Importância do diagnóstico precoce e o acesso ao rastreamento do câncer de mama por mulheres da zona rural da região nordeste do Brasil/ Importance of early diagnosis and access to breast cancer tracking by women in the rural area of the northeast region of Brazil

Caio Ferreira Filgueiras de Souza, Isabella Juliana Silva Nascimento, Nathália Ferreira Carvalho, Alícia Nathália Terra Perígolo Oliveira, Welsher Braga Ribeiro Chaves, Pedro Henrique Sulz Marx, Luiz Eduardo Canton Santos

Abstract


Introdução: O câncer de mama é uma neoplasia com alta incidência e prevalência no Brasil e no mundo, sendo a principal causa de morte de mulheres no Brasil, com exceção aos cânceres não melanomas. O acesso ao rastreamento do câncer de mama como forma de prevenção e diagnóstico precoce é essencial, com o propósito de instituir políticas para se obter uma diminuição da morbidade e mortalidade por essa neoplasia na região Nordeste. Objetivos: Demonstrar a importância do diagnóstico precoce do Câncer de Mama por meio da realização dos exames de rastreamento, e evidenciar as causas que afastam mulheres do mesmo de modo a modificar essa problemática. Metodologia: Para realização deste trabalho foi utilizado um estudo ecológico de uma população específica: mulheres da zona rural da região nordeste do Brasil. Foram coletados dados de estimativa de câncer de mama para 2020; distribuição percentual da população residente, por Grandes Regiões, a partir dos 40 anos; distribuição da população por sexo a partir dos 40 anos na região Nordeste; os fatores relacionados a não realização de exames de rastreio para câncer de mama por mulheres; taxa de analfabetismo para as Grandes Regiões; taxa de analfabetismo para mulheres com 15 ou mais, segundo o sexo, na região Nordeste, e renda per capita no municípios nordestinos. Resultados: Foi encontrado um risco estimado para câncer de mama de 44,29 por 100 mil habitantes na região Nordeste; na região Nordeste 23% de indivíduos com 40 anos ou mais, e 13,4% com 60 anos ou mais; distribuição da população por sexo, segundo os grupos de idade na região Nordeste, homens e mulheres, respectivamente, a partir dos 40 anos, 7.453.510/8.618.118. Fatores associados à não realização de exames de rastreamento: (1) acesso ao sistema de saúde; (2) desigualdades relacionadas ao gênero e trabalho; (3) grandes distâncias entre as residências e os serviços de saúde; (4) idade avançada; (5) nível de escolaridade. Para taxa de analfabetismo, foi encontrado 16,2% em 2015, sendo que 14,5% das mulheres de 15 anos ou mais de idade eram analfabetas. Conclusão: Diante dos fatos encontrados, vários fatores distanciam essa população do acesso aos exames de rastreamento. Devido a estes fatores se observa a importância da ampliação dos serviços de saúde como forma de modificar as suas condições, garantindo assim que as dificuldades de acesso ao exame de rastreamento possam ser superadas, fazendo-se valer os princípios de integralidade, equidade e universalidade do Sistema Único de Saúde.


Keywords


Atenção Integral à Saúde da Mulher, câncer de mama, rastreamento, zona rural, mulher, atenção primária à saúde.

References


INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER JOSÉ ALENCAR GOMES DA SILVA/ MINISTÉRIO DA SAÚDE. Estimativa 2020: Incidência de Câncer no Brasil [livro online]. Rio de Janeiro, 2020. [acesso em 05 jun 2020]. Disponível em: https://www.inca.gov.br/sites/ufu.sti.inca.local/files//media/document//estimativa-2020-incidencia-de-cancer-no-brasil.pdf

INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER JOSÉ ALENCAR GOMES DA SILVA/ MINISTÉRIO DA SAÚDE. Diretrizes para a Detecção Precoce do Câncer de Mama no Brasil. Rio de Janeiro, 2015. [acesso em 10 jun 2020]. Disponível em: https://www.inca.gov.br/publicacoes/livros/diretrizes-para-deteccao-precoce-do-cancer-de-mama-no-brasil

Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Caderno de Atenção Primária / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. – Brasília : Ministério da Saúde, 2010.

