Caracterização do Perfil de Uma Amostra de Usuários de um Serviço de Saúde do Adolescente / Characterization of the Profile of a Sample of Users of an Adolescent Healt Service

Grazielle Ribeiro Novais Zanuto, Antônio de Pádua Serafim, Elaine Cristina Catão, Juliana Kessar Cordoni Drummond, Lígia de Fátima Nobrega Reato

Abstract


Atender bem à população adolescente implica em gerar uma nova geração de indivíduos sadios, física e psicologicamente, e bem integrados em sua sociedade. Nesse sentido, o presente estudo teve como objetivo descrever o perfil de usuários de um serviço de saúde do adolescente. A pesquisa foi realizada no Centro de Referência Adolescente-Cidadão Esperança, sede do Instituto de Hebiatria do Centro Universitário Saúde ABC na cidade de Sandro André, SP. A amostra foi composta por 40 adolescentes do sexo masculino e feminino entre 12 e 18 anos. Para a coleta de dados, foram utilizados um teste expressivo que avalia aspectos da personalidade, as Pirâmides Coloridas de Pfister, e a Análise Documental das anamneses médicas. A fim de caracterizar o perfil geral dos resultados do teste de Pfister, foram consideradas as seguintes variáveis: uso das cores e o aspecto formal, analisadas conforme proposto por Villemor-Amaral. A partir da análise interpretativa, buscou-se explicitar os resultados mais frequentes no grupo de adolescentes avaliados. Assim, foi possível evidenciar uma afetividade mais estimulada, que leva a inferir um comportamento compatível com as emoções mais fortes, impactantes, com conotações ambivalentes, associadas a impulsividade e irritabilidade; houve indicadores de capacidade de controle e regulação dos afetos. Os resultados revelaram indicadores de uma personalidade ainda em formação, com pouca maturidade em relação às emoções e às defesas psíquicas, característica frequente em adolescentes. Os dados coletados na análise documental apontam que 25% das queixas médicas referem-se à obesidade, seguido de tristeza em 22,5% e alteração do comportamento em 17,5%; Entre os principais motivos de encaminhamento para a psicologia 30% referem-se à hipótese de depressão, 20% de ansiedade e 15% de alteração da dinâmica familiar. A importância da promoção e manutenção da saúde nos diversos espaços sociais, de forma integral, de modo a contribuir com o processo evolutivo da adolescência, nos aspectos físico, psicológico e social foi notória.


Keywords


Adolescência, Promoção de Saúde, Saúde do adolescente.

References


ABAD, M. Las políticas de juventud desde la perspectiva de la relación entre convivencia, ciudadanía y nueva condición juvenil. Última década, v.10, n.16, p. 117-152, 2002. Disponível em: https://dx.doi.org/10.4067/S0718-22362002000100005

ADIB, S. A. Evidências de Validade do Teste de Pfister Para Indicadores de Sintomas de Depressão em Adolescentes. (Dissertação de Mestrado). Universidade São Francisco: Itatiba, SP, Brasil, 2008.

ABERASTURY, A.; KNOBEL, M. Adolescência Normal: Um enfoque psicanalítico. Porto Alegre: Artes Médicas, 1989 (original de 1970).

APA – American Psychiatric Association. DSM-V: Manual de Diagnóstico e Estatístico das Transtornos Mentais, 2014.

BARROSO, J. B. Teste das pirâmides coloridas de Pfister: estudo normativo com crianças e adolescentes com crianças de 12 a 14 anos. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós Graduação em Psicologia, Universidade de São Paulo: Ribeirão Preto, 2013. Disponível em: https://teses.usp.br/teses/disponiveis/59/59137/tde-08102013-155848/publico/MESTRADO_JOANA_BRASILEIRO_BARROSO.pdf

BRASIL. Marco legal: saúde, um direito de adolescentes. Secretaria de Atenção à Saúde. Área de Saúde do Adolescente e do Jovem. Brasília. Ministério da Saúde, 2005. Disponível em: http://dtr2001.saude.gov.br/editora/produtos/livros/pdf/05_0 011_M.pdf.

