Arritmias: Classificação e manejo em crianças / Arrhythmias: Classification and management in children

Vitor Augusto Lima do Vale, Lucas Magalhães Claros Sossi, Fernando Alves Colbert Camara, Fernanda Caetano Solano Oliveira, Gabriela Soares Borges, Henrique Ulisses Duarte de Castro, Hugo Henrique de Menezes Vieira, Igor Antônio Galvão Vieira, Halyson Pinheiro Pontes

Abstract


INTRODUÇÃO: Os distúrbios do ritmo cardíaco geralmente ocorrem por alterações no sistema de condução elétrico cardíaco, acometimento por cardiopatias congênitas ou lesões cirúrgicas do sistema condutor. Tais eventos variam de bradiarritmias a taquiarritmias e podem gerar comprometimentos importantes ao paciente pediátrico. METODOLOGIA: O presente estudo trata-se de uma revisão narrativa sobre a classificação e o manejo de arritmias nas crianças. Em janeiro de 2021, foram selecionados 13 artigos dos seguintes bancos de dados: PubMed, Scielo e Google Scholar. Os descritores utilizados foram: arritmia cardíaca, crianças, tratamento e diagnóstico. RESULTADO: Os artigos selecionados foram listados de acordo com ano de publicação e metodologia. DISCUSSÃO: O primeiro passo para o controle da arritmia é fazer o diagnóstico. Uma vez este obtido, a abordagem dependerá de muitos fatores, incluindo a probabilidade de recorrência, o efeito hemodinâmico e o impacto da arritmia na criança. A avaliação e estratificação não invasiva deve ser dividida entre aqueles pacientes sem cardiopatia e com cardiopatia congênita e as condutas precisam estar pautadas nessas condições. CONCLUSÃO: Medicamentos como amiodarona, digoxina, bloqueadores de canais de cálcio bem como manobras vagais e cardioversão elétrica devem ser utilizados depois do reconhecimento do tipo de arritmia para a diminuição da morbimortalidade infantil por esse distúrbio.


Keywords


Arritmias cardíacas, crianças, tratamento, diagnóstico.

References


ANDALAFT, R. B. Utilização dos métodos não invasivos em diagnósticos das arritmias na infância. Journal of Cardiac Arrhythmias, v. 25, n. 1, p. 20-31, 2012.

BRUGADA J., et al. European Heart Rhythm Association; Association for European Paediatric and Congenital Cardiology. Pharmacological and non-pharmacological therapy for arrhythmias in the pediatric population: EHRA and AEPC-Arrhythmia Working Group joint consensus statement. Europace, v. 15, n. 9, p. 1337-1382, 2013.

CASALE M., et al. Therapy Of Cardiac Arrhythmias In Children: An Emerging Role Of Electroanatomical Mapping Systems. Current Vascular Pharmacology. v. 16 n. 6, p. 528-533. 2018

CLAUSEN, Henning et al. Paediatric arrhythmias in the emergency department. Emergency medicine journal, v. 29, n. 9, p. 732-737, 2012.

DÍAZ-PARRA, Sandra et al. Use of adenosine in the treatment of supraventricular tachycardia in a pediatric emergency department. Pediatric emergency care, v. 30, n. 6, p. 388-393, 2014.

DONIGER, S. J.; SHARIEFF, G. Q. Pediatric dysrhythmias. Pediatric clinics of North America, v. 53, n. 1, p. 85-105, 2006.

DRAGO, F.; BATTIPAGLIA, I.; MAMBRO, C. D. Neonatal and Pediatric Arrhythmias: Clinical and Electrocardiographic Aspects. Cardiac Electrophysiology Clinics. v. 10, n. 2. p. 397-412, 2018.

ESCUDERO, Carolina; CARR, Roxane; SANATANI, Shubhayan. The medical management of pediatric arrhythmias. Current treatment options in cardiovascular medicine, v. 14, n. 5, p. 455-472, 2012.

FU, D. Cardiac Arrhythmias: Diagnosis, Symptoms, and Treatments. Cell Biochemistry and Biophysics, v. 73, n. 2, p. 291–296, 2015.

IDORN L., et al. Arrhythmia and exercise intolerance in Fontan patients: current status and future burden. International Journal of Cardiology, v. 168, n. 2, p. 1458-65, 2013.

LEWIS, Jonathan et al. Acute management of refractory and unstable pediatric supraventricular tachycardia. The Journal of pediatrics, v. 181, p. 177-182. e2, 2017.

MAGALHÃES, L. P., et al. Diretriz de Arritmias Cardíacas em Crianças e Cardiopatias Congênitas SOBRAC e DCC – CP. Arquivos Brasileiros de Cardiologia, v. 107, n. 3, p. 1-58, 2016.

MATSUNO, A. K. Arritmias na criança. Medicina (Ribeirão Preto), v. 45, n. 2, p. 214-22, 2012.

NIWA K., et al. Prevalence of arrhythmias and conduction disturbances in large population-based samples of children. Cardiology in the Young, v. 14, n. 1, p. 68-74, 2004.

ROHIT, Manojkumar; KASINADHUNI, Ganesh. Management of arrhythmias in pediatric emergency. The Indian Journal of Pediatrics, v. 87, n. 4, p. 295-304, 2020.

SMITH, Andrew H. Arrhythmias in cardiac critical care. Pediatric Critical Care Medicine, v. 17, n. 8_suppl, p. S146-S154, 2016.

TOPJIAN, Alexis A. et al. Part 4: pediatric basic and advanced life support: 2020 American Heart Association guidelines for cardiopulmonary resuscitation and emergency cardiovascular care. Circulation, v. 142, n. 16_Suppl_2, p. S469-S523, 2020.

TURNER C. J.; WREN C. The epidemiology of arrhythmia in infants: a population-based study. Journal of Paediatrics and Child Health, v. 49, n. 4, p. 278-81, 2013.

VAN HARE G. F., et al. Pediatric Electrophysiology Society. Prospective assessment after pediatric cardiac ablation: demographics, medical profiles, and initial outcomes. Journal of Cardiovascular Electrophysiology, v. 15, n. 7, p. 759-70, 2004.

XAVIER, L. R. Tratamento farmacológico das arritmias em crianças: Indicação e posologias. Journal of Cardiac Arrhythmia, v. 25, n. 1, p. 55-60, 2012.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n2-040

Refbacks

  • There are currently no refbacks.