Promoção do uso racional de medicamentos em crianças vivendo com HIV/AIDS pelo método pedagógico Waldorf / Promotion of rational use of drugs in children living with HIV/AIDS by Waldorf pedagogical method

Aracely Maria de Souza Miranda, Tácio de Mendonça Lima, Luana Melo Diogo de Queiroz

Abstract


1 INTRODUÇÃO

A utilização de medicamentos em pacientes pediátricos exige uma série de cuidados adicionais, uma vez que são bastante susceptíveis a ocorrência de subdoses e eventos adversos. Com relação ao uso de medicamentos para crianças vivendo com HIV/AIDS, esse quadro torna-se ainda mais complexo, as quais vivenciam o seu desenvolvimento associado a uma doença com características crônicase que exige cuidados permanentes (1).

O tratamento utilizado em crianças vivendo com HIV/AIDS são chamados de terapia antirretroviral (TARV), que consiste em uma associação de três ou mais antirretrovirais, com doses individualizadas e variadas. A TARV deve ser administrada de maneira cautelosa e requer o acompanhamento de profissionais preparados, com intuito de propor uma boa qualidade de vida para portador, especialmente às crianças (2).

Considerando-se que tal terapia é de uso contínuo, possivelmente muitas crianças já sofreram mudanças em seu tratamento, por múltiplas causas que afetam e são afetadas pela adesão, principalmente pelas dificuldades de adaptação da prescrição (horário, dosagem e frequência) e pelo cotidiano pessoal/social, além da falha terapêutica (2,3). Diante disso, é necessário ser avaliados e estudados caso a caso para que sejam tomadas medidas em conjunto por profissionais envolvidos da saúde, com ênfase para o profissional farmacêutico, que faz a dispensação de medicamentos, buscando dispor de uma farmacoterapia de qualidade e que possibilite alcançar resultados satisfatórios (4).

No atendimento aos pacientes pediátricos, o farmacêutico é o profissional que promove suas ações através do chamado cuidado farmacêutico. Essa ferramenta da farmácia contemporânea auxilia no processo do tratamento à base de antirretrovirais, onde envolve fatores como: farmacoterapia correta, dispensação de qualidade, intervenções farmacêuticas, acompanhamento farmacoterapêutico e o Uso Racional de Medicamentos (URM) (5).

O cuidado farmacêutico dentro da complexidade que envolve o HIV deve ser altamente predominante no tratamento dos pacientes, realizando a aproximação para que a dispensação e o consumo do medicamento seja feito corretamente. Estudos abordam que o cuidado farmacêutico é considerado fundamental para elevar a adesão dos antirretrovirais e dispor de benefícios clínicos ao paciente desses medicamentos e ainda desenvolver uma empatia entre o usuário e o serviço. Estas medidas adotadas durante o tratamento é muito importante, sendo que a baixa adesão a TARV ocasiona a redução da eficácia do tratamento e a piora no estado clínico do indivíduo (4,6).

Diante desse contexto, as crianças vivendo com HIV/AIDS inserem-se no grupo de crianças com necessidades especiais de saúde, possuindo maior demanda de cuidado medicamentoso, tornando-se importante aprofundar cada vez mais os conhecimentos acerca das vivências e experiências desses pacientes, com vistas a encontrar subsídios para a construção de projetos que contemplem as suas especificidades e que envolvam as etapas de seu crescimento e desenvolvimento (7,8).

Com relação ao desenvolvimento humano, o ato de brincar é fundamental, em especial na infância, a fase mais determinante dentro deste seguimento.  Para que haja o brincar da maneira mais livre possível, torna-se necessário que existam brinquedos que facilitem e auxiliem este momento. Pensando nisso, o filósofo, educador e artista Rudolf Steiner criou, no século XX, a chamada Pedagogia Waldorf, com objetivos e princípios tão diferentes quanto qualquer outra pedagogia (9,10).

A Pedagogia Waldorf defende a evolução do ensino mediante o estágio de desenvolvimento da criança, crendo numa abordagem de acordo com a necessidade de cada um, como individuo único; com as expressões artísticas como base de aprendizagem, a relação entre crianças e profissionais revela-se saudável e propícia a aprendizagem sustentável e autônoma, ou seja, baseada na autoeducação. Cada aspecto do currículo está relacionado com a vida da criança e a sua etapa de desenvolvimento respeitando-se, deste modo, a estimulação do pensamento crítico. As crianças ficam livres através da experiência de diversas impressões sensoriais e através do movimento. Sua afeição natural é de explorar o ambiente físico e social, enfrentando desafios e curiosidades (10,11).

Os brinquedos da Pedagogia Waldorf são confeccionados para estimularem a brincadeira espontânea, o contato com a natureza, despertando a imaginação e a criatividade das crianças, lançando todo o potencial lúdico delas. A idéia da Pedagogia Waldorf é que todos os brinquedos sejam sempre de acabamentos muito simples, pois partem do princípio de que quanto menos interferência, maior o espaço para a liberdade criativa da criança. São brinquedos que estão interligados a natureza, como: argila, tronco de árvores e de madeira, algodão e lã. Assim a arte de brincar através desta pedagogia, na contramão da tendência comumente observada nos meios educacionais formais, segue a necessidade de superar a concepção instrumental do ensino e, portanto, reorientar a prática pedagógica, tanto para o desenvolvimento global dos educandos quanto para a multidimensionalidade do processo educativo (9,10).

