Aspectos Epidemiológicos da tuberculose no Sertão do Estado de Pernambuco / Epidemiological Aspects of tuberculosis in the Sertão of the State of Pernambuco

Lucas Braga dos Santos, Allisson Kennede Magalhães, Bruno Merlo Zanol, João Pedro do Nascimento Cerqueira, César Augusto da Silva

Abstract


A tuberculose (TB) é uma doença infecciosa crônica de rápida propagação que apresenta larga variedade de manifestações clínicas. Dados da Organização Mundial da Saúde apontam que, em 2015, o mundo registrou 10,4 milhões de novos casos da doença, destes, cerca de 1,3 milhões de pessoas vieram a óbito. A doença pode acometer toda a população, contudo, em indivíduos soropositivos para o HIV, possuem 37 vezes mais chances de se desenvolver que naqueles soronegativos, ressaltando a necessidade do planejamento de estratégias que visem mitigar tal situação. Neste contexto, o presente estudo tem o objetivo de traçar o perfil epidemiológico dos casos de tuberculose pulmonar notificados na Macrorregião de Saúde do Vale do São Francisco e Araripe e na Macrorregião de Saúde do Sertão, ambas no Sertão do Estado de Pernambuco, entre os anos de 2001 a 2019. Os dados foram obtidos no sistema TABNET/DATASUS, de acordo com a macrorregião e município de residência. Este estudo, de série histórica observacional do tipo transversal, analisa o coeficiente de incidência da doença, além da relação da infecção com sexo dos pacientes, faixa etária e coinfecção HIV/TB. Os dados mostram que, no período analisado, foram registrados 7.830 casos de TB na área do estudo, sendo 2019 o ano com maior número de casos notificados, com coeficiente de incidência de 25,49/100.000 habitantes, abaixo da média nacional de 35/100.000 para o mesmo ano; houve maior prevalência da TB em pacientes do sexo masculino; as faixas etárias entre 20 a 59 anos de idade foram as mais acometidas (72,05%);  o estudo mostra ainda que a quantidade de casos da doença possui uma relação inversa ao grau de escolaridade dos indivíduos. Dados sobre a coinfecção HIV/TB revelam que, dos indivíduos com TB, 3,1% são soropositivos para HIV, 39% são soronegativos, 8,1% possuem testes para HIV em andamento e 49,73% não realizaram testagem. A análise dos dados sugere que parte dos dados dos indivíduos foram insatisfatoriamente preenchidos no momento da notificação, fato que compromete a análise da real dimensão de impacto da doença, necessitando de medidas que visem, em um primeiro momento, a resolução de tal problemática. 


Keywords


Epidemiologia, Tuberculose, Coinfecção HIV/TB, Pernambuco.

References


BARBOSA, I. R. Análise da distribuição espacial da tuberculose na região Nordeste do Brasil, 2005-2010. Epidemiol. Serv. Saúde, Brasília, v. 22, n. 4, p. 687-695, 2013.

BARBOSA, Isabelle Ribeiro; COSTA, Íris do Céu Clara. ESTUDO EPIDEMIOLÓGICO DA COINFECÇÃO TUBERCULOSE-HIV NO NORDESTE DO BRASIL. Rev Patol Trop. Vol. 43 (1): p. 27-38. 2014.

BELO, M. T. C. T. Tuberculose e gênero em um município prioritário no estado do Rio de Janeiro. Jornal Brasileiro de Pneumologia, São Paulo, v. 36, n. 5, p. 621-625, 2010.

BIERRENBACH, A. L., GOMES, A. B. F., NORONHA, E. F., DE SOUZA, M. F. M. Incidência de tuberculose e taxa de cura, Brasil, 2000 a 2004. Rev Saúde Pública. 2007;41(Supl. 1):24-33.

BRASIL. Ministério da Saúde. Controle da tuberculose: uma proposta de integração ensino-serviço. 5ª ed. Brasília; 2002.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Vigilância em saúde: dengue, esquistossomose, hanseníase, malária, tracoma e tuberculose: cadernos de atenção básica. 2ªed. Brasília; 2008.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Manual de recomendações para o controle da tuberculose no Brasil. Brasília: Ministério da Saúde, 2011.

