Violência obstétrica: características e formas vivenciadas por parturientes durante o trabalho de parto até o parto / Obstetric violence: characteristics and forms experienced by women in labor through childbirth

Julia Adriane Machado Vilaça, Stephanie de Freitas Panzera Morais, Raquel Randow, Mirela Castro Santos Camargos

Abstract


Objetivo: identificar as formas de violências obstétricas vivenciadas por mulheres durante o trabalho de parto até o parto em hospitais/maternidades brasileiras. Metodologia: revisão narrativa de literatura realizada na Biblioteca Virtual em Saúde (BVS) utilizando os descritores: “violência obstétrica” e “parturiente” na primeira busca e “violência obstétrica”, “maternidade” e “mulheres” na segunda busca, além da inclusão das referências das referências. Foram utilizados 24 estudos na pesquisa. Resultados: as formas de violência obstétricas relatadas nos estudos selecionados na metodologia foram agrupadas em 9 categorias, são elas: a peregrinação e a negação do atendimento, procedimentos médicos e de enfermagem desnecessários, falta de liberdade de posição e movimentação, imposição da cesárea, ausência de acompanhante, negação de algum alívio para dor, julgamento moral das escolhas das mulheres, abusos físicos e verbais por profissionais e o desconhecimento pelas parturientes para identificar tal violência. Conclusão: atualmente, a assistência obstétrica ofertada e apropriada durante o processo parturitivo é vista como um desafio a ser alcançado, dado que contraria os direitos das mulheres a um padrão de saúde digno e respeitoso, sendo comum as práticas de violência obstétrica no cotidiano de um elevado número de parturientes.


Keywords


Gestantes. Parto Humanizado. Violência Contra a Mulher

References


ARRUDA, R. S. et al. Obstetric violence in Brazil: an integrative review. Braz. J. of Develop., Curitiba, v. 6, n. 7, p. 44712-44723, jul. 2020.

BISCEGLI, T. S. et al. Violência obstétrica: perfil assistencial de uma maternidade escola do interior do estado de São Paulo. Rev Cuid, v. 9, n. 1, p. 18-25, jan. 2015.

BRASIL. Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Portaria no 1.459, de 24 de junho de 2011. Instituiu, no âmbito do Sistema Único de Saúde – SUS – a Rede Cegonha. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 27 jun. 2011. Seção 1, p. 109-111.

CAMPOS, E. S.; PAIM, J. T. A.; CARVALHO, J. D.; HIRANO, M. D. O. F.; LUCAS, W. J. Formas de violência obstétrica vivenciadas por puérperas e a atenção humanizada dos profissionais de enfermagem durante o trabalho de parto. Rev. Saberes, v. 12, n. 1, 2020.

CARVALHO, I. S.; BRITO, R. S. Formas de violência obstétrica vivenciadas por puérperas que tiveram parto normal. Enferm Glob, v. 16, n. 47, p. 71-97, 2017.

DINIZ, S. G. et al. Violência Obstétrica como questão para saúde pública no Brasil: origens, definições, tipologia, impactos sobre a saúde materna, e propostas para sua prevenção. Rev Bras Crescimento Desenvolv Hum, v. 35, n. 3, p. 377-376, 2015.

FERNANDES, IB, São Bento PAS, Xavier RB. Experiências de mulheres no gestar e parir fetos anencéfalos: as múltiplas faces da violência obstétrica. Interface Comun Saúde Educ, v. 23, p. e170757, ago. 2019.

GALLO, R. B. S. et al. Recursos não farmacológicos no trabalho de parto: protocolo assistencial. Femina, v. 39, n. 1, p. 41-8, jan. 2011.

INAGAKI, A. D. M. et al. Fatores associados à humanização da assistência em uma maternidade pública. Rev Enferm UFPE On line, v. 12, n. 7, p. 1879-86, jul. 2018.

LEAL, M. C. et al. Intervenções obstétricas durante o trabalho de parto e parto em mulheres brasileiras de risco habitual. Cad Saúde Pública, v. 30, n. sup., p. 17-47, 2014.

MAFETONI, R. F.; SHIMO, A. K. K. Métodos não farmacológicos para alívio da dor no trabalho de parto: revisão integrativa. REME Rev Min Enferm, v. 18, n. 2, p. 505-512, 2014.

