Maternidade precoce: variáveis sociodemográficas e aspectos reprodutivos de adolescentes gestantes / Early maternity: sociodemographic variables and reproductive aspects of gestant adolescents

Andressa de Souza Abi-Rachid Moraes, Yago Correa Peres, Bianca Barros Branco, Enzo Sá Pantoja da Silva, Adriane Ribeiro Costa, Maria Clara Souza Fernandes, Júlia Medeiros Santana, Yana de Medeiros Souza Lima, Murilo Brandão Pimenta, José Antonio Cordero da Silva

Abstract


OBJETIVO: Caracterizar o perfil sociodemográfico e reprodutivo das gestantes adolescentes, de 10 aos 19 anos de idade, atendidas pelo Sistema Único de Saúde (SUS) em Belém- PA. MÉTODO: A pesquisa é de caráter observacional, descritivo e transversal. Os dados foram obtidos na base de dados secundária DATASUS. RESULTADOS: Das adolescentes gestantes comutados pela base de dados, a maioria possuíam entre 15 e 19 anos (95,3%), eram solteiras (50,7%), frequentaram a escola por 8 a 11 anos (55,6%), realizaram o pré natal (95,6%) e 81% tiveram de 37 a 41 semanas de gestação (81%). CONCLUSÃO: Foi concluído que, apesar de toda a problemática que norteia a gravidez precoce, a grande maioria teve a duração adequada da gestação e o acesso a um número ótimo de consultas no período pré-natal. No entanto, observa-se ainda que a gravidez na adolescência ainda está relacionada com a falta de planejamento familiar, baixo grau de instrução e abandono escolar.

 


Keywords


Gravidez, adolescência, planejamento familiar

References


Silva JLP, Surita FGC. Gravidez na adolescência: situação atual. Revista brasileira de ginecologia e obstetrícia. 2012; 34(8)

Fundo Populacional das Nações Unidas. Motherhood in childhood facing the challenge of adolescent pregnancy. UNFPA the state of world population 2013. 2013.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo demográfico. 2010.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa Nacional de Saúde. 2013.

Camacho KG, Vargens OMC, Progianti JM, Spíndola T. Vivenciando repercussões e transformações de uma gestação: perspectivas de gestantes. Ciencia y enfermería. 2010; 16(2).

Monteiro NRM, Silva BLA. Problemas internalizantes e externalizantes em adolescentes grávidas. Psicol argum. 2015; 33(81)

Charles JM, Malone JR, Aslam R, Hendry M, Pasterfield D, Whitaker R. Reducing repeat pregnencies in adolescence: applying realist principles as part of a mixed-methods systematic review to explore what work, for whom, how and under what circunstances. BMC Pregnancy Childbirth. 2016

Rede nacional primeira infância, Instituto da Infância. Primeira infância e gravidez na adolescência. 2013.

Pontes LC, Sousa WS, Oliveira DC, Pedreira IQ, Costa SM. As implicações da gravidez na adolescência: uma revisão bibliográfica. Revista interdisciplinar NOVAFAPI. 2012; 5(1).

Bonnilla S, Oscar A. Depressión y factores asociados en adolescentes embarazadas. Saludi ciência. 2015; 21(6)

Lara LAS, Habdo CHN. Age at time of initial sexual intercourse and health of adolescent girls. J Pediatr Adolesc Gynecol. 2016; 29(5)

Costa GPO, Guerra AQS, Araujo ACPF. Conhecimentos, atitudes e práticas sobre contracepção para adolescentes. Revista pesquisa cuidado fundamento. 2016; 8(1)

Cury AF, Tabb KM, Nicionuvas G, Cunninghan C, Menezes PR, Haung H. Lower educations among low-income brazilian adolescente females is associated with planned pragnencies. Int J Womans Health. 2017

Menconza MML, Laureano JE, Gil HE, Villalobos RCO, Ayala JB, Moralez RB. Condiciones socioculturales y experiencia del embarazo em adolescentes. Rev Colomb Obstet Ginecol. 2015; 66(4)

Secretaria de Educação Fundamental. Orientação sexual. Portal do ministério da educação. 2014.

Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de ações programáticas Estratégicas. Pré-natal e puerpério atenção qualificada e humanizada. Manual técnico. 2005.

Araújo SM, Silva MED, Moraes RC, Alves DS. A importância do pré-natal e a assistência de enfermagem. Veredas FAVIP- Revista eletrônica de ciências. 2010; 3(2).

Luz NF, Assis TR, Rezende FR. Puerperas adolescentes: percepções relacionadas ao pré-natal e ao parto. ABCS Health sci. 2015; 40(2)

Tascon LAM, Guatibonza MDA, Ospina CBP, Tascon LIM, Penagos SM, Bahena AMB. Influencia de la adolescencia y su entorno em la adherencia al control prenatal y impacto sobre la prematuridad, bajo peso el nacer y mortalidad neonatal. Rev Chil Obstet Ginecol. 2015; 80(4).

Spindola T, Silva LFF. Perfil epidemiológico de adolescentes atendidas pelo pré-natal em um hospital universitário. Esc Anna Nery Rev Enfermagem. 2009; 13(1).

Dias AB, Aquino AML. Maternidade e paternidade na adolescência: algumas constatações em três cidades do Brasil. Cad Saúde Pública. 2006; 22(7).

Goldenberg P, Figueiredo MC, Silva RS. Gravidez na adolescência, pré-natal e resultados perinatais em Montes Claros, Minas Gerais, Brasil. Cad Saúde Pública. 2005; 21(4).

Costa MCO, Formigli VLA. Avaliação da qualidade de serviço de saúde para adolescentes. Rev Saúde Pública. 2001; 35(2).

Ministério da Saúde, Secretaría de Atenção à Saúde, Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Gestação de Alto Risco. Manual Técnico. 2010

Ministério da Saúde. Atenção ao pré-natal de baixo risco. Ministério da Saúde. 2012.

Santos CAC, Nogueira KT. Gravidez na adolescência: falta de informação. Adolescência saúde. 2009; 6(1).

Berlofi LM, Alkimin ELC, Barbieril M, Guazzelli CAF, Araújo FF. Prevenção da reincidência de gravidez em adolescentes: efeitos de um Programa de Planejamento Familiar. Acta enfermagem. 2011; 19(2).

Costa COM, Santos CAST, Nascimento SC, Moura MSQ, Souza KEP, Assis DR. Gravidez na adolescência: associação de variáveis sociodemográficas e biomédicas materna com resultado neonatal. Revista Baiana de Saúde Pública. 2005; 29(2).

Dadoorian D. Um novo olhar sobre a gravidez na adolescência. Rocco. 2000.

Nader PRA, Cosme LA. Parto prematuro de adolescentes: influência de fatores sociodemográficos e reprodutivos. Esc Anna Nery Rev Enfermagem. 2010; 14(2).

Velasco VIP. Estudo epidemiológico das gestantes adolescentes de Niterói. Escola Nacional de Saúde Pública Fundação Oswaldo Cruz. 1998.

Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo. Manual da Neonatologia. Secretaria de Estado da Saúde. 2015.

Belo MAV, Silva JLP. Conhecimento, atitude e prática sobre métodos anticoncepcionais entre adolescentes gestantes. Rev Saúde Pública. 2004; 38(4).

Godinho RA, Schelp JRB, Parada CMGL, Bertoncello NMF. Adolescentes e grávidas: onde buscam apoio. Rev Latino-américa Enfermagem. 2000; 8(2)

Carvalho AYC, Ximenes LB, Fontenele FC, Dodt RCM. Perfil sociodemográfico e reprodutivo de adolescentes grávidas acompanhadas na unidade básica de saúde do município de Canindé. Rev Rene. 2009; 10(1).

Moura ERF, Souza CBJ, Evangelista DR. Saúde sexual e reprodutiva de adolescentes de escolas públicas e privadas de Fortaleza-CE, Brasil. Rev Min Enfermagem. 2009; 13(2).

Bruno ZV, Feitosa FEL, Silveira KP, Morais IQ, Bezerra MF. Reincidência de gravidez em adolescentes. Rev Brasileira Ginecologia Obstetrícia. 2009; 31(10).

Ministério da Saúde. Programas e Projetos Saúde da família. Ministério da Saúde. 1998

Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Ações programáticas Estratégicas. Marco teórico e referencial: saúde sexual e saúde reprodutiva de adolescentes e jovens. Ministério da Saúde. 2006.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n2-059

Refbacks

  • There are currently no refbacks.