BARBOSA, Y.C., OLIVEIRA, A.G.C., RABÊLO, P. P. C., SILVA, F.S.S., SANTOS, A.M. Fatores associados à não realização de mamografia: Pesquisa Nacional de Saúde. Revista Brasileira de Epidemiologia [online]. 2013; v. 22: 1-13.

Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher / Ministério da Saúde, Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. – Brasília :Ministério da Saúde, 2004.

MINISTÉRIO DA SAÚDE/SECRETARIA DE ATENÇÃO BÁSICA. Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher: Princípios e Diretrizes [livro online]. Brasília, 2004. [acesso em 10 jun 2020]. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_nac_atencao_mulher.pdf.

INSTITUTO NACIONAL DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Síntese de Indicadores Sociais: uma análise das condições de vida da população brasileira. Rio de Janeiro; 2018. [acesso em 10 jun 2020]. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv101629.pdf.

Viacava F, Bellido JG. Condições de saúde, acesso a serviços e fontes de pagamento, segundo inquéritos domiciliares. Ciência & Saúde Coletiva. 2016; vol. 21: 1-24.

Antunes JLF. Desigualdades em saúde: Entrevista com Nancy Krieger. Tempo Soc. [Internet]. 1 de junho de 2015 [citado 11 de junho de 2020];27(1):177-94. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/ts/article/view/103360Autor/es.

SANTOS, L.A. MULHER CAMPONESA: UMA LUTA POR VISIBILIDADE E DIREITOS NO MEIO RURAL. Goianésia: Faculdade Evangélica de

Goianésia; 2019.

Soares S, Ribeiro LC. COMPARAÇÃO E MAPEAMENTO DO RENDIMENTO PRINCIPAL. 2019. Revista Multidisciplinar. Humanidades & Tecnologias. Ano XIV; vol 20.

Goldman Rosely Erlach, Figueiredo Elisabeth Niglio, Fustinoni Suzete Maria, Souza Káren Mendes Jorge de, Almeida Ana Maria de, Gutiérrez Maria Gaby Rivero de. Brazilian Breast Cancer Care Network: the perspective of health managers. Rev. Bras. Enferm. [Internet]. 2019 Feb [cited 2020 Nov 22]; 72(Suppl 1):274-281. Available from: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-71672019000700274&lng=en. https://doi.org/10.1590/0034-7167-2017-0479.

Cunha GN, Vianna MM, Mosegui GBG, Silva MPR, Jardim FN. Rastreamento do câncer de mama: modelo de melhoria do acesso pelo uso de mamógrafos móveis. Rev Panam Salud Publica. 2019;43: e19. https://doi.org/10.26633/RPSP.2019.19

Lima BM. Desigualdades em saúde: uma perspectiva global. Ciênc. saúde coletiva [Internet]. Julho de 2017 [citado em 22 de novembro de 2020]; 22 (7): 2097-2108. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232017002702097&lng=en. https://doi.org/10.1590/1413-81232017227.02742017.

Gonzaga CMR, Freitas-Junior R., Souza MR, Curado MP, Freitas NMA. Disparities in female breast cancer mortality rates between urban centers and rural areas of Brazil: Ecological time-series study. Breast [Internet]. 2014;23(2):180–7. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1016/j.breast.2014.01.006

Graells-Sans A, Serral G, Puigpinós-Riera R. Social inequalities in quality of life in a cohort of women diagnosed with breast cancer in Barcelona (DAMA Cohort). Cancer Epidemiol [Internet]. 2018;54(March):38–47. Available from: https://doi.org/10.1016/j.canep.2018.03.007

Kroenke CH, Kubzansky LD, Schernhammer ES, Holmes MD, Kawachi I. Social networks, social support, and survival after breast cancer diagnosis. J Clin Oncol. 2006;24(7):1105–11. Available from: https://doi.org/10.1200/JCO.2005.04.2846.

Spada FC, Pires KG, Costa LO, Figueiredo SBC. Fatores de risco e prevenção do câncer de mama risk factors and prevention of. 02:135–45




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n2-125

Refbacks

  • There are currently no refbacks.