Violência obstétrica no Brasil e prevenção quaternária: revisão integrativa / Obstetric violence in Brazil and quaternary prevention: an integrative review

Gabriela Losano Pais Barbosa, Isabelly Motta Figueredo da Silva, Denise Mary Costa de Oliveira

Abstract


1 INTRODUÇÃO

O presente trabalho foi desenvolvido para apresentar dados sobre a violência obstétrica (VO) no Brasil e relacioná-la a prática da prevenção quaternária. Nas instituições de saúde muitas mulheres são vítimas de VO durante o parto. Autores a conceituam como um termo que agrupa e descreve várias formas de violência e danos causados pelo profissional de saúde durante a assistência no pré-natal, no parto, no puerpério e em casos de abortamento. Logo, a prevenção quaternária se relaciona a violência obstétrica no sentido de identificação e evitação de riscos a mulher. De acordo com a literatura, o conceito de prevenção quaternária permeia ações em conjunto que se destinam a identificar pessoas que apresentem risco de hipermedicalização e visa ainda, a redução de intervenções desnecessárias ou excessivas, minimizando possíveis iatrogenias.

2 OBJETIVO

Identificar e justificar a adoção da prevenção quaternária diante da violência obstétrica (VO) no Brasil. MÉTODO: Trata-se de uma pesquisa de revisão integrativa da literatura, onde a busca se deu por meio de pesquisas nas bases de dados da SciELO – Scientific Eletronic Library Online, da BVS - Virtual Health Library (VHL– integrated search with LILACS and VHL databases e Google Scholar. RESULTADOS: Evidenciou-se a presença de eventos impiedosos e perversos durante o trabalho de parto, sendo de origem verbal, psicológica e física, bem como a realização de procedimentos obstétricos sem o consentimento da mulher ou explicação clara, e os mais comuns são o uso excessivo de força e negação de algum tipo de alívio para a dor. Outro procedimento realizado sem indicações clínicas baseadas no conhecimento técnico-científico e sem a permissão da gestante é a cesariana; além de ser um método invasivo, pode resultar em mortalidade tanto materna quanto neonatal, prematuridade, internação em UTIs e maior tempo de permanência nos hospitais. Para evitar a VO e possíveis iatrogenias, deve-se proporcionar boas práticas obstétricas a partir da qualidade de atendimento dos profissionais de saúde, buscando outras práticas de acolhimento às parturientes, como adoção do Plano de Parto, recurso iniciado na década de 70, na Europa, e fortemente recomendada pela Organização Mundial da Saúde.

 

3 CONCLUSÃO

A prevenção quaternária mediante a violência obstétrica necessita de suporte governamental como forma de participação social, da participação dos profissionais de saúde, do cuidado humanizado baseado no apoio às gestantes e puérperas, assim como a elaboração e utilização dos planos de parto.

 


Keywords


Violência obstétrica, Prevenção quaternária, Enfermagem.

References


Tesser CD, Knobel R, Andrezzo HFA, Diniz SD. Violência obstétrica e prevenção quaternária: o que é e o que fazer. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2015;10(35):1-12. Disponível em: < https://doi.org/10.5712/rbmfc10(35)1013> Acesso em: 10 de ago. De 2020.

Viellas EF, Domingues RMSM, Dias MAB, Gama SGN, Theme MM Fa, Costa JV, et al. Assistência ao pré-natal no Brasil. Cad Saude Publica. 2014;30(Supl):S85-S100

LEAL, Sarah Yasmin Pinto et al. PERCEPÇÃO DA ENFERMEIRA OBSTETRA ACERCA DA VIOLÊNCIA OBSTÉTRICA. Cogitare Enfermagem, [S.l.], v. 23, n. 1, apr. 2018. ISSN 2176-9133. Disponível em: . Acesso em: 25 ago. 2020. doi:http://dx.doi.org/10.5380/ce.v23i1.52473.

GÓMEZ PÉREZ, Bárbara Angélica; OLIVEIRA, Edilaine Varjão; LAGO, Mariana Santos. PERCEPÇÕES DE PUÉRPERAS VÍTIMAS DE VIOLÊNCIA INSTITUCIONAL DURANTE O TRABALHO DE PARTO E PARTO: REVISÃO INTEGRATIVA. Revista Enfermagem Contemporânea, [S.l.], v. 4, n. 1, ago. 2015. ISSN 2317-3378. Disponível em: . Acesso em: 25 ago. 2020. doi:http://dx.doi.org/10.17267/2317-3378rec.v4i1.472.

VELHO, Manuela Beatriz et al. Vivência do parto normal ou cesáreo: revisão integrativa sobre a percepção de mulheres. Texto contexto - enferm., Florianópolis, v. 21, n. 2, p. 458-466, junho 2012. Disponível em: . Acesso em 25 ago. 2020. https://doi.org/10.1590/S0104-07072012000200026.

