Intercorrências obstétricas na adolescência e a mortalidade materna no Brasil: uma revisão sistemática / Obstetric complications during adolescence and maternal mortality in Brazil: a systematic review

Isabelle Oliveira Santos da Silva, Beatriz Gomes dos Santos, Liliane Santos Guedes, João Marcos Ferreira Assis, Brenda de Oliveira Silva, Evelin Oliveira Braga, Ana Caroline Andrade Mendes, Samuel Oliveira Rodrigues

Abstract


As intercorrências obstétricas são um dos principais fatores desencadeantes de morbimortalidade materna no Brasil. Aliado a isso, nas gestantes adolescentes, tem-se o agravante das vulnerabilidades correlatas a esta faixa etária, sendo um fator de risco para complicações materno-fetais. O objetivo deste estudo é identificar as intercorrências obstétricas características da gravidez na adolescência, e relacioná-las com a morbimortalidade de gestantes nesta faixa etária. Para tanto, como metodologia, foi realizado, mediante as orientações da Cochrane, uma revisão sistematizada, dos trabalhos publicados em português, entre os anos 2015 a 2020, com os descritores “Mortalidade Materna”, “Gravidez na Adolescência” e “Complicações na Gravidez” nas bases de dados LILACS, SCIELO e MEDLINE, que apresentaram, respectivamente, 373, 217 e 227 resultados. Critérios para seleção: título e/ou resumos pertinentes ao tema, metodologia, e verificação superior a 17 itens na “Declaração STROBE”. Destes, 19 artigos foram selecionados para este estudo. Dentre os artigos selecionados, daqueles que apresentaram o Índice de Gravidez na Adolescência e o Índice de Mortalidade Materna na Adolescência, observou-se uma média de 20,7% de gestantes adolescentes, e de 17% de mortalidade entre elas. Quanto às complicações obstétricas, dos 14 artigos que a abordaram estatisticamente, 11 afirmaram que as Doenças Hipertensivas são mais prevalentes na gestação, seguido por Distúrbios Hemorrágicos, Infecções Puerperais, Infecção no Trato Urinário e Abortos. Quanto às características socioeconômicas, abordadas em 26% dos estudos, o extremo de idade, a cor preta, a baixa renda e estado civil “solteira”, são apontados como fatores de risco para intercorrências gestacionais. Ademais, em 12 estudos, ficou evidenciado que uma Atenção Básica eficaz, e um pré-natal adequado, são fatores imprescindíveis para evitar essas complicações. Portanto, verificou-se a necessidade do fortalecimento da Atenção Primária à Saúde (APS), focalizando nas principais intercorrências obstétricas, de modo a oferecer assistência, suporte e pré-natal adequado às gestantes adolescentes, visando reduzir as iniquidades e mitigar a morbimortalidade na adolescência.


Keywords


Intercorrências obstétricas, Gravidez na adolescência, Mortalidade materna, Near miss

References


ANDRADE, Julio Rezende et al. A história obstétrica de gestantes com trombofilias hereditárias. Clinical & Biomedical Research , v.39, n.2, p. 144-151, 2019.

ANDRADE, Magna Santos et al. Morbidade materna grave em hospitais públicos de Ribeirão Preto, São Paulo, Brasil. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 36, n. 7, e00096419, 2020.

AZEVEDO, Walter Fernandes de et al. Complicações da gravidez na adolescência: revisão sistemática da literatura. Einstein (São Paulo), São Paulo, v. 13, n. 4, p. 618-626, Dez. 2015.

BIANO, Roberta Kiara Costa et al. Mortalidade materna no Brasil e nos municípios de Belo Horizonte e Uberaba, 1996 a 2012. RECOM - Revista de Enfermagem do Centro Oeste Mineiro , v. 7, p. e1464, 2017.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Mortalidade materna no Brasil. Boletim Epidemiológico, v. 51, n. 20, p. 21-27, Brasília, mai. 2020.

______. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Área Técnica de Saúde da Mulher. Pré-natal e Puerpério: atenção qualificada e humanizada - manual técnico. Brasília, 2005.

______. Ministério da Saúde. Banco de dados do Sistema Único de Saúde - DATASUS. Disponível em: . Acesso em: 13 jan. 2021.

CARVALHO, Laís Rayana de Oliveira et al. Mortalidade de mulheres em idade fértil entre 1998 e 2012 na microrregião de Barbacena. Revista Interdisciplinar de Estudos Experimentais, v. 8, p. 15-22, 2016.

CARVALHO, Patrícia Ismael de et al. Perfil sociodemográfico e assistencial da morte materna em Recife, 2006-2017: estudo descritivo. Epidemiol. Serv. Saúde, Brasília, v. 29, n. 1, e2019185, 2020.

COSTA, Evaldo Lima da; SENA, Maria Cristina Ferreira; DIAS, Adriano. Gravidez na adolescência: determinante para prematuridade e baixo peso. Comunicação em Ciências da Saúde, p. 183-188, 2011.

DEL CIAMPO, Luiz Antônio et al. Tendência secular da gravidez na adolescência. Pediatria (São Paulo), 2004; 26(1):21‑6

FALAVINA, Larissa Pereira et al. Hospitalização durante a gravidez segundo financiamento do parto: um estudo de base populacional. Rev. esc. enferm. USP, São Paulo, v. 52, 2018.

GURGEL, Maria Glêdes Ibiapina et al. Gravidez na adolescência: tendência na produção científica de enfermagem. Escola Anna Nery, Rio de Janeiro, v.12, n. 4, p. 800-806, 2008.

LOUREIRO, Camila Marcelino et al. Aspectos Sociodemográficos e Obstétricos da Morbidade Materna Grave. Cienc. enferm., Concepción , v. 23, n. 2, p. 21-32, 2017.

MASCARELLO, Keila Cristina et al. Complicações puerperais precoces e tardias associadas à via de parto em uma coorte no Brasil. Rev. bras. epidemiol., São Paulo, v. 21, 2018.

MENEZES, Greice M. S. et al. Aborto e saúde no Brasil: desafios para a pesquisa sobre o tema em um contexto de ilegalidade. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 36, supl. 1, 2020.

MOURA, Barbara Laisa Alves et al. Internações por complicações obstétricas na gestação e desfechos maternos e perinatais, em uma coorte de gestantes no Sistema Único de Saúde no Município de São Paulo, Brasil. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 34, n. 1, e00188016, 2018.

NEAL, Sarah et al. The causes of maternal mortality in adolescents in low and middle income countries: a systematic review of the literature. BMC Pregnancy Childbirth 16, 352, 2016. Disponível em: . Acesso em: 14 jan. 2021.

NUNES, Maria das Dores Sousa; MADEIRO, Alberto; DINIZ, Debora. Mortes maternas por aborto entre adolescentes no Piauí, Brasil. Saúde debate, Rio de Janeiro, v. 43, n. 123, p. 1132-1144, 2019.

OLIVEIRA, Leonam Costa; COSTA, Aurélio Antônio Ribeiro da. Near miss materno em unidade de terapia intensiva: aspectos clínicos e epidemiológicos. Rev. bras. ter. intensiva, São Paulo , v. 27, n. 3, p. 220-227, Set. 2015.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. Departamento de Assuntos Econômicos e Sociais. Transformando Nosso Mundo: a Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável. 2016. Disponível em: . Acesso em 14 jan. 2021.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Avaliação da qualidade do cuidado nas complicações graves da gestação: a abordagem do near miss da OMS para a saúde materna. Genebra. 2011.

ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DE SAÚDE. Brasil. Organização Mundial da Saúde. Folha informativa - Mortalidade materna. 2018. Disponível em: . Acesso em: 14 jan. 2021.

