Prognóstico de Eritroblastose Fetal em Crianças Prematuras / Prognosis of Fetal Erythroblastosis in Premature Children

Mateus Camargos Silva Alves Simão, Júlia Fraga Castro e Oliveira, Lívia Duarte Souza, Luadja Kelly de Almeida Oliveira, Ludmila Limpias Terrazas Binkowski, Marcella Eduarda de Aguiar Tavares, Maria Fernanda Souza de Castro, Mariane de Oliveira Diogo Scussel, Pedro Henrique Rodrigues Pascoal, Rafael Oliveira Halfeld

Abstract


INTRODUÇÃO: A doença hemolítica do feto e do recém-nascido (HDFN), também conhecida como HDFN aloimune ou eritroblastose fetal, é causada pela destruição dos glóbulos vermelhos do recém-nascido ou do feto pelos anticorpos maternos imunoglobulina G, que ocasiona hiperbilirrubinemia. O presente trabalho tem como objetivo apresentar uma revisão narrativa literária sobre o prognóstico da eritroblastose fetal em crianças prematuras. METODOLOGIA: Trata-se de uma revisão narrativa literária que utilizou as bases de dados SCIELO, LILACS, MEDLINE e PubMed. Como critérios de inclusão, selecionou-se artigos nos idiomas inglês, português e espanhol que estivessem disponíveis na íntegra. RESULTADOS:  Foram selecionados 28 artigos para análise. Verificou-se que a causa da doença é a incompatibilidade de grupos sanguíneos entre mãe e feto, sendo que na maioria dos casos há envolvimento dos antígenos dos grupos Rh e ABO. DISCUSSÃO: Com o excesso dos níveis da bilirrubina em neonatos prematuros podem apresentar reações adversas tendo em vista a neurotoxicidade e tratamentos excessivos com fototerapia e exsanguíneo-transfusão. CONCLUSÃO: Pode-se concluir que a HDFN é uma doença hemolítica grave, que pode ocasionar morte do bebe durante a gravidez ou no parto, ou mesmo manifestações neurotóxicas, necessitando de rápido diagnóstico e tratamento.

 

 


Keywords


Eritroblastose fetal; Anemia hemolítica; Recém-nascido prematuro .

References


AMIN, S. B. Bilirubin Binding Capacity in the Preterm Neonate. Clin. Perinatol., [s. l.], v. 43, ed. 2, p. 241-257, 1 jun. 2017. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4884605/#:~:text=Bilirubin%2DAlbumin%20Binding%20Capacity%20(BBC)%20and%20Affinity&text=The%20fraction%20of%20UB%20increases,the%20apparent%20binding%20affinity%20decreases. Acesso em: 20 jan. 2021.

BAIOCHI, E.; CAMANO, L.; BORDIN, J. O. Avaliação da hemorragia feto-materna em puérperas com indicação para ministração de imunoglobulina anti-D. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro , v. 21, n. 5, p. 1357-1365, Out. 2005 . Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2005000500007&lng=en&nrm=iso. Acesso em 23 Jan. 2021.

BHUTANI, V. K. et al. Hyperbilirubinemia in Preterm Neonates. Clin. Perinatol., Philadelphia, v. 43, ed. 2, p. 215-232, Jun 2016. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/27235203/. Acesso em: 20 jan. 2021.

BRAUN , C. A.; ANDERSON, C. M. Fisiopatologia: Alterações Funcionais na Saúde Humana. 1. ed. Porto Alegre: Artmed, 2009. 544 p. ISBN 9788536319728.

CABRAL, A. C. V et al. Estudo das causas da isoimunização materna por antígenos eritrocitáros entre gestantes acompanhadas no Serviço de Medicina Fetal do HC-UFMG. Rev. méd. Minas Gerais , Belo Horizonte, v. 15, ed. 1, p. 10-12, Jan- Mar 2005. Disponível em: http://rmmg.org/artigo/detalhes/1449. Acesso em: 20 jan. 2021.

