O impacto do cuidar na qualidade de vida – percepções dos cuidadores familiares / The impact of caring on quality of life - perceptions of family caregivers

Ana Catarina de Oliveira Santos, Sónia Maria Gomes Alexandre Galinha, Bruno Alexandre Santos Gaspar da Cunha

Abstract


A pesquisa realizada em Portugal na região de Lisboa e Vale do Tejo tendo por base a perceção dos cuidadores familiares (CF) sobre a sua saúde englobou 30 CF de indivíduos adultos com deficiência ou incapacidade intelectual. Como instrumentos de recolha de dados foram utilizados a Ficha de Dados Sociodemográficos e de Prestação de Cuidados, a Escala de Qualidade de Vida WHOQOL-Bref e a Escala de Desgaste do Cuidador. Como resultados, esta pesquisa revela que os domínios do WHOQOL-Bref não se encontram significativamente afetados. Verificou-se também que existe uma associação negativa entre o desgaste objetivo e subjetivo e a QV dos CF. Já a escala de crescimento pessoal relaciona-se de forma negativa com a QV. Como conclusão pode inferir-se que os resultados sublinham uma baixa perceção de QV dos CF, e também a importância de intervenções específicas ao nível da saúde junto desta população, que tenha como objetivo a promoção do seu bem-estar e QV.

 


Keywords


Saúde, WHOQOL, cuidadores familiares, inclusão, educação.

References


Afanador, N., Ortiz, L., & Herrera, B. (2005). Reflexiones sobre el cuidado a partir del programa Cuidando a los Cuidadores. Revista Aquichan, 5 (1), 128-137.

Affleck, G., Tennen, H., & Gershman, K. (1985). Cognitive adaptations to high-risk infants: The search for mastery, meaning, and protection from harm. American Journal of Mental Deficiency, 89 (1), 653–656.

Barrera, L. (2005). Cuidando a los cuidadores. Universidad Nacional de Colombia y Colciencias. Bogotá.

Bowling, A. (1995). Measuring health: A review of quality of life measurement scales. Philadelphia, Open University Press.

Carona, C., Faria-Morais, N. & Canavarro, M. C. (2008). Escalas de Desgastes do Cuidador. Pactor: Lisboa.

Costa, A., Paulin, G., & Cruz, K. (2018). Cuidar, cotidiano e ocupações: um olhar da terapia ocupacional sobre cuidadores familiares de idosos. RevisbraTO, 2 (1), 15-31.

Crowe T. & Vanleit B. (2002). Outcomes of Occupational Therapy program for mothers of children with disabilities: Impact on satisfaction with time use and occupational performance. The American Journal of Occupational Therapy, 56 (4), 402-410.

Eker, L. & Tüzün, E. H. (2004). An evaluation of quality of life of mothers of children with cerebral palsy. Disability and Rehabilitation, 26 (23), 1354-1359.

Ferreira, C. (2009). O adulto com deficiência mental e a sua família: a questão do envelhecimento. Universidade do Porto. Disponível em: https://bdigital.ufp.pt/bitstream/10284/1343/2/PG_16496.pdf.

Galustyan, A. M. (2019). A Literacia em Saúde Mental e o Bem-Estar do Cuidador Informal de Pessoas com Doença Mental. Dissertação apresentada ao Instituto Politécnico do Porto para a obtenção do grau de Mestre em Gestão das Organizações, Ramo de Unidades de Saúde. Porto, 31 de outubro de 2019.

Gerardo, F. (2008). As Necessidades dos Cuidadores Informais. Estudo área do envelhecimento. SCML. Lisboa.

Marin, R., Pastor, M. & Roig, S. (1993). Afrontamiento, apoyo social, calidade de vida y enfermidad. Psicothema, 5 (3), 349-377.

Mobarak, R., Khan, N., Munir, S., Zaman, S. Y, & McConachie, H. (2000). Predictors of stress en mothers of children with cerebral palsy in Bangladesh. Journal of Pediatric Psychology, 25 (6), 427-433.

Molina, G. & Agudelo, F. (2006). Calidad de vida de los cuidadores familiares: Life Quality among Family Carers. Aquichán, 6 (1), 38-53.

Monteiro, M. (2002). Adaptação psicológica de mães cujos filhos apresentam Paralisia Cerebral: aspectos da deficiência, do coping e apoio social. Psicologia Clínica, VII, 23-63.

Monteiro, M., Matos, A. & Coelho, R. (2004). Adaptação psicológica de mães cujos filhos apresentam paralisia cerebral – resultados de um estudo. Revista Portuguesa de Psicossomática, 6 (1), 115-130.

Montgomery, R. J. V., Borgatta, E. F., & Borgatta, M. L. (2000). Societal and family change in the burden of care. In W. T. Liu & H. Kendig (Eds.), Who Should Care for the Elderly? An East-West Divide. Singapore: The National University of Singapore Press.

Oliveira, M., Queirós, C., & Guerra, M. (2007). O Conceito de Cuidador Analisado numa Perspectiva Autopoiética: do Caos à Autopoiése. Psicologia, Saúde & Doenças, 8(2), 181–196.

Patterson, T. L. (1998). Health and human behavior. New York: Ed. McGraw-Hill.

Ras, V., Bascuñana, B., Ferrando, L., Martínez, R., Puig, P. & Campo, E., (2006). Repercusiones en el cuidador de los enfermos crónicos domiciliarios. Aten Primaria 38, 77-83.

Reis, P., (2007). Qualidade de Vida de indivíduos adultos com doença crónica. Revista Re(habilitar), 2 (1), 37-61.

Relvas, A. P. (1995). Por detrás do espelho. Da psicologia à terapia com a família. Coimbra: Quarteto Editora.

Ribeiro, J. C. (1994). A importância da qualidade de vida para a psicologia da saúde. Análise Psicológica, 12 (2 e 3), 179-191.

Santos, A. C. (2008). Versão Experimental do Questionário de dados sociodemográficos. Lisboa.

Sousa, L., Figueiredo, D. & Cerqueira, M. (2004). Envelhecer em Família: os cuidados familiares na velhice. Porto: Editora Ambar.

Toledano-Toledano, F., Luna, D., Rubia, J., Valverde, S., Morón, C., García, M., Pauca, M.J. (2021), Psychosocial Factors Predicting Resilience in Family Caregivers of Children with Cancer: A Cross-Sectional Study. International Journal of Environmental Research and Public Health, 18, 1-13.

Tuna, H., Unalan, H., Tuna, F, Kokino, S. (2004), Quality of life of primary caregivers of children with cerebral palsy. Developmental Medicine and Child Neurology , 46 (9), 646-648.

Vaz-Serra, A., Canavarro, M. C., Simões, M. R., Carona, C., Gameiro, S., Pereira, M., Quartilho, M. J. & Paredes, T. (2006). Estudos psicométricos da vida da Organização Mundial de Saúde (WHOQOL-Bref) para Português de Portugal. Psiquiatria Clínica, 27 (2), 41-49.

Velásquez, V., López, L., López, H., Cataño, N., & Muñoz, E. (2011). Efecto de un programa educativo para cuidadores de personas ancianas: una perspectiva cultural. Revista Salud Pública, 13 (3), 468-569.

World Health Organization (1948). Constitution in basic documents. International Journal of Health, 36 (1), 5-8.

WHOQOL Group (1994). Development of the WHOQOL: Rationale and current status. International Journal of Mental Health, 23 (3), 24-56.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n2-084

Refbacks

  • There are currently no refbacks.