Indícios de transtornos alimentares em adolescentes / Evidence of eating disorders in adolescents

Joab Oliveira Salomão, Isabella de Paula Marinho, Ana Francesca Vommaro Leite, Rene Jesus De La Torre Acosta, Ian Dimas Cabral, Paulo Loivo do Nascimento, Monise Martins da Silva, Maria Olímpia Ribeiro do Vale Almada

Abstract


Os transtornos alimentares (TAs) são síndromes psiquiátricas com etiologia multifatorial, caracterizados por distorções da imagem corporal, associada à insatisfação com o peso e desenvolvimento de comportamentos alimentares específicos, principalmente no público Adolescente. Objetivou-se investigar indícios de TAs em adolescentes na rede pública e privada de ensino no interior de Minas Gerais.Utilizou-se de questionários autoaplicáveis e validados para tendências de anorexia, bulimia, transtorno compulsivo alimentar periódico e vigorexia em adolescentes de ambos os sexos. Tratotou-se de um estudo observacional, analítico e transversal. Incluiram-se no estudo adolescentes com idade entre 12 a 18 anos, alunos de 7° e 8° ano. Quanto aos principais resultados destaca-se a baixa prática de atividade física, maior percentual de índividuos eutróficos pela avaliação do IMC, presença de sobrepeso e baixo peso mais prevalente em meninas, assim como maior tendência para transtornos alimentares como bulimia e anorexia, enquanto nos meninos  maior tendência para vigorexia. A incidência de TAs apresentam complicações multifatoriais a longo prazo e merece mais trabalhos que discorram sobre o assunto. O uso de questionários autoaplícáveis mostrou-se uma ferramenta de baixo custo e ampla abordagem para o rastreamento e identificação desses transtornos na populção adolescente.


Keywords


.

References


MAIRS R, NICHOLLS D. Assessment and treatment of eating disorders in children and adolescents. Archives of Disease in hildhood 2016;101:1168-1175.

ALCHIMIM-CARVALHO F, et al. Evidence-based psychotherapy for treatment of anorexia nervosa in children and adolescents: systematic review Arch Clin Psychiatry. ; 45 (2): 41-8 (2018).

VERSCHUEREN M, et al. Eating Disorder Symptomatology in Adolescent Boys and Girls: Identifying Distinct Developmental Trajectory Classes. J Youth Adolescence 49, 410–426 (2020). https://doi.org/10.1007/s10964-019-01174-0

LIMBERS CA, COHEN LA, GRAY BA. Eating disorders in adolescent and young adult males: prevalence, diagnosis, and treatment strategies. Adolesc Health Med Ther. 2018;9:111-116https://doi.org/10.2147/AHMT.S147480

COUTURIER J, et al. Canadian practice guidelines for the treatment of children and adolescents with eating disorders. J Eat Disord 8, 4 (2020). https://doi.org/10.1186/s40337-020-0277-8

MICALI N, et al). Adolescent eating disorder behaviours and cognitions: Gender-specific effects of child, maternal and family risk factors. British Journal of Psychiatry, 207(4), 320-327 (2015). doi:10.1192/bjp.bp.114.152371

FISHER MM, et al. Characteristics of avoidant/restrictive food intake disorder in children and adolescents: a "new disorder" in DSM-5. J Adolesc Health. 2014;55(1):49-52.

ALBINO EBS, MACEDO EMC. Transtornos alimentares na adolescência: uma revisão de literatura. Revista Eletrônica de Ciências. 2014.7(1).

VALE B, et al. Menstruation disorders in adolescents with eating disorders – target body mass index percentiles for their resolution. Einstein (São Paulo). 2014; 12(2): 175-180.

LEITE K, AMARAL J. Prevalência dos sintomas de transtornos alimentares e distúrbio de imagem corporal em estudantes do ensino médio da cidade de Cacoal-RO. Revista científica da UNESC. 2015.13(16).

UZUNIAN LF, VITALLE MG. Prevalência de transtorno alimentar e fatores associados em atletas adolescentes. Revista oficial do núcleo de estudos da saúde do adolescente. 2015. 12(1).

Treasure J, Duarte TA, Schmidt U. Eating desorders. The Lancet 2020. 395(10227): 899-911.

BEHAR R, et al. The delusional dimension of anorexia nervosa: phenomenological, neurobiological and clinical perspectives. Arch Clin Psychiatry. 2018;45(1):15-2.

ARRIAGA CPSM, et al. Vigorexia - um caso de autodiagnóstico. Adolesc. Saúde. 2017. 14(1).

WIHELM S, et al. Development and Pilot Testing of a Cognitive-Behavioral Therapy Digital Service for Body Dysmorphic Disorder. Behavior Therapy. 2020; 51(1):15-26.

BLOC LG, et al. Transtorno de compulsão alimentar: revisão sistemática da literatura. Rev. Psicol. 2019; 11( 1 ): 3-17.

Serra, M. V, Oliveira GMN. Prevalência de comportamento de risco para compulsão alimentar em adolescentes de um colégio particular em São Luís-MA. RBONE. 2019; 12(76): 1029-1038.

BRAGA, P.D; MOLINA. M.C.B. Representações do corpo: com a palavra um grupo de adolescentes de classes populares. Ciência& Saúde Coletiva, v.23, n. 8, 2018.

