Coleta e tratamento de esgoto dos municípios de grande porte da Região Metropolitana do Recife: ameaça à saúde pública / Sewage collection and treatment in the large municipalities of the Metropolitan Region of Recife: threat to public health

Simone Ferreira Teixeira, Gabriel Verçoza de Melo, Gustavo Caldas Barbosa da Luz, Susmara Silva Campos

Abstract


A Região Metropolitana do Recife (RMR) é caracterizada por um grande adensamento populacional, sendo que o saneamento é um dos grandes desafios da região, pois o lançamento de esgotos domésticos, sem o adequado tratamento, provoca impacto na saúde da população. Diante disto, o objetivo deste trabalho foi analisar a coleta e tratamento de esgoto das grandes cidades da RMR do Recife, no ano de 2018. Os dados utilizados foram provenientes do censo 2010 do IBGE e do SNIS, referente ao ano de 2018. Todos os municípios de grande porte da RMR são atendidos com esgotamento sanitário pela Companhia Pernambucana de Saneamento (Compesa), no entanto os valores de coleta são baixos, considerando sua densidade populacional, demonstrando a precariedade de esgotamento sanitário na região e a vulnerabilidade da população quanto às enfermidades transmitidas por este vetor. Na RMR grande parte dos efluentes é lançada no Rio Capibaribe, sem o tratamento adequado, impactando na qualidade da água e contribuindo para que este seja um transmissