Vivências em grupo com adolescentes na perspectiva da terapia ocupacional e da psicologia/ Therapeutic groups with adolescents from the perspective of occupational therapy and psychology

Giselle Audrian Martins Bitencourt, Juliana Araujo de Jesus, Natasha Carolina da Costa Carreño Baeta, Juliana Kessar Cordoni, Lígia de Fátima Nóbrega Reato

Abstract


Este trabalho focaliza na dinâmica do adolescente e suas respectivas fases, que se caracterizam por grandes conflitos. Por essa razão, alguns adolescentes podem apresentar transtornos comportamentais e psicológicos, interferindo de forma direta nas suas atividades de vida diária e lazer. Devido aos questionamentos da adolescência a promoção de vivências em grupo, possibilita a projeção de conflitos interno-externos através de atividades, com o enaltecimento da criatividade, imaginação e expressão do adolescente, além da consolidação da autoestima. A pesquisa teve como objetivo compreender como a terapia ocupacional e a psicologia podem contribuir através de oficinas e grupos terapêuticos na promoção da saúde e mudanças no comportamento e no discurso dos jovens, com o impacto da coletividade. Foram realizados oito vivências em grupo que tiveram como base os temas de culinária, esporte, artes e autoimagem. Trata-se de uma pesquisa multi-método, isto é, integrando os dados quantitativos e qualitativos, no qual foi realizada a análise de conteúdo, baseado em questionário semiestruturados e o diário de campo. A amostra deste estudo foi constituída por 19 adolescentes, de 10 a 18 anos, em encontros que aconteceram semanalmente com duração de uma hora cada grupo. O estudo foi realizado no Centro de Referência Cidadão Esperança / Instituto de Hebiatria do Centro Universitário Saúde do ABC, na cidade de Santo André no estado de São Paulo. Os resultados do estudo serão apresentados através de uma série: “Os conflitos emocionais da adolescência” com uma sequência de episódios. Conclui-se que de acordo com as características inerentes da adolescência, as vivências em grupo, foram uma forma de potencializar e estruturar o cotidiano e a rotina dos jovens, proporcionando trocas e experências que colaborando com a empatia e colaboratividade dentro dos encontros.


Keywords


terapia ocupacional, grupo terapêutico, oficinas, adolescentes, cotidiano.

References


ALMEIDA, A. C. F.; VIANA, A. F. S.; ALVES, A. C.; BALDUINO, T. B.; NAPOLI, F. Consequências sociais da superproteção parental em adolescentes. Rev. Trab. Acad. V.2, n.1, Belo Horizonte, 2016.

ALMEIDA, A. R. S. A emoção na sala da aula. Ed. Papirus, Campinas, SP, 2012.

ASSIS, S. G.; AVANCI, J. Q.; SILVA, C. M. F. P.; MALAQUIAS, J. V.; SANTOS, N. C.; OLIVEIRA, R. V. C. A representação social do ser adolescente: um passo decisivo na promoção de saúde. Cien. Saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 8, n. 3, p 669-680, 2003.

AUGUSTO, M. A. P. C.; CHACON, M. C. M. Diferentes enfoques das relações familiares: superproteção e abandono. VII ENCONTRO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISADORES EM EDUCAÇÃO ESPECIAL. Londrina, p. 1316-1327, 2011.

AZEVEDO, D. M.; MIRANDA, F. A. N. Oficinas terapêuticas como instrumento de reabilitação psicossocial: percepção de familiares. Esc. Anna Nery, Rio Grande do Norte, v. 15, n. 2, p. 339-345, 2011.

AZEVEDO, M. R. D. Desenvolvimento psicossocial na adolescencia. In: CRESPIN, J.; REATO, L. F. N. Hebiatria: medicina do saber. 1 ed., São Paulo: Roca, p. 86-88, 2007.

AZEVEDO, M. R. D.; MELLO, V. M. R. M. Trabalhando em grupo com adolescentes: um guia prático para o dia-a-dia. São Paulo: Atheneu, 2009.

BARBIERI, M. C.; BROECKMAN, G. V. D. Z.; SOUZA, R. O. D.; LIMA, R. A. G.; WERNET, M.; DUPAS, G. Rede de suporte da familia da criança e do adolescente com deficiência visual: potencialidades e fragilidades. Cien. Saud. Colet. V.21, n.10, São Paulo, 2016.

BENETTON, Q. M.; MARCOLINO, T. Q. As atividades no Método Terapia Ocupacional Dinamica, Cad. Ter. Ocup. UFSCar, v.21, n.3, 2013.

BRETAS, J. R. S.; MORENO, R. S.; EUGENIO, D. S.; SALA, C. P.; VIEIRA, T. F.; BRUNO, P. R. Os rituais de passagem segundo adolescentes. Acta. Paul. Enf. São Paulo, v.21, n.3, 2008.

CAIANA, N. L. NOGUEIRA, D. L.; LIMA, A. C. D. A realidade virtual e seu uso como recurso terapêutico ocupacional: revisão integrativa, Cad. Ter. Ocup. UFSCar, v.24, n.3, 2016.

