Percepção do profissional de saúde no uso de florais como alternativa complementar de tratamento terapêutico / Health professionals' perception of the use of flower essences as a complementary alternative therapeutic treatment

Renar Francioni Pacheco, Patrícia de Aguiar Amaral

Abstract


OBJETIVO: Analisar a percepção de profissionais da saúde no uso de florais como recurso terapêutico no processo saúde-doença.

MÉTODOS: Análise qualitativa de 10 profissionais da saúde. Estes profissionais foram divididos em dois grupos: cinco profissionais prescritores de florais (grupo 1) e outros 5 profissionais que não os prescrevem (grupo 2). Para tanto realizou-se entrevistas semiestruturadas de forma individual e presencial. Para apreciação dos dados, utilizou-se a análise de conteúdo na modalidade temática, que busca compreender o pensamento e as percepções dos sujeitos por meio das condições empíricas e subjetivas de suas vidas.

RESULTADOS: As percepções dos profissionais de saúde sugerem que o grupo 1 utilize terapia floral porque busca uma forma alternativa de tratamento, principalmente para as condições mentais e emocionais de seus pacientes, além de acreditarem que as doenças são resultantes da consolidação de sentimentos negativos e hábitos inadequados, bem como fazem questão de possuírem uma imagem física e atitudes mentais que incentivem seus pacientes a procurarem hábitos de vida mais saudáveis. Já o grupo 2 relaciona a falta de estudos científicos e o pouco incentivo das Universidades na busca de conhecimento sobre práticas integrativas, sendo os principais fatores que os levam a não se interessarem pela terapia floral. Também não foi percebido a preocupação, no grupo 2, com o cuidado adequado em relação aos critérios considerados saudáveis nesse estudo sobre o uso da Terapia Floral. Observou-se que o grupo 1 possui essa abertura para conhecer e argumentos para prescrever terapia floral decorrente de sua visão de mundo que é influenciada por uma filosofia que tem sua raiz na ancestralidade familiar.

CONCLUSÃO: Considerando o universo desse estudo, os profissionais dos dois grupos concordam que hábitos saudáveis, gerenciamento de emoções e práticas espirituais são importantes ações para a manutenção da saúde. Porém, constatou-se que o grupo 1 coloca em prática o seu discurso, enquanto o grupo 2 não realiza essas ações como inclusão na sua prática profissional. 


Keywords


Terapia Floral, Terapia Holística, Política Nacional De Práticas Integrativas E Complementares, Narrativas Pessoais.

References


FERREIRA P. et al. Uso das práticas integrativas e complementares pela enfermagem em pessoas com câncer: revisão integrativa. Revista Brazilian Journal of health Review. v.4, n.1, p 1841-1858 jan./feb. 2021. https://doi.org/10.34119/bjhrv4n1-150

Aguiar Júnior NR, Costa IMC. O uso da medicina alternativa ou complementar em crianças com dermatite atópica. Anais Brasileiros de Dermatologia. Fev. 2011 v. 86, n. 1, p.167-168. http://dx.doi.org/10.1590/S0365-05962011000100033

Rodríguez DF. La terapia floral em la atención al paciente terminal y su família. Revista Médica Electrónica. 2015, v. 37, n. 1, p. 39-52. Disponível em: http://scielo.sld.cu/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1684-18242015000100005

De-souza MM. et al. Avaliação dos efeitos centrais dos florais de Bach em camundongos através de modelos farmacológicos específicos. Revista Brasileira de Farmacognosia. 2006 v. 16, n. 3, p.365-371, set. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-695X2006000300014

Sanches RCN. et al. Percepções de profissionais de saúde sobre a humanização em unidade de terapia intensiva adulto. Escola Anna Nery. jan./mar. 2016, v. 20, n. 1, p. 48-54. http://dx.doi.org/10.5935/1414-8145.20160007

RIBEIRO JA. et al. Uso da Terapia Floral na Ansiedade e Estresse. Revista Brazilian Journal of health Review. v. 3, n. 3, p.4404-4412 may./jun. 2020. https://doi.org/10.34119/bjhrv3n3-040

Albuquerque UP, Lucena RFP, Cunha LVFC. Métodos e Técnicas na Pesquisa Etinobiológica e Etnoecológica: vol. 1. São Paulo: Editora Nupeea, 2010.

