int Health 2002; 7:780–787.

Kampirapap K. Assessment of subclinical leprosy infection through the measurement of PGL-1 antibody levels in residents of a former leprosy colony in Thailand. Leprosy Review 2008; 79:315–319.

Hagag MM, Safan MA, Abdou DM. Relation between anti-phenolic glycolipid-1 seropositivity and other factors among the household contacts of Egyptian leprosy cases. Menoufia Medicine Journal 2019; 32:238-243.

World Health Organization. Report on BCG vaccine use for protection against mycobacterial infections including tuberculosis, leprosy, and other nontuberculous mycobacteria infections. Vaccine 2017; 1:1–77.

Feenstra SG, Nahar Q, Pahan D, Oskam L, Richardus JH. Social contact patterns and leprosy disease: a case-control study in Bangladesh. Epidemiology & Infection 2013; 141:573–581.

Leano HAM, Araújo KMFA, Bueno IC, Niitsuma ENA, Lana FCF. Socioeconomic factors related to leprosy: an integrative literature review. Revista brasileira de enfermagem 2019; 72:1405-1415.

Andrade KVF, Silva Nery J, Moreira Pescarini J, Ramond A, Souza Teles Santos CA, Ichihara MY et al. Geographic and socioeconomic factors associated with leprosy treatment default: An analysis from the 100 Million Brazilian Cohort. Franco-Paredes C, editor. Plos Neglected Tropical Diseases 2019; 13:1-18.

Resende DM, Souza MR, Santana CF. Hanseníase na Atenção Básica de Saúde: principais causas da alta prevalência de hanseníase na cidade de Anápolis-GO. Hansenologia Internationalis 2009; 34:27–36.

Carvalho APM, Coelho ACO, Correa-Oliveira R, Lana FCF. Specific antigen serologic tests in leprosy: Implications for epidemiological surveillance of leprosy cases and household contacts. Memórias do Instituto Oswaldo Cruz 2017; 112:609–616.

Pinheiro MGC, Simpson CA. Preconceito, estigma e exclusão social: Trajetória de familiares influenciada pelo tratamento asilar da hanseníase. Revista Enfermagem UERJ 2017; 25:1-6.

Santos RS, Bragança GMG, Filho CAMS. Avaliação da qualidade de vida e frequência de ansiedade e depressão em portadores de hanseníase. Brazilian Journal of Health Review 2020; 3:2932-2943.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n2-231

Refbacks

  • There are currently no refbacks.