A contribuição da vivência na atenção primária para a formação médica: relato de experiência / The contribution of having contact with primary care for medical education: experience report

Giovanna Maia Cartaxo, Débora Camilla de Oliveira Fernandes, Steffany Sancho Leite Cavalcanti, Letícia Cândido Feitoza Monteiro, Alline Rayane Fragoso Pires, Lívia Moura Libório, Luisiane de Avila Silva

Abstract


A Atenção Primária de Saúde busca equidade, eficiência, efetividade e satisfação dos usuários do Sistema Único de Saúde (SUS) assegurando a assistência à população na prevenção, promoção e recuperação da saúde. A Unidade de Saúde da Família (USF), modelo de reorientação da APS, é responsável pelo território, que tem como objetivo prestar assistência à saúde mais próxima a população. A territorialização em saúde é o processo de reconhecimento do território de acordo com as condições ambientais e da situação de saúde da população. O estudo tem como objetivo apresentar as vivências de acadêmicos de Medicina de uma USF e as dimensões que caracterizam as contribuições e os desafios enfrentados, para formar profissionais médicos capazes de ofertar serviços de saúde à população carente de forma efetiva. Dessa forma, o relato de experiência é descritivo, com fonte secundária, natureza qualitativa e observacional. Foi realizado a partir de duas visitas na USF em João Pessoa/PB, durante o módulo de Atenção em Saúde I, no ano de 2020. Foi vista a importância do cadastramento domiciliar para que o município receba o repasse de verba de saúde de forma completa. Outro problema constante são as áreas de risco que dificultam a vida da população, como os pontos de tráfico de drogas e as barreiras geográficas. Sabendo disso, os Agentes Comunitários de Saúde (ACS) têm como função aumentar a qualidade de vida dos usuários por meio de atividades de promoção de saúde. Por fim, o conhecimento adquirido a partir da observação da dinâmica de trabalho e das relações entre profissionais de saúde e usuários, possibilitou melhor compreensão do SUS e da Equipe multidisciplinar da USF para a população. A vivência mostrou a importância do contato precoce como contribuição para a formação médica.


Keywords


Atenção Primária à Saúde, Saúde Pública, Estratégia Saúde da Família; Educação de Graduação em Medicina.

References


ARANTES, Luciano José; SHIMIZU, Helena Eri; MERCHAN-HAMANN, Edgar. Contribuições e desafios da Estratégia Saúde da Família na Atenção Primária à Saúde no Brasil: revisão da literatura. Ciênc. Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 21, n. 5, p. 1499-1510, mai. 2016. Disponível em: 1413-8123-csc-21-05-1499.pdf (scielo.br) Acesso em: 11/12/2020.

BRASIL. Ministério da Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política nacional de atenção básica. Brasília, DF, v. 4, 2006a. Disponível em: pag_rosto01 (saude.gov.br) Acesso em: 11/12/2020.

BRASIL. Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. PORTARIA Nº 2.436, DE 21 DE SETEMBRO DE 2017. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes para a organização da Atenção Básica, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Diário Oficial da União, Brasília, DF, set. 2017. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2017/prt2436_22_09_2017.html Acesso em: 11/12/2020.

BRASIL. Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. LEI Nº 8.080, DE 19 DE SETEMBRO DE 1990. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, set. 1990. Disponível em: https://conselho.saude.gov.br/legislacao/lei8080_190990.htm Acesso em: 11/12/2020.

BRASIL. Ministério da Saúde, Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa. A construção do SUS: histórias da Reforma Sanitária e do processo participativo. 1 ed. Brasília, DF, 2006b. Disponível em: livrosaude-novo.indd Acesso em: 11/12/2020.

CECCIM, Ricardo Burg. Educação Permanente em Saúde: desafio ambicioso e necessário. Interface, Botucatu, v. 9, n.16, p. 161-177, 2005. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/icse/v9n16/v9n16a13.pdf Acesso em: 11/12/2020.

COLUSSI, Claudia Flemming; PEREIRA, Katiuscia Graziela. Territorialização como instrumento do planejamento local na atenção básica. Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, 2016. Volume 1.

DOMINGOS, Carolina Milena et al. A legislação da atenção básica do Sistema Único de Saúde: uma análise documental. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 32, n. 3, e00181314, mar. 2016. Disponível em: 0102-311X-csp-32-03-e00181314.pdf (scielo.br) Acesso em: 11/12/2020.

GIOVANELLA, Ligia et al. Saúde da família: limites e possibilidades para uma abordagem integral de atenção primária à saúde no Brasil. Ciênc. Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 14, n. 3, p. 783-794, jun. 2009. Disponível em: 11.3 ligia giovanella.pmd (scielo.br) Acesso em: 11/12/2020.

MACIEL, Mariana Pereira Augusto et al. Territorialização e a atenção básica: conhecimento adquirido na prática. Brazilian Journal of health Review Braz. J. Hea. Rev., Curitiba, v. 3, n. 5, p. 15125-15138 set/out. 2020. Disponível em: file:///C:/Users/steph/Downloads/18736-48206-1-PB.pdf Acesso em: 11/12/2020.

MALUCELLI, Andreia et al. Classificação de microáreas de risco com uso de mineração de dados. Rev. Saúde Pública, São Paulo, v. 44, n. 2, p. 292-300, abr. 2010. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-89102010000200009&lng=en&nrm=iso Acesso em: 11/12/2020.

PAULA, Weslla Karla Albuquerque Silva et al. Avaliação da atenção básica à saúde sob a ótica dos usuários: uma revisão sistemática. Rev. Esc. Enferm. USP, São Paulo, v. 50, n. 2, p. 335-345, abr. 2016. Disponível em: pt_0080-6234-reeusp-50-02-0335.pdf (scielo.br) Acesso em: 11/12/2020.

OMS, Renewing Primary Health Care in the Americas: a position paper of the Pan American Health Organization/World Health Organization, Washington, 2007.Disponível em: Renewing Primary Health Care in the Americas - PAHO/WHO Acesso em: 11/12/2020.

PAIM, Jairnilson Silva. Atenção Primária à Saúde: uma receita para todas as estações? Saúde Debate, Rio de Janeiro, v. 36, n. 94, p. 343-347, set. 2012. Disponível em: a04v36n94.pdf (scielo.br) Acesso em: 11/12/2020.

PREVIATO, Giselle Fernanda; BALDISSERA, Vanessa Denardi Antoniassi. Retratos da prática interprofissional colaborativa nas equipes da atenção primária à saúde. Rev. Gaúcha Enferm., Porto Alegre, v. 39, e2017-0132, 2018. Disponível em: Retratos da prática interprofissional colaborativa nas equipes da atenção primária à saúde (scielo.br) Acesso em: 11/12/2020.

RAVIOLI, Antonio Franco; SOAREZ, Patrícia Coelho; SCHEFFER, Mário César. Modalidades de gestão de serviços no Sistema Único de Saúde: revisão narrativa da produção científica da Saúde Coletiva no Brasil (2005-2016). Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 34, n. 4, e00114217, 2018. Disponível em: CSP_1142_17_Modalidades_en.indd (scielo.br) Acesso em: 11/12/2020.

STARFIELD, Barbara. Atenção primária: equilíbrio entre necessidades de saúde, serviços e tecnologia, Brasília, UNESCO, Ministério da Saúde, 2002. Disponível em: Atenção primária equilíbrio entre necessidades de saúde, serviços e tecnologia - UNESCO.pdf - Google Drive Acesso em: 11/12/2020




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n2-203

Refbacks

  • There are currently no refbacks.