Aciole GG, Oliveira DKS. Percepções de usuários e profissionais da saúde da família sobre o Núcleo de Apoio à Saúde da Família. Saúde Debate. Out-dez 2017, v. 41, n. 115, p. 1090-1101. http://dx.doi.org/10.1590/0103-1104201711508

Nahas MV, Barros MVG, FrancalaccI V. O pentáculo do bem estar – base conceitual para avaliação do estilo de vida de indivíduos ou grupos. Revista brasileira de atividade física & Saúde, Pelotas – RS. 2000, v. 5, n. 2, p. 48-59. https://doi.org/10.12820/rbafs.v.5n2p48-59

Silva RS. et al. Atividade física e qualidade de vida. Ciência & Saúde Coletiva. 2010, v. 15, n. 1, p. 115-120. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232010000100017

Lima DF, Levy RB, Luiz OC. Recomendações para atividade física e saúde: consensos, controvérsias e ambiguidades. Revista Panamericana de Salud Pública. 2014, v. 36, n. 3, p. 164-170. Disponível em: https://www.scielosp.org/article/rpsp/2014.v36n3/164-170

Polisseni MLC, Ribeiro LC. Exercício físico como fator de proteção para a saúde em servidores públicos. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. 2014, v. 20, n. 5, p. 340-344. http://dx.doi.org/10.1590/1517-86922014200502114

França CL. et al. Contribuições da psicologia e da nutrição para a mudança do comportamento alimentar. Estudos de Psicologia. 2012, v. 17, n. 2, p. 337-345, Natal. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-294X2012000200019

Apa. American psychiatric association. Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais: DSM -5. American Psychiatric Association; tradução: Maria Inês Correa Nascimento... [et al]; revisão técnica: Aristides Volpato Cordioli... [et al]. – 5. Ed.- Porto Alegre: Artmed, 2014.

Azevedo E. Liberem a dieta. Demetra: alimentação, nutrição & saúde. 2015, v. 10, n. 3, p. 717-727. https://doi.org/10.12957/demetra.2015.13993

Pereira MM, Lang RMF. Influência do ambiente familiar no desenvolvimento do comportamento alimentar. Revista UNINGÁ. 2014, v. 41, p. 86-89. Disponível em: https://www.mastereditora.com.br/periodico/20141118_101549.pdf

Wilber K. Espiritualidade integral: uma nova função para a religião neste início de milênio. São Paulo: Aleph, 2006.

Souza MA. A influência da fé no processo saúde-doença sob a percepção de líderes cristãos. 2009. 100 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Programa de Pós-graduação em Enfermagem, Faculdade de Enfermagem, Universidade Federal de Goiás, Goiânia. Disponível em: http://repositorio.bc.ufg.br/tede/handle/tde/688

Faria JB, Seidl EMF. Religiosidade e enfrentamento em contextos de saúde e doenças: Revisão da literatura. Psicologia: Reflexão e Crítica. 2005, v. 18, n. 3, p. 381-389. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-79722005000300012

Rodríguez DF. La terapia floral em la atención al paciente terminal y su família. Revista Médica Electrónica. 2015, v. 37, n. 1, p. 39-52. Disponível em: http://scielo.sld.cu/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1684-18242015000100005

Brasil. Política Nacional de Práticas Integrativas E Complementares No SUS: Atitude De Ampliação De Acesso / Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. – 1. ed. – Brasília: Ministério da Saúde, 2006. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/pnpic.pdf

Brasil. Práticas Integrativas e Complementares em Saúde. Ministério da Saúde. Secretária-Executiva. Secretária de Atenção à Saúde – Brasília: Ministério da Saúde, 2018. Disponível em: http://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2018/marco/12/glossario-tematico.pdf




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n2-172

Refbacks

  • There are currently no refbacks.