CIANCIARULLO, M. A. et al. Prevalência de marcadores imuno-hematológicos em recém-nascidos ao nascimento e em suas respectivas mães e incidência de doença hemolítica numa maternidade de São Paulo. Rev. Assoc. Med. Bras., São Paulo, v. 49, ed. 1, p. 45-53, Jan 2003. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-42302003000100033&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 18 jan. 2021.

CRUZ, R. O. et al. Prevalence of erythrocyte alloimmunization in polytransfused patients. Einstein (São Paulo), São Paulo, v. 9, ed. 2, p. 173-178, Jun 2011. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1679-45082011000200173&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 20 jan. 2021.

GOBALAKICHENANE, P. et al. Prise en charge périnatale et devenir neurologique à moyen terme des nouveau-nés hospitalisés pour maladie hémolytique par immunisation anti-D. Gynécologie Obstétrique & Fertilité, [s. l.], v. 36, ed. 10, p. 984-990, Out 2008. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/S1297958908003664. Acesso em: 18 jan. 2021.

LOPEZ DE ROUX, M. R.; ROSALES, L. C. Enfermedad hemolítica perinatal. Rev Cubana Hematología, Inmunología Hemoterapia, Ciudad de la Habana, v. 16, ed. 3, p. 161-183, Dez 2000. Disponível em: http://scielo.sld.cu/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0864-02892000000300002&lng=es&nrm=iso. Acesso em: 20 jan. 2021.

MALONO, J et al. Doença Hemolítica do Recém Nascido. In: CONSENSOS Nacionais em Neonatologia. Coimbra: Sociedade Portuguesa de Pediatria, 2004. p. 139-142. Disponível em: https://www.spp.pt/UserFiles/File/Consensos_Nacionais_Neonatologia_2004/Doenca_Hemolitica_RecemNascido.pdf. Acesso em: 30 jan. 2021.

MARTINS P. R. J. et al . Frequência de anticorpos irregulares em politransfundidos no Hemocentro Regional de Uberaba-MG, de 1997 a 2005. Rev. Bras. Hematol. Hemoter. São José do Rio Preto , v. 30, n. 4, p. 272-276, Ago. 2008 . Disponível em: . Acesso em 30 Jan. 2021

MOLEIRO, A.; PEREIRA, A.; SILVA, A. et al. Consensos Nacionais em Neonatologia. Secção de Neonatologia. Sociedade Portuguesa de Pediatria: Coimbra, p. 139-142, 2004.

MUCHOWSKI, K. E. Evaluation and treatment of neonatal hyperbilirubinemia. American family physician, v. 89, n. 11, p. 873-878, 1 jun. 2014. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/25077393/. Acesso em: 28 jan. 2021

NARDOZZA, L. M. M. et al. Alterações ultrassonográficas na gravidez Rh negativo sensibilizada avaliada pela espectrofometria do líquido amniótico e pela dopplesvelectomia da artéria cerebral média. Radiol. Bras., São Paulo, v. 39, ed. 1, p. 11-13, Fev 2006. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-39842006000100004&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 23 jan. 2021.

NASSAR, G. N.; WEHBE, C. Erythroblastosis Fetalis. In: STATPEARLS: Content is King [Internet]. Treasure Island: StatPearls Publishing, Jan 2020. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK513292/. Acesso em: 18 jan. 2021.

NISHIE, E. N. Predição da hemólise fetal em gestantes aloimunizadas. Orientador: Prof. Dr. Adolfo Wenjaw Liao. 2011. 125 p. Tese (Doutorado em Ciências) - Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2011.

PASTORE, A. R. Dopplervectocimetria da artéria cerebral média fetal: o divisor de águas no diagnóstico da anemia fetal. Radiol. Bras., São Paulo, v. 39, ed. 1, p. III, Fev 2006. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-39842006000100001&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 20 jan. 2021.