Nesse cenário, a busca por novas estratégias podem contribuir para tornar a terapia antirretroviral mais segura e eficaz, princípios do uso racional de medicamentos. Para isso, idealizou-se a inserção na prática farmacêutica do método pedagógico Waldorf, baseado em abordagem lúdica, onde crianças aprendem através das artes e autoeducação.

 

2 OBJETIVOS

Promover o uso racional de medicamentos (URM) em crianças vivendo com HIV/AIDS, através do método pedagógico Waldorf.

 

 

 

3 MÉTODO

Estudo descritivo, qualitativo, do tipo relato de prática no serviço, considerando-se que a pesquisa qualitativa é baseada no conhecimento e na experiência de vida real das pessoas que vivenciam o fenômeno. A abordagem qualitativa descritiva é empregada pelos pesquisadores para descrever dimensões, variações e significados dos fenômenos em estudo (12).

Os participantes do estudo foram 10 crianças vivendo com HIV/AIDS, acompanhadas de junho a setembro de 2019. As etapas de campo da pesquisa foram desenvolvidas em um Centro de referência em HIV/AIDS, dentro da Unidade Dispensadora de Medicamentos (UDM).

Os critérios de inclusão definidos para o estudo foram idade entre 4 a 7 anos de idade, segundo a progressão proposta na pedagogia Waldorf,  baseadas em ciclos de sete anos e a apresentação da mesma metodologia nesta fase de setênio (0 a 7 anos) (10).

Por meio de encaminhamento mensal do setor pediátrico à UDM, os pacientes foram estimulados ao uso racional de medicamentos através de elementos artístico-educativos fudamentados no projeto Waldorf, produzidos pela farmacêutica.

No momento da dispensação, de acordo com a prescrição médica, a profissional orientou os pacientes com os materiais elaborados sobre: forma farmacêutica, dose e posologia do tratamento, por meio de objetos artístico-educativos: frascos de soluções orais feitas com argilas, simulando similaridade com os frascos de antirretrovirais; seringa medidora feita com garrafa pet e retalhos de tecidos, representando as seringas utilizadas para a medição de doses líquidas; bonecos produzidos com pregadores de madeira, para estímulo na tomada de medicamentos da forma farmacêutica em comprimidos; e embalagem com ilustrações (sol e lua), como auxílio na memorização da posologia.

A pesquisa foi desenvolvida através dos objetos produzidos como estratégia de interpretação das informações para o uso racional do medicamento. Para a execução e análise, ocorreram três fases: a exploração do material pelas crianças e a orientação sobre o URM por meio dos objetos apresentados; a repetição do manuseio para a fixação das orientações e observação do comportamento das crianças frente aos objetos e formas de uso; e a última etapa, o questionamento a cerca das percepções e vivências dos pais/responsáveis e das crianças, e o registro das informações encontradas nos prontuários dos pacientes inclusos.

 

 

4 RESULTADOS/DISCUSSÃO

Durante orientação, observou-se grande interesse e curiosidade das crianças em relação aos objetos. Em seguida, ficaram livres para o manuseio e o despertar da imaginação.  Segundo Quevedo e Oliveira (9), é de extrema importância considerarmos a Pedagogia Waldorf como fundamentação para nos basear quando deixarmos nossas crianças livres para brincar, valorizando e respeitando cada fase do ser humano.

Com relação a idade dos pacientes,  os critérios de inclusão foram definidos de acordo com o primeiro setênio (0-7 anos), proposto na pedagogia aplicada.  Como esclarece Gudrun Burkhard (13), esse cenário de desenvolvimento infantil tem como pano de fundo a reestruturação das substâncias herdadas e a individuação somática, orientadas pela própria individualidade. É também o período em que todas as energias da criança estão inves­tidas no seu desenvolvimento físico, exigindo-lhe intensa atividade corporal. Assim, a educação infantil Waldorf prioriza o movimento, a experiência corporal que faz uso da motricidade, como também o movimento da imaginação, da fantasia da criança, pois compreende que o movimento da criança será a base para não apenas o seu desenvolvimento físico e motor, mas também para o seu desenvolvimento emocional, neurológico e até mesmo cognitivo, preparando as estruturas neurológicas para a aprendizagem a ser requerida posteriormente em seu processo de escolarização.

Nos retornos a farmácia, foi solicitado para que tanto os pais/responsáveis como as crianças relatassem e/ou demonstrassem de que forma o método executado contribuiu para o uso dos antirretrovirais. Todos os casos (100%) apresentaram melhorias na prática do autocuidado e memorização das doses bem como, estímulo no comparecimento às consultas. Desta forma, propiciou o desenvolvimento dos pacientes sob a concepção do método aplicado, o qual se fundamenta no respeito às fases da criança através do brincar, assim como, oferecer elementos artísticos, criativos e artesanais criados com materiais propostos nesta pedagogia (argila, madeira e retalhos de tecidos). Steiner via o fazer artístico da criança como promotor da criatividade, embora igualmente como benéfico para outras abordagens. O autor acreditava que através das artes, a criança estabelecia uma maior vontade e facilidade de absorção de conhecimento (10).

