Nootrópicos na era dos extremos: drogas da inteligência e pressão social/ Nootropics in the era of the extrems: drugs of intelligence and social pressure

Daniela Heitzmann Amaral Valentim de Souza, Enzo Malveira Nunes Maciel, Letícia Joyce Santos da Silva, Marília Gabriela Chalegre Santos, Priscila Maria Rodrigues Araújo

Abstract


Os nootrópicos pertencem a uma classe de drogas que atuam sobre o sistema nervoso central (SNC), provocando uma cascata de efeitos fisiológicos que induzem ao aumento da concentração e do foco. A princípio desenvolvido como tratamento para narcolepsia e transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH), entre os jovens acadêmicos, é comum o uso de metilfenidato (Ritalina®) como método de ampliação da capacidade de estudo para acompanhar a demanda e a competitividade que o meio exige. No Brasil, apesar da existência de legislações que regulamentem a distribuição e a venda de psicotrópicos, o principal problema identificado reside na persistência de mercados ilegais de venda dessas substâncias e de meios de “propaganda” em redes sociais e fóruns virtuais, assim como na necessidade de produtividade e de sucesso imposta pela sociedade, que fomenta o uso indevido – e o consequente abuso – por um processo não só fisiológico de dependência, mas também social. Nesta pesquisa bibliográfica, realizada a partir de estudos e de relatos de caso acerca dos efeitos desse medicamento a curto e a longo prazo, assim como da medicalização da sociedade, abordou-se como os jovens acadêmicos são influenciados pelo convívio social e pelo senso de perfeccionismo que lhe são impostos, de modo a compreender o aspecto médico e aprofundar a questão social de como esse problema afeta a saúde pública no país.

 


Keywords


Nootrópicos, Indústria Farmacêutica, Estudantes, Metilfenidato, Saúde Pública.

References


BATISTELA, S. et al. METILFENIDATO COMO AMPLIADOR COGNITIVO EM JOVENS SAUDÁVEIS. Dementia & Neuropsychologia, São Paulo, v. 10, n. 2, p. 134-142, jun. 2016. Acesso em: 13 set. 2020.

CANDIDO, R. C. F. et al. Prevalência e fatores associados ao uso de metilfenidato para neuroaprimoramento farmacológico entre estudantes universitários. Einstein (São Paulo), São Paulo, v. 18, 2020. Acesso em: 13 Sept. 2020.

CASTRO, B. P. de; BRANDÃO, E. R. Circulación de información sobre medicamentos y otras sustancias para aumentar el rendimiento cognitivo: un estudio de un blog brasileño (2015-2017). Sallud Colect, [s. l.], v. 16, p. 1-17, 24 ago. 2020. Acesso em: 13 set. 2020.

CONCEIÇÃO, G. da. PRINCIPAIS SUBSTÂNCIAS UTILIZADAS NA PRÁTICA DE DOPING MENTAL POR ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS. "Doping" mental no meio acadêmico: uma revisão de escopo. 2019. TCC (Graduação em Farmácia) - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2019. p. 31. Acesso em: 13 set. 2020.

CORDEIRO, N.; PINTO, R. M. C. CONSUMO DE ESTIMULANTES CEREBRAIS EM ACADÊMICOS DA ÁREA DA SAÚDE NA CIDADE DE PONTA GROSSA-PR. Visão Acadêmica, Curitiba, v. 18, n. 2, p. 23-45, abr.-jun. 2017. Acesso em: 9 out. 2020.

GONÇALVES, C. de S.; PEDRO, R. M. L. R. “Drogas da Inteligência?”: Cartografando as controvérsias do consumo da Ritalina® para o aprimoramento cognitivo. Psicología, Conocimiento y Sociedad, Montevideo, v. 8, n. 2, p. 53-67, nov. 2018. Acesso em: 13 set. 2020.

MAIA, I. F. AS “DROGAS DA INTELIGÊNCIA”: apropriações e subjetividades no uso de psicofármacos para potencializar o desempenho cognitivo. In: REUNIÃO BRASILEIRA DE ANTROPOLOGIA, 31., 2018, Brasília. Anais eletrônicos [...]. [S.l.], 2018. p. 8.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Secretaria de Vigilância em Saúde. Portaria nº 344, de 12 de maio de 1998. [Aprova o Regulamento Técnico sobre substâncias e medicamentos sujeitos a controle especial]. Diário Oficial da União, [S. l.], 12 maio 1998. Acesso em: 13 set. 2020.

SANTANA, L. C. et al. Consumo de Estimulantes Cerebrais por Estudantes em Instituições de Ensino de Montes Claros/MG. Rev. bras. educ. med., Brasília, v. 44, n. 1, p. 1-8, mar. 2020. Acesso em: 9 out. 2020.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n2-215

Refbacks

  • There are currently no refbacks.