Setembro Amarelo e os enlutados por suicídio: relato de experiências / Yellow September and the bereaved by suicide: report of experiences

Andréa Carla Ferreira de Oliveira, Glaucia Fernanda Soares Cabral, Pedro Pereira Cavalcante Filho, Carmem Lúcia de Brito Tavares Barreto

Abstract


 O setembro amarelo é uma campanha que objetiva conscientizar a população sobre a prevenção do suicídio. A cada ano é obtida maior adesão de instituições públicas e privadas, órgãos de classe e da população. No Brasil, durante o mês de setembro, observa-se uma grande mobilização da sociedade e, principalmente, de profissionais da saúde mental, a fim de promover palestras e rodas de conversa sobre o fenômeno do suicídio e ofertar atendimento à população. Este trabalho trata-se do relato de experiências dos autores na campanha do Setembro Amarelo nos anos de 2019 e 2020. Durante as campanhas, os pesquisadores lançaram mão do diário de campo como espaço de reflexão e registro das experiências, para posteriormente compartilhar entre si, o que possibilitou as reflexões apresentadas neste artigo. Os pressupostos teóricos adotados foram os da Fenomenologia Hermenêutica de Martin Heidegger. De maneira geral, sejam nas ações presenciais em 2019, ou nas remotas, no ano de 2020, observamos pouco destaque aos enlutados por suicídio, e até mesmo as repercussões que algumas informações divulgadas podem ter para estes. Como possíveis conclusões interroga-se como a campanha tem normatizado nosso olhar para o suicídio? Através das campanhas é possível acolher aqueles que perderam alguém por suicídio? Frente a essas possibilidades compreensivas, emerge o questionamento: seria possível pensar em uma outra configuração da campanha que abarque os modos de cuidado tanto para aqueles que pensam em pôr fim à vida, quanto para os enlutados por suicídio?


Keywords


Setembro Amarelo, Suicídio, Pôr fim à vida, Enlutados.

References


Aun, H. A., & Morato, H. T. P. (2017). Atenção Psicológica em Instituição: Plantão Psicológico como cartografia clínica. In H. T. P. Morato, C.L.B.T. Barreto, & A. P. Nunes. Aconselhamento Psicológico numa perspectiva fenomenológica existencial: uma introdução (pp.121-138). Rio de Janeiro: Guanabara Koogan.

Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP), Comissão de Estudos e Prevenção de Suicídio. (2014). Suicídio: Informando para prevenir. Brasília: CFM/ABP.

BOTEGA, Neury José. Crise suicida: avaliação e manejo. Porto Alegre: Artmed, 2015.

FEIJOO, A. M. L. C. Uma análise crítica dos estudos fenomenológicos sobre suicídio. In A. M. L. C. Feijoo (Org.). Suicídio: entre o morrer e o viver. (pp.67- 104). Rio de Janeiro, RJ: IFEN, 2018.

MINOIS, G. História do suicídio: a sociedade ocidental diante da morte voluntária. Traduzido por Fernando Santos. São Paulo: Editora Unesp, 2018.

Organização Mundial da Sáude. (2000). Prevenção do suicídio: um manual para profissionais da saúde em atenção primária. Genebra; OMS;. 22 p.

Organização Mundial da Saúde. (2019). Suicide in the world: Global Health Estimates. https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/326948/WHO-MSD-MER-19.3-eng.pdf?ua=1

TAVARES, M. Suicídio: uma questão de saúde pública e um desafio para a Psicologia Clínica – Capítulo IV. CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA. O Suicídio e os Desafios para a Psicologia – Brasília: CFP, 2013.

WELANG, B. Suicídio: uma questão de saúde pública e um desafio para a Psicologia Clínica – Capítulo II. CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA. O Suicídio e os Desafios para a Psicologia – Brasília: CFP, 2013.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n2-201

Refbacks

  • There are currently no refbacks.