Sentinelas de risco familiar em uma Estratégia Saúde da Família de Manaus / Family risk sentinels in a Family Health Strategy in Manaus

Wagner Ferreira Monteiro, Mirian dos Santos Castro, Darlisom Sousa Ferreira, Aderlaine da Silva Sabino, Bianca Jardim Vilhena, Kássia Janara Veras Lima, Lucas Lorran Costa de Andrade, Frankilandio Teixeira Costa

Abstract


O estudo tem como principal escopo avaliar as sentinelas do risco de vulnerabilidade biológica e social das famílias de uma Estratégia Saúde da Família (ESF) da cidade de Manaus – AM. Como estratégia, adotou-se um estudo do tipo descritivo, de abordagem quantitativa. A pesquisa coligiu dados secundários junto ao sistema de informações e-SUS, advindos do cadastro individual e familiar da área da ESF. A partir dos dados coletados foi possível mensurar a frequência de ocorrências de cada uma das sentinelas de risco avaliadas no estudo. A sistematização dos dados demonstrou que o território analisado não é homogêneo, pois, as microáreas apresentam níveis diferenciados de risco. Os resultados desse estudo, associados à teoria pertinente, possibilitaram a realização do diagnóstico das microáreas que apresentam graus mais elevados de vulnerabilidade biológica e social, permitindo o desenvolvimento de subsídios para o planejamento estratégico de ações em saúde, que tenham maior efetividade. Dentre outros aspectos, os dados permitiram a percepção da dinâmica territorial diferenciada e que se reflete sobre os níveis de risco familiar. O conhecimento acerca dos diferentes níveis de risco, permite aos gestores um planejamento mais eficiente das ações e organização dos serviços em saúde ofertados à população adscrito.


Keywords


Atenção Primária à Saúde. Estratégia Saúde da Família. Risco. Saúde da População.

References


BRASIL; MINISTÉRIO DA SAÚDE. Portaria nº 2.436, de 21 de setembro de 2017. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes para a organização da Atenção Básica, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2017.

COELHO, F. L.; SAVASSI, L. C. M. Aplicação de Escala de Risco Familiar como instrumento de priorização das Visitas Domiciliares. Revista Brasileira de Medicina de Família e Comunidade, Rio de Janeiro, v. 1, n. 2, p. 19-26, 2004.

MOURA, F.M.N; MARINHO, A.D.P.; OLIVEIRA, L.L.; SANTOS, ARAÚJO JÚNIOR, O.L.A.; FERREIRA, M.J.M. Aplicação da Escala de Risco Familiar na Atenção Básica. Revista Extensão em Ação, Fortaleza, v.1, n.10, p. 33-42, Jan/Jun. 2016.

NAKATA, P. N.; KOLTERMANN, L. I.; VARGAS, K. R.; MOREIRA, P. W.; DUARTE, É. R. M.; ROSSET-CRUZ, I. Classificação de risco familiar em uma Unidade de Saúde da Família. Revista Latino- Americana de Enfermagem, v. 21, n. 5, p. 1-7, Set./Out., 2013.

OLIVEIRA, M. C. C.; OLIVEIRA, M. A. C; PEREIRA, K. D.; OLIVEIRA, G. E.; COUTINHO, M.L.S.A; MAIA, Y.M.S.; GONDIM, F. S. S.; BARBOSA, D. S. Processo de territorialização em saúde como instrumento de trabalho. Braz. J. Hea. Rev., Curitiba, v. 3, n. 5, p. 13578-13588 set./out. 2020.

SAKATA, K. N.; ALMEIDA, M.C.P; ALVARENGA, A. M.; CRACO, P. F.; PEREIRA, M. J. B. Concepções da equipe de saúde da família sobre as visitas domiciliares. Revista Brasileira de Enfermagem, v. 60, n. 6, p. 659-664, 2007.

SILVA, P. M.; BARROS, K. P.; TORRES, H. C. Acolhimento com classificação de risco na atenção primária: percepção dos profissionais de Enfermagem. Revista Mineira de Enfermagem, Minas Gerais, v. 16.2, p. 225-231, abr./jun. 2013




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n2-035

Refbacks

  • There are currently no refbacks.