RATTNER, Daphne. Humanização na atenção a nascimentos e partos: ponderações sobre políticas públicas. Interface (Botucatu), Botucatu, v. 13, supl. 1, p. 759-768, 2009. Disponível em: . Acesso em: 25 ago. 2020. https://doi.org/10.1590/S1414-32832009000500027.

MENEZES, Fabiana Ramos de et al. O olhar de residentes em Enfermagem Obstétrica para o contexto da violência obstétrica nas instituições. Interface (Botucatu), Botucatu, v. 24, e180664, 2020. Disponível em: . Acesso em: 25 ago. 2020. Epub Sep 23, 2019. https://doi.org/10.1590/interface.180664.

NORMAN, Armando Henrique; TESSER, Charles Dalcanale. Prevenção quaternária na atenção primária à saúde: uma necessidade do Sistema Único de Saúde. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 25, n. 9, p. 2012-2020, Sept. 2009. Disponível em: . Acesso em: 25 ago. 2020. https://doi.org/10.1590/S0102-311X2009000900015.

SOUZA, João Paulo; PILEGGI-CASTRO, Cynthia. Sobre o parto e o nascer: a importância da prevenção quaternária. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 30, supl. 1, p. S11-S13, 2014. Disponível em: . Acesso em: 25 ago. 2020. http://dx.doi.org/10.1590/0102-311XPE02S114.

VILLAR J, CARROLI G, ZAVALETA N, DONNER A, WOJDYLA D, FAUNDES A, et al. Maternal and neonatal individual risks and benefits associated with caesarean delivery: multicentre prospective study. BMJ. 2007;335(7628):1025. Disponível em: Acesso em: 14 de ago. de 2020.

MORLANDO M, SARNO L, NAPOLITANO R, CAPONE A, TESSITORE G, MARUOTTI GM, et al. Placenta accreta: incidence and risk factors in an area with a particularly high rate of cesarean section. Acta Obstet Gynecol Scand. 2013;92(4):457-460. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1111/aogs.12080. Acesso em 25 de ago. de 2020.

VILLAR J, CARROLI G, ZAVALETA N, DONNER A, WOJDYLA D, FAUNDES A, et al. Maternal and neonatal individual risks and benefits associated with caesarean delivery: multicentre prospective study. BMJ. 2007;335(7628):1025. Disponível em: Acesso em: 24 de ago. de 2020.

Pang MW, Leung TN, Lau TK, Hang Chung TK. Impact of first childbirth on changes in women’s preference for mode of delivery: follow-up of a longitudinal observational study. Birth. 2008;35(2):121-128. Disponível em: Acesso em: 18 de ago. de 2020.

Faisal-Cury A, Menezes PR. Fatores associados à preferência por cesariana. Rev Saúde Pública. 2006;4(2):21-26.

Barros Aluísio J D, Santos Iná S, Matijasevich Alicia, Domingues Marlos Rodrigues, Silveira Mariângela, Barros Fernando C et al. Patterns of deliveries in a Brazilian birth cohort: almost universal cesarean sections for the better-off. Rev. Saúde Pública [Internet]. 2011 Aug [cited 2020 Sep 05]; 45(4): 635-643. Available from: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-89102011000400001&lng=en. Epub June 10, 2011. https://doi.org/10.1590/S0034-89102011005000039.

Bowser D, Hill K. Exploring evidence for disrespect and abuse in facility-based childbirth: report of a landscape analysis. Bethesda, Maryland: USAID-TRAction Project; 2010.

Tesser CD, Knobel R, Andrezzo HFA, Diniz SD. Violência obstétrica e prevenção quaternária: o que é e o que fazer. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2015;10(35):1-12. Disponível em: Acesso em: 05 de set. 2020.

Souza João Paulo, Pileggi-Castro Cynthia. Sobre o parto e o nascer: a importância da prevenção quaternária. Cad. Saúde Pública [Internet]. 2014 [cited 2020 Sep 05]; 30(Suppl 1): S11-S13. Available from: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2014001300003&lng=en. https://doi.org/10.1590/0102-311XPE02S114.

Penny Simkin P. Birth plans: after 25 years, women still want to be heard. Birth. 2007;34(1):49-51. Disponível em:

Brasil, Ministério da Saúde. Banco de dados do Sistema Único de Saúde - DATASUS. Informações de Saúde, Sistema de Informações sobre Nascidos Vivos - SINASC. 2020. Disponível em: Acesso em: 02 de ago. de 2020.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n2-089

Refbacks

  • There are currently no refbacks.