BRASIL. Lei n. 8.069 de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do

Adolescente e dá outras providências. São Paulo: 2008.

BURKITT, E.; TALA, K.; LOW, J. As cores das crianças finlandesas e inglesas usam para representar figuras afetivamente caracterizadas. Jornal Internacional de Desenvolvimento Comportamental, v.31, n.1, p. 59-64, 2007.

CAETANO, S. C.; BOARATI, M. A. Transtornos de humor. In: POLANCZYK, G. V.; LAMBERT, M. T. M. R. (Orgs.). Psiquiatria da infância e adolescência. São Paulo: Monole, p. 163-173, 2012.

CAPITÃO, C. G.; LOPES, F.; SILVA, M. A.; ADIB, S. A. O teste de Pfister e indicadores de depressão em adolescentes. Encontro: Revista de Psicologia. v.15, n. 23, p. 59-72, 2012.

CARDOSO, C. P.; COCCO, M. I. M. Projeto de vida de um grupo de adolescentes a luz de Paulo Freire. Revista Latino-Americana de Enfermagem, Ribeirão Preto, v.11, n.06, p. 778-785, 2003.

CRESPIN, J. Breve História da Medicina da Adolescência. In: CRESPIN, J.; REATO, L. F. N. (Orgs.) Hebiatria: Medicina da Adolescência. São Paulo: Roca. p. 314-318, 2007.

DUMAS, J. E. Psicopatologia da Infância e Adolescência. Porto Alegre: Artmed, 2011.

FARAH, F. H. Z. Evidências de Validade e precisão no Teste de Pfister para crianças de 6 a 10 anos. Tese de Doutorado, Programa de Pós-Graduação em Psicologia. Universidade São Francisco: Itatiba, 2010.

FERNADES, E. C. Transtorno disruptivo do controle do impulso e de conduta. In: REATO, L. F. N.; AZEVEDO, A. E. B. I. (Orgs.). Manual de Adolescência. Barueri (SP): Artmed. p. 143-154, 2019.

UNICEF – Fundo das Nações Unidas para a Infância. Bem-estar e privações múltiplas na infância e na adolescência no Brasil, 2018. Disponível em: https://www.unicef.org/brazil/media/2061/file/Bemestar-e-privacoes-multiplas-na-infancia-e-na-adolescencia-no-Brasil.pdf

HELLER, E. A Psicologia das Cores: Como as cores afetam a emoção e a razão. São Paulo: Gustavo Gili, 2013.

HULBERT, A. C.; LING, Y. Biological componentes o sex diferences in Collor preference. Current Biology, v.17, n.16, p. 623-625, 2007.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Sinopse dos resultados do Censo 2010, 2012. Recuperado de http://www.censo2010.ibge.gov.br/sinopse/webservice/

KAYA, N.; EPPS, H. H. Relationship between color and emotion: A study of college students. College Student Journal, v. 38, n. 3, p. 396-405, 2004.

KOVÁCS, M. J. Morte e desenvolvimento humano. São Paulo: Casa do Psicólogo, 1992.

LIN, H. Y.; HUANG, C. K.; TAI, C. M.; KAO Y. H.; TSAI, C. C. et al. Psychiatric disorders of patients seeking obesity treatment. BMC Psychiatry. v. 13, n.1, 2013

LICHTENFELD, S.; ELLIOT, A. J.; MAIER, M. A.; PEKRUN, R. Fertile green: green facilitates creative performance. Pers Soc Psychol Bull. v.38, n.6, p. 784?797, 2012.

LOPES, C. S.; AZEVEDO, A. G.; DOS SANTOS, D. F.; MENEZES, P. R.; DE CARVALHO, K. M. B., DE FREITAS, C. C. et al. ERICA: Prevalence of common mental disorders in Brazilian adolescents. Rev Saude Publica. v.50, n.1, p.1–9, 2016.