BRASIL. Ministério da Saúde. Boletim Epidemiológico. O controle da Tuberculose no Brasil: avanços, inovações e desafios. Secretaria de Vigilância em Saúde - Ministério da Saúde. Vol 44, N° 02 - 2014.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Boletim Epidemiológico. Volume 46, N° 9. Brasília, 2015.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretária de Vigilância à Saúde. Perspectivas brasileiras para o fim da tuberculose como problema de saúde pública. Boletim Epidemiológico. 47(13):1-15, 2016.

BRASIL, Tuberculose: Situação Epidemiológica – Dados, Portal da Saúde. Disponível em:

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. Plano Nacional pelo Fim da Tuberculose como Problema de Saúde Pública. Brasília: Ministério da Saúde. 52 p. 2017.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Boletim Epidemiológico. Implantação do Plano Nacional pelo Fim da Tuberculose como Problema de Saúde Pública no Brasil: primeiros passos rumo ao alcance das metas. Volume 49, N° 11, Mar. 2018.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Boletim Epidemiológico. Brasil Livre da Tuberculose: evolução dos cenários epidemiológicos e operacionais da doença. Volume 50, N° 09, Mar. 2019.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Boletim Epidemiológico. Tuberculose. Número especial, Mar. 2020.

CASTELO FILHO, A.; KRITSKI, A. L.; BARRETO, N.W.; LEMOS, A. C. M; NETTO, A. R.; GUIMARÃES, C. A. II Consenso Brasileiro de Tuberculose; Diretrizes Brasileiras para Tuberculose 2004. J Bras Pneumol. 30 (Supl 1):S57-S86, 2004.

COSTA, M.; TAVARES, V. R.; SILVA, A. C.; CAMPOS, D.J.3; BUENO, S. K. TUBERCULOSE: UMA REVISÃO DE LITERATURA. REFACER – REVISTA ELETRÔNICA DA FACULDADE CERES, V. 1, N. 2, S.P, 2013.

DOLIN, P. J. et al. Global tuberculosis incidence and mortality during 1990-2000. Bull W.H.O., 72:213-20, 1994.

GARDNER ,C. A.; ACHARYA, T.; PABLOS-MÉNDEZ, A. The global alliance for tuberculosis drug development: accomplishments and future directions. Clin Chest Med. 26(2): 341-7, 2005.

IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Estados. Pernambuco. Disponível em: . (2019).

LIMA, Mônica M., Co-infecção HIV/tuberculose: necessidade de uma vigilância mais efetiva.Rev. Saúde Pública, vol. 31 (3): p. 217-20, 1997.

LUCAS, S. & NELSON, A. M. Pathogenesis of tuberculosis in human immunodeficiency virus-infected people. In: Bloom,B.R., ed. Tuberculosis: pathogenesis, protection, control. Washington, American Society of Microbiol., 1994. p.503-13.

Ministério da Saúde/SVS - Sistema de Informação de Agravos de Notificação – Sinan Net. Disponí-vel em:.

PERNAMBUCO. Secretaria Estadual de Saúde. Plano Diretor de Regionalização. Pernambuco, 2011. Portal Programa Nacional de Controle da Tuberculose – PNCT – Disponível em: http://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2018/marco/19/APRES-PADRAO-JAN-2018-REDUZIDA.pdf

PILLER, R.V. B. Epidemiologia da Tuberculose. Pulmão RJ, 21(1): 4-9. 2012. SAITA, N. M.; OLIVEIRA, H. B. Tuberculose, AIDS e coinfecção tuberculose-AIDS em cidade de grande porte. Rev. Latino-Am. Enfermagem, Ribeirão Preto, v. 20, n. 4, p. 769-777, 2012.

SILVA, C. A.; SANTOS, L. B.; ZANOL, B. M.; BORGES, A. L. Aspectos Epidemiológicos da tuberculose em Petrolina, Pernambuco, Brasil, no período de 2001 a 2018. Ciências da saúde: avanços recentes e necessidades sociais 2. Ponta Grossa, PR. Cap. 4. p. 16-26. Atena, 2020.

SOUZA, C. D. F.; MATOS, T. S. Vigilância da tuberculose em uma área endêmica do Nordeste brasileiro: O que revelam os indicadores epidemiológicos? J Bras Pneumol. 45(2), 2019.

WHO. World Health Organization. AIDS epidemic update. Switzerland. 2005.

WHO. World Health Organization. The global plan to stop Tuberculosis 2011-2015.

Geneva, 2011.

WHO. World Health Organization. Global tuberculosis report 2016. Switzerland. 2016.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n2-137

Refbacks

  • There are currently no refbacks.