PEGORARO, V. et al. Hemolytic disease of the fetus and newborn due to Rh(D) incompatibility: A preventable disease that still produces significant morbidity and mortality in children. PLoS One, San Francisco, v. 15, ed. 7, 20 jul. 2020. DOI 10.1371/journal.pone.0235807. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC7371205/. Acesso em: 20 jan. 2021.

SÁ, C. A. M et al. Eventos adversos associados à exsanguíneotransfusão na doença hemolítica perinatal: experiência de dez anos. Rev. paul. pediatr., São Paulo, v. 27, ed. 2, p. 168-172, Jun 2009. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-05822009000200008&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 20 jan. 2021.

SABINO, J. S. Determinação da incidência de Rh D fraco e Rh D parcial na população da área de abrangência do hemocentro de Botucatu. Orientador: Valéria Nogueira Dias Paes Secco. 2008. 68 p. Dissertação (Mestrado em Pesquisa e Desenvolvimento: Biotecnologia Médica) - Faculdade de Medicina, Universidade Estadual Paulista “Julio de Mesquita Filho”, Botucatu, 2008

SAINIO, S. Diagnosis and treatment of severe hemolytic disease of the fetus and newborn: a 10-year nationwide retrospective study. Acta obstetricia et gynecologica Scandinavica, Chichester, v. 94, ed. 4, p. 383-390, 17 jul. 2014. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/25603954/. Acesso em: 20 jan. 2021.

SANTANA, D.Doença hemolítica do recém nascido (eritroblastose fetal) . Anais da Academia de Ciência e Tecnologia de São José do Rio Preto, São José do Rio Preto, v. 1, ed. 1, 30 jun 2007. Disponível em: http://www.ciencianews.com.br/arquivos/ACET/IMAGENS/biblioteca-digital/imunohematologia/16-Doenca-hemolitica-do-recem-nascido.pdf. Acesso em: 20 jan. 2021.

SARWAR, A.; SRIDHAR, D. C. Rh-Hemolytic Disease. In: STATPEARLS: Content is King [Internet]. Treasure Island: StatPearls Publishing, Jan 2020. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK560488/. Acesso em: 18 jan. 2021.

SEIDL, V. Doença hemolítica perinatal: fatores de risco e abordagem terapêutica. Orientador: Dr.a Maria Elisabeth Lopes Moreira. 2013. 62 p. Tese (Doutorado em Ciências) - Instituto Nacional de Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente Fernandes Figueira, Rio de Janeiro, 2013.

TAIRELLI, C. A. et al. Eritroblastose fetal: uma atualização da literatura. Anais - II Congresso de Pesquisa e Extensão da FSG, Caxias do Sul, v. 2, ed. 2, p. 752-754, 24 maio 2014. Disponível em: http://ojs.fsg.br/index.php/pesquisaextensao/article/view/752-754. Acesso em: 20 jan. 2021.

UWINGABIYE, J. et al. Severe hemolytic disease of the premature newborn due to RH1 incompatibility: a case report. Clujul Med., Cluj-Napoca, v. 89, ed. 4, p. 565-568, 20 out. 2016. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC5111500/. Acesso em: 18 jan. 2021.

VITORELLO, D. A. et al. Transfusão intra-uterina em fetos afetados pela doença hemolítica perinatal grave: um estudo descritivo. Rev. Bras. Ginecol. Obstet., Rio de Janeiro, v. 20, ed. 3, p. 137-144, Abr 1998. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-72031998000300003&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 18 jan. 2021.

VOGEL, J. P. et al. The global epidemiology of preterm birth. Best Pract Res Clin Obstet Gynaecol., [s. l.], v. 52, p. 3-12, Out 2018. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/29779863/. Acesso em: 18 jan. 2021.

YOGEV-LIFSHITZ, M. et al. Indication of Mild Hemolytic Reaction Among Preterm Infants With ABO Incompatibility. Pediatr Blood Cancer, [s. l.] v. 63, ed. 6, p. 1050-1053, Jun 2016. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/26841084/. Acesso em: 20 jan. 2021.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n2-049

Refbacks

  • There are currently no refbacks.