MOLLER, A. C.; ELLIOT, A. J.; MAIER, M. A. Basic hue-meaning associations. Emotion. v. 9, n. 6, p. 898?902, 2009.

MOYSÉS, M. A. A.; COLLARES, C. A. L. Sobre as diferenças, desigualdades, direitos: raízes da patologização da vida. In SURJUS, L. T. L. S.; MOYSÉS, M. A. A. (Orgs.). Saúde Mental Infantojuvenil: Territórios, políticas e clínicas de resistência. Santos: Unifesp/ Abrasme. p.13-27, 2019. Disponível em: https://www.paho.org/bra/index.php?option=com_content&view=article&id=5779:folha-informativa-saude-mental-dos-adolescentes&Itemid=839

OMS – Organización Mundial de La Salud. (2014). Salud para los adolescentes del mundo. Recuperado de http://apps.who.int/adolescent/seconddecade/files/WHO_FWC_MCA_14.05_spa.pdf?ua=1&ua=1

PALEMER, S. E.; SCHLOSS, K. B. An ecological valence theory of human color preference. Psychological and Cognitive Sciencies, v.107, n.19. p. 8877- 8882, 2010.

REATO, L. F. N.; AZEVEDO, A. E. B. I. Puericultura na Adolescência. In: REATO, L. F. N.; AZEVEDO, A. E. B. I. (Orgs.). Manual de Adolescência. Barueri (SP): Artmed. p. 07-16, 2019.

RIBEIRO, I. B. S.; CORREA, M. M.; OLIVEIRA, G.; CADE, N. V. Transtorno Mental Comum e Condição Socioeconômica em Adolescentes do Erica. Revista de Saúde Pública; v.54, n.4, 2020.

ROCHA, A. P. R.; GARCIA, C. A. A adolescência como ideal cultural contemporâneo. In Psicologia: Ciência e Profissão, Brasília, v. 28, n. 3, p. 622-631, 2008. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-98932008000300014&lng=en&nrm=iso

RUSCHENA, E.; PRIOR, M.; SANSON, A.; SMART, D. A longitudinal study of adolescent adjustment following family transitions. Journal of Child Psychology and Psychiatry: Association for Child Psychology and Psychiatry, v.46, p. 353-363, 2005.

SAITO, M. I. Síndrome da Adolescência Normal: Interface com a patologia. In: SAITO, M. I.; SILVA, L. E. V.; LEAL, M. M. (Orgs.). Adolescência, prevenção e risco. 3ª edição. São Paulo: Atheneu, 2014.

SALUM JUNIOR, G. A.; ALVARENGA, P. G.; MANFRO, G. G. In: POLANCZYK, G. V.; LAMBERT, M. T. M. R. (Orgs.). Psiquiatria da infância e adolescência. São Paulo: Monole, p. 193-209, 2012.

SIMON G. E.; VON KORFF, M.; SAUNDERS, K.; MIGLIORETTI, D. L.; CRANE, P. K.; VAN BELLE, G. et al. (2006). Association between obesity and psychiatric disorders in the US adult population. Arch Gen Psychiatry. v.63, n.7, p.824 - 830, 2006. Disponível em:

VINCENTIN, M. C. G. Criançar o descriançável. In: Caderno de debates do NAAPA: questões do cotidiano escolar. São Paulo: SME / COPED, 2016. Disponível em:

VILLEMOR-AMARAL, A. E. As Pirâmides Coloridas de Pfister. São Paulo: Cento Editor de Testes e Pesquisa em Psicologia, 2005.

VILLEMOR-AMARAL, A. E. As Pirâmides Coloridas de Pfister: versão para crianças e adolescentes. São Paulo: Pearson Clinical Brasil, 2018.

WEFFORT, V. R. S. Sobrepeso, Obesidade e Síndrome Metabólica. In: REATO, L. F. N.; AZEVEDO, A. E. B. I. (Orgs.). Manual de Adolescência. Barueri (SP): Artmed. p. 143-154, 2019.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n2-121

Refbacks

  • There are currently no refbacks.