Incapacidades físicas na hanseníase: do diagnóstico ao pós-alta / Physical disabilities in leprosy: from diagnosis to post-discharge

Laís Cristine de Azevedo Peres, Laura Beatriz Maia de Oliveira, Isadora Dacielle Fortunato de Oliveira, Laura Hellenna Maia Cotian, Lara Cândida de Sousa Machado

Abstract


A hanseníase é uma doença infecciosa crônica, cujo agente etiológico é o Mycobacterium leprae, e a principal forma de transmissão é pelas vias respiratórias. Umas das mais importantes manifestações são as lesões de pele hipocrômicas com diminuição da sensibilidade. O objetivo desse trabalho é expor as consequências que essa doença gera, como a incapacidade física mesmo após o tratamento específico. Trata-se de um estudo epidemiológico descritivo e transversal, baseado em dados de artigos diversos e documentos da Secretaria de Vigilância em Saúde, publicados nos últimos 10 anos no Brasil, com análise de casos confirmados de hanseníase. Os trabalhos analisados apontaram uma prevalência de casos de hanseníase no sexo masculino e na população negra. Também revelam que de todos os casos novos com hanseníase, em média 20% permanecem com incapacidade física, mesmo após a alta. Os resultados mostram o quanto é importante fazer o diagnóstico precoce para evitar sequelas que prejudicam o cotidiano do paciente.


Keywords


Hanseníase, Epidemiologia, Vigilância em Saúde.

References


RAMOS, José María Hernández; SOUTO, Francisco José Dutra. Incapacidade pós-tratamento em pacientes hansenianos em Várzea Grande, Estado de Mato Grosso. Rev. Soc. Bras. Med. Trop., Uberaba, v. 43, n. 3, p. 293-297, Junho 2010. Disponível em: . Acesso em: 27 de novembro de 2020.

MONTEIRO, Lorena Dias et al. Incapacidades físicas em pessoas acometidas pela hanseníase no período pós-alta da poliquimioterapia em um município no Norte do Brasil. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v.29, n.5, p.909-920, Maio 2013. Disponível em: . Acesso em: 27 de novembro de 2020.

FARIA, Claudia Regina Sgobbi de et al. Grau de incapacidade física de portadores de hanseníase: estudo de coorte retrospectivo. Arquivos de Ciências da Saúde, [S.l.], v. 22, n. 4, p. 58-62, dez. 2015. ISSN 2318-3691. Disponível em: . Acesso em: 27 novembro de 2020.

UCHÔA, R. E. M. N. et al. Perfil Clínico e incapacidades físicas em pacientes com hanseníase. Rev. Enf. UFPE online, Recife, 11(Suplemento.3), p.1464-72, Março, 2017.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Guia prático sobre a hanseníase. Brasília, 2017.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Boletim Epidemiológico. Caracterização da situação epidemiológica da hanseníase e diferenças por sexo, Brasil, 2012-2016. 2018, V 49, N° 4.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Hanseníase: capacitação para profissionais da atenção primária em saúde. Brasília, 2011.

Guimarães, L. S. et al. Evolução temporal dos indicadores de Hanseníase em Sergipe no período entre 2009 e 2018. Brazilian Journal of health Review, Curitiba, v. 3, n. 4, p. 7681-7694 jul./aug. 2020.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n2-204

Refbacks

  • There are currently no refbacks.