COSTA, R. F.; ZEITOUNE, R. C. G.; QUEIROZ, M. V. O.; GARCIA, C. I. G.; GARCIA, M. J. R. Redes de apoio ao adolescente no contexto do cuidado à saúde: interface entre saúde, família e educação. Ver. Esc. Enf. V.49, n.5, São Paulo, 2015.

CRESPIN, J. Adolescencia, puberdade e juventude: alguns conceitos. In: CRESPIN, J.; REATO, L. F. N. Hebiatria: medicina do saber. 1 ed., São Paulo: Roca, p.10, 2007.

DOMINGOS, B.; MALUF, M. R. Experiências de perda e luto em adolescentes de 13 a 18 anos. Psico. Reflex. Crit. V.16, n.3, 2003.

EL-KHATIB, V.; BRAGATTO, S. C. O. O estatuto da criança e do adolescente: perspectivas de intervenção da terapia ocupacional com a criança e o adolescente em situação de risco pessoal e social. Cad. Ter. Ocup. UFSCar, v. 8, n. 1, 2000.

FERRARI, J. S. Papel dos pais na educação: a dimensão emocional da formação. Brasil Escola, 2019. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/psicologia/papel-dos-pais-na-educacao.htm.

FERREIRA, J. E. S.; SOUZA, L. C.; RODRIGUES, R. C. P. A.; MARTINS-MONTEVERDE, C. M. S. A atuação do terapeuta ocupacional com crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade social: uma revisão da literatura. Ling. Acad. Batatais, v. 7, n. 7, p. 21-36, 2017.

FERREIRA, T. H. S.; FARIAS, M. A. Adolescência através dos séculos. Psic. Teor. e Pesq. Brasília, v. 10, n. 2, p. 227-234, 2010.

GUIMARÃES, S.; GUAZELLI, C. G. Oficinas Terapêuticas: Formas de cuidado em Saúde Mental na Atenção Básica. 2016. Disponível em: http://www.uniedu.sed.sc.gov.br/wp-content/uploads/2016/02/Saionara-Guimar%C3%A3es.pdf

HACK,S.M.P.K.; RAMIRES,V.R.R. A adolescência e o divórcio parental: continuidades e rupturas dos relacionamentos, Psico. Clin. Rio de Janeiro, v.22, n.1, 2010.

JUNIOR, C. A. P. Sobre o corpo-afeto em Espinosa e Winnicott. Rev. EPOS, Rio de Janeiro, V. 4, Nº2, Dez. 2013.

LEPRE, R. M. Adolescência e construção da identidade. Pedagogia online, v.01, p01-09, 2003.

LOPES, R. E.; LEÃO, A. Terapeutas ocupacionais e os Centros de Convivência e Cooperativa: novas ações de saúde. Rev. Ter. Ocup. Univ. São Paulo, v.13, n.2, p.56-63, 2002.

MARQUES, M. R. Afeto e Sensoralidade no pensamento de B. Espinosa, S. Freud E D. W. Winnicotti. PUC-Rio, Rio de Janeiro, 2012.

MONTREZOR, J. B. A Terapia Ocupacional na prática de grupos e oficinas terapêuticas com pacientes de saúde mental. Cad. Ter. Ocup. UFSCar, São Carlos, v. 21, n. 3, p. 529-536, 2013.

MOTTA, M. M. A. O luto em adolescentes pela morte do pai: Risco e prevenção para a saúde mental. Inst. Psico. São Paulo, 2008.

OLIVEIRA, E. S. G. Adolescência, internet e tempo: desafios para a Educação. Educ. Rev. Rio de Janeiro, n.64, 2017.

OLIVEIRA. I. G. A relação terapeuta-cliente: Na perspectiva do cliente, Trabalho de conclusão de curso, 2013. Disponível em: https://recipp.ipp.pt/bitstream/10400.22/2237/1/DM_IndiaraOliveira_2013.pdf.

SILVA, M. A. I.; MELLO, D. F.; CARLOS, D. M. O adolescente enquanto protagonista em atividades de educação em saúde no espaço escolar. Rev. Cleti. Enf. V.12, n.10, 2010.

SOUZA, R. P. Queixas psicossomáticas. In: CRESPIN, J.; REATO, L. F. N. Hebiatria: medicina do saber. 1 ed., São Paulo: Roca, p.294-295, 2007.

ZIMERMAN, D. E. Grupos com crianças, púberes, adolescentes, casais, familias, psicossomáticos, psicóticos e depressivos. In: Fundamentos básicos das grupoterapias. 2 ed., Porto Alegre: Artmed, p. 214, 2000.

ZIMERMAN, D. E. Campo Grupal: ansiedades, defesas, identificações. In: Fundamentos Básicos das Grupoterapias. 2ed. São Paulo: ARTMED, 2000. Cap. 11, p.117-123.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n2-159

Refbacks

  • There are currently no refbacks.