RIBEIRO P; OLIVEIRA, P. Body image: beauty or disease. Revista Oficial do núcleo de estudos da saúde do adolescente/UERJ. V. 8, n. 3, Rio de Janeiro,jul/set., 2011.

SCORSOLINI., et al. A construção de si em um grupo de apoio para pessoas com transtornos alimentares. Estudos em Psicologia. V. 27, n. 4,p.467-478,Campinas,2010. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_nlinks&ref=000176&pid=S0102-7972201300030001600031&lng=en. Acessorealizadoem 04 de outubro de 2018.

APA. Diagnostic na statistical manual of mental disorders. 4th edition. American Psychiatry Association, 1994.

AUSTIN S. A public health approach to eating disorders prevention: It’s time for public health professionals to take a seat at the table. Journal List-BMC Public Health.V.12; 2012. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3519713/. Acesso realizado em 09 de setembro de 2018.

BORGES, M. B. Estudo do transtorno da compulsão alimentar periódica em população de obesos e sua associação com depressão e alexitimia. São Paulo: Universidade Federal de São Paulo, 1998. Disponível em: http://www.hcnet.usp.br/ipq/revista/vol31/n4/170.ht ml. Acesso em 25 de setembro de 2018.

CORDÁS, T. A., NEVES, J. E. P. Escalas de avaliação de transtornos alimentares. Escalas de avaliação clínica em psiquiatria e psicofarmacologia. p.345-53. São Paulo, 2000.

DUNKER, K.L.L.; FERNANDES, C.P.B.; CARREIRA, D.F. Influência do nível socioeconômico sobre comportamentos de risco para transtornos alimentares em adolescentes. J Bras Psiquiatr. 58(3):156-161. São Paulo, 2009.

FREITAS., et al. Tradução e adaptação para o português da Escala de Compulsão Alimentar Periódica. Revista Brasileira de Psiquiatria. V. 23, n.4. 2006. Disponível em:http://www.scielo.br/pdf/rbp/v23n4/7169.pdf. Acesso realizado em 07 de outubro de 2018.

FREITAS., et al. Escala de compulsão alimentar periódica BES-Tradução da “BingeEatingScale”. Revista Brasileira de Psiquiatria. V. 23, n. 4, p. 215-20. 2001. Disponível em: http://nutricaosemsegredo.com.br/wp-content/uploads/2016/03/ESCALA-DE-COMPULS%C3%83O-ALIMENTAR-PERI%C3%93DICA.pdf. Acessoem 07 de outubro de 2018.

GORENSTEIN., et al. Versão brasileira do “BITE” para uso em adolescentes. Arquivo brasileiro de psicologia. V.63, n.1. Rio de Janeiro, 2011. Disponível em:http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1809-52672011000100007. Acesso realizado em 20 de outubro de 2018.

HENDERSON., et al. A Self-Rating Scale for Bulimia.The BITE. British Journal of Psychiatry.n.150, p.18-24.1987. Disponível em:http://dx.doi.org/10.1192/bjp.150.1.18. Acesso realizado em 18 de outubro de 2018.

O'BRIEN, K. M.; LEBOW, M. D. Reducing maladaptive weight management practices: Developing a psychoeducational intervention program. Eating Behaviors, v. 8, n. 2, 195-210,2007.Disponívelem:http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-88092011000100003. Acesso em01/11/2018.

PATRÍCIA, C, et al. Vigorexia - um caso de autodiagnóstico. Adolesc. Saude, Rio de Janeiro, v. 14, n. 1, p. 97-101, jan/mar 2017.

POPE, H G.; PHILLIPS, K A.; OLIVARDIA, R. O Complexo de Adônis: a obsessão masculina pelo corpo.Tradução Sérgio Teixeira. Rio de Janeiro. Editora Campus. 2000. Disponívelem:https://www.google.com.br/search?q=Question%C3%A1rio+do+Complexo+de+Ad%C3%B4nis+(QCA)&rlz=1C1CAFB_ptBRBR787BR787&oq=Question%C3%A1rio+do+Complexo+de+Ad%C3%B4ni+(QA)&aqs=chrome..69i57.1515j0j8&sourceid=chrome&ie=UTF-8. Acesso em 01/11/2018.

SOLER, et al. Vigorexia e níveis de dependência de exercício em frequentadores de academias e fisiculturistas. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. V. 19, n. 5, Set/Out, 2013. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbme/v19n5/a09v19n5.pdf. Acesso em 30 de outubro de 2018.

SPITZER., et al. Binge eating disorder: it’s further validation in a multisite study. Int J Eat Disord. V. 13, n. 2, p. 137-53, 1993.

STUNKARD A.J, ALLISON K.C. Two forms of disordered eating in obesity: binge eating and night eating. Revista de psiquiatria clínica.V.31, n.4, São Paulo, 2004. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-60832004000400008. Acesso realizado em 09 de setembro de 2018.

YAMAMOTO., et al. The usefulness of body image tests in the prevention of eating disorders. Kobe Journalof Medical Sciences. V. 53, n. 3, p. 79-91, 2007.

ABEP. Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa. Critério de Cassificação Econômica Brasil. 2015.

OLIVEIRA APG, et al. TRANSTORNOS ALIMENTARES, IMAGEM CORPORAL E INFLUÊNCIA DA MÍDIA EM UNIVERSITÁRIAS. Rev enferm UFPE on line. ;14:e245234 (2020). DOI: 10.5205/1981-8963.2020.245234




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n2-133

Refbacks

  • There are currently no refbacks.