PERACOLI, José Carlos; PARPINELLI, Mary Angela. Síndromes hipertensivas da gestação: identificação de casos graves. Rev. Bras. Ginecol. Obstet., Rio de Janeiro, v. 27, n. 10, p. 627-634, Out. 2005.

ROSENDO, Tatyana Maria Silva de Souza; RONCALLI, Angelo Giuseppe. Prevalência e fatores associados ao Near Miss Materno: inquérito populacional em uma capital do Nordeste Brasileiro. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro , v. 20, n. 4, p. 1295-1304, Abr. 2015.

SAMPAIO, Aline Fernanda Silva; ROCHA, Maria José Francalino da; LEAL, Elaine Azevedo Soares. Gestação de alto risco: perfil clínico-epidemiológico das gestantes atendidas no serviço de pré-natal da maternidade pública de Rio Branco, Acre. Rev. Bras. Saude Mater. Infant., Recife, v. 18, n. 3, p. 559-566, Set. 2018.

SANTOS, Luciana Angélica Vieira et al. História gestacional e características da assistência pré-natal de puérperas adolescentes e adultas em uma maternidade do interior de Minas Gerais, Brasil. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro , v. 23, n. 2, p. 617-625, Feb. 2018.

SILVA, Bruna Gonçalves Cordeiro da et al. Mortalidade materna no Brasil no período de 2001 a 2012: tendência temporal e diferenças regionais. Rev. bras. epidemiol., São Paulo , v. 19, n. 3, p. 484-493, Set. 2016.

SILVA, Thaíse Castanho da et al. Morbidade materna grave identificada no Sistema de Informações Hospitalares do Sistema Único de Saúde, no estado do Paraná, 2010. Epidemiol. Serv. Saúde, Brasília , v. 25, n. 3, p. 617-628, Set. 2016.

SILVA, Jamiscleia Rodrigues da et al. Indicadores da Qualidade da Assistência Pré-Natal de Alto Risco em uma Maternidade Pública. Revista Brasileira de Ciências da Saúde, v. 22, n. 2, p. 109-116, 16 mar. 2018.

SILVEIRA, Monica Silva et al. Ansiedade e Depressão na Morbidade Materna Grave e Near Miss. Psic.: Teor. e Pesq., Brasília, v. 35, 2019.

SOUZA, Ivelise Araújo de; SERINOLLI, Mário Ivo; NOVARETTI, Márcia Cristina Zago. Assistência pré-natal e puerperal e indicadores de gravidade no parto: um estudo sobre as informações disponíveis no cartão da gestante. Rev. Bras. Saude Mater. Infant., Recife, v. 19, n. 4, p. 983-989, Dez. 2019.

TEDOLDI, Citânia Lúcia; ZOUVI, João Paulo. Sociedade Brasileira de Cardiologia. Diretriz da Sociedade Brasileira de Cardiologia para Gravidez na Mulher Portadora de Cardiopatia. Arq. Bras. Cardiol. 2009.

VEGA, Carlos Eduardo Pereira; SOARES, Vânia Muniz Néquer; LOURENCO FRANCISCO NASR, Acácia Maria. Mortalidade materna tardia: comparação de dois comitês de mortalidade materna no Brasil. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro , v. 33, n. 3, 2017.

VIANA, Rosane da Costa; NOVAES, Maria Rita Carvalho Garbi; CALDERON, Iracema de Mattos Paranhos. Mortalidade Materna: uma abordagem atualizada. Comunicação em Ciências da Saúde, v. 22, sup. 1, p. 141-152, 2011.

VIDAL, Carlos Eduardo Leal et al. Morbidade materna grave na microrregião de Barbacena/MG. Cad. saúde colet., Rio de Janeiro , v. 24, n. 2, p. 131-138, Jun. 2016.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n2-222

Refbacks

  • There are currently no refbacks.