As intervenções foram registradas nos prontuários para acesso de outros profissionais envolvidos no acompanhamento: médica pediatra, enfermeira e psicóloga. Para as áreas médica e de enfermagem as informações relevantes envolviam memorização de doses e o conhecimento com relação aos medicamentos executados com relação aos medicamentos utilizados pelos pacientes. Para o profissional psicólogo foram registrados o desenvolvimento da motricidade e habilidades executadas através dos materiais produzidos. Nas reuniões mensais entre os profissionais envolvidos foram discutidos de que forma o processo pedagógico auxiliou para desenvolvimento de cada caso.

Desta forma, permitiu-se identificar as necessidades e avanços dos pacientes, promovendo qualificação do projeto implantado e a integralidade no cuidado multiprofissional. No contexto cuidado farmacêutico, a colaboração profissional promove relações e interações nas quais os profissionais poderão partilhar conhecimentos, especialização e habilidades entre si, com o objetivo de proporcionar melhor atenção ao paciente (14).

 

5 CONCLUSÃO

A apresentação de ações, estratégias e atividades para a promoção do uso racional de medicamentos, visam ampliar e qualificar o acesso a medicamentos que atendam aos critérios de qualidade, segurança e eficácia. Desta forma, a inserção da pedagogia Waldorf contribuiu ao uso racional de medicamentos em crianças vivendo com HIV/AIDS por favorecer a consolidação de informações sobre a utilização adequada dos antirretrovirais, além de promover o autocuidado, estímulo a imaginação e, consequentemente, a melhoria na absorção de conhecimento destes pacientes.

Adicionalmente, fortalece a relação do profissional farmacêutico com o paciente e com outros profissionais da saúde, transformando-se em um processo dinâmico, proficiente e complementar nos cuidados em saúde na pediatria.

 


Keywords


Uso racional dos medicamentos, HIV, Pediatria, Pedagogia Waldorf.

References


Schaurich D, Freitas HMB. O referencial de vulnerabilidade ao HIV/AIDS aplicado às famílias: um exercício reflexivo. Rev Esc Enferm USP. 2011;45(4):989-95.

Reiners AAO, Azevedo RCS, Vieira MA, Arruda ALG. Produção bibliográfica sobre adesão/não-adesão de pessoas ao tratamento de saúde. Ci Saude Col. 2008;13(suppl2):2299-2306.

Motta MGC et al. Criança com HIV/aids: percepção do tratamento antirretroviral. Rev. Gaúc. Enferm. 2012 dez; 33(4): 48-55.

Pedroso WM, Vitorino KA. Atenção Farmacêutica no tratamento de Crianças portadoras de Aids/HIV. Ver Cient da Faculdade de Educação e Meio Ambiente - FAEMA. Ariquemes, v. 10, n. 1, p. 34-43, jan.-jun. 2019.

Ministério da saúde (Br). Recomendações para Terapia Antirretroviral em Crianças e Adolescentes Infectados pelo HIV. Brasília – DF: Ministério da saúde; 2009.

Silveira A, Neves ET. Crianças com necessidades especiais de saúde: tendências das pesquisas em enfermagem. Rev Enferm. UFSM. 2011;1(2):254-260.

Motta MGC, Issi HB, Ribeiro AC, Botene DZA, Silva MC, Sengik SAMBS. Vivências da criança com HIV/aids. Cienc. Cuid. saude. 2012 out/dez; 11(4): 681-6.

Poletto PMB, Motta MGC. Educação em saúde na sala de espera: cuidados e ações à criança que vive com HIV/Aids. Esc. Anna Nery 2015;19(4):641-647.

Quevedo AFA; Oliveira R. Pedagogia Waldorf: uma visão contemporânea da arte do brincar. Rev. Inic. Cient. Unifamma. 2019.

Antunes IP. As artes plásticas na pedagogia Waldorf. Dissertação de Mestrado. Universidade de Lisboa, Faculdade de Belas Artes, 2014.

Silva DA. Educação e ludicidade: um diálogo com a Pedagogia Waldorf. Educar em Revista, Curitiba, Brasil, n. 56, p. 101-113, abr./jun. 2015.

Minayo MCS. Pesquisa Social. Teoria, método e criatividade. 18 ed. Petrópolis: Vozes, 2001.

Burkhard G. Tomar a Vida nas Próprias Mãos. Como trabalhar na própria biografia o conhecimento das leis gerais do desenvolvimento humano. São Paulo: An¬troposófica, 2000.

Pinto IV, Castro MS, Reis AM. Description of the role of the pharmacist in a

multiprofessional team focused on the care of hospitalized elderly. Rev Bras Geriatr Gerontol. 2013;16(4):747-58. Portuguese.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n2-131

Refbacks

  • There are currently no refbacks.