NIY, D. Y. Desafios para implementação de uma assistência “amiga da mulher”: a presença de acompanhantes e a mobilidade no parto em uma maternidade do SUS em São Paulo. 2018. Tese (Doutorado em Ciências, Programa de Saúde Pública) - Faculdade de Saúde Pública, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2018.

NIY, D. Y.; OLIVEIRA, V. C.; OLIVEIRA, L. R.; ALONSO, B. D.; DINIZ, C. S. G. Como superar a cultura da imobilização física das parturientes? Resultados parciais de estudo de intervenção em São Paulo, SP, Brasil. Interface Comun Saúde Educ, v. 23, p. e180074, 2019.

OLIVEIRA, M. S. S. et al. Vivências de violência obstétrica experimentadas por parturientes. Arq Bras Ciênc Saúde, v. 44, n. 2, p. 114-119, 2019.

OLIVEIRA, V. J. O sensível e o insensível na sala de parto: interdiscursos de profissionais de saúde e mulheres. 2016. Tese (Doutorado em Enfermagem) – Escola de Enfermagem, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2016.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Prevenção e eliminação de abusos, desrespeito e maus-tratos durante o parto em instituições de saúde. Genebra, Suiça, 2014.

PEDROSO, C. N. L. S.; LÓPEZ, L. C. À margem da humanização? Experiências de parto de usuárias de uma maternidade pública de Porto Alegre-RS. Rev Saúde Colet UEFS (Online), v. 27, n. 4, p. 1163-1184, 2017.

POSSATI, A. B. et al. Humanização do parto: significados e percepções de enfermeiras. Esc Anna Nery, v. 21, n. 4, 2017.

RODRIGUES, D. P. Violência obstétrica no processo do parto e nascimento da região metropolitana II do Estado do Rio de Janeiro: percepção de mulheres/puérperas. 2014. Dissertação (Mestrado em Ciências do Cuidado em Saúde) – Escola de Enfermagem Aurora de Afonso Costa, Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2014.

RODRIGUES, D. P. et al. A peregrinação no período reprodutivo: uma violência no campo obstétrico. Esc Anna Nery, v. 19, n. 4, p. 614-620, out. 2015.

RODRIGUES, F. A. C. et al. Violência obstétrica no processo de parturição em maternidades vinculadas à Rede Cegonha. Bol Soc Bras Reprod Humana, v. 32, n. 2, p. 78-84, mai. 2017.

SÁ, A. M. P. et al. O direito ao acesso e acompanhamento ao parto e nascimento: ótica das mulheres. Rev Enferm UFPE On line, v. 11, n. 7, p. 2683-90, jul. 2017.

SALGADO, H. O. A experiência da cesárea indesejada: perspectivas das mulheres sobre decisões e suas implicações no parto e nascimento. 2012. Dissertação (Mestrado em Ciências) - Faculdade de Saúde Pública, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012.

SILVA, M. C. et al. Parto e nascimento na região rural: a violência obstétrica. Rev Enferm UFPE On line, v. 12, n. 9, p. 2407-17, set. 2018.

SOUZA, A. B.; SILVA, L. C.; ALVES, R. N.; ALARCÃO, A. C. J. Fatores associados à ocorrência de violência obstétrica institucional: uma revisão integrativa da literatura. Rev ciênc méd (Campinas), v. 25, n. 3, p. 15-128, set. 2016

VARGENS, O. M. C.; NUNES, S.; SILVA, C. M.; PROGIANTI, J. M. Procedimentos invasivos no cuidado à parturiente sob a perspectiva de gênero. Rev Enferm UERJ, v. 24, n. 6, p. e15066, 2016.

VIEIRA, T. F. S.; LIMA, M. A. C.; COSTA, T. A.; TEIXEIRA, L. A. M.; MUNIZ, M. B. Conhecimento das mulheres sobre violência obstétrica: Uma revisão sistemática. Braz. J. Hea. Rev., Curitiba, v. 3, n. 4, p. 9912-9925, jul./aug. 2020.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n2-074

Refbacks

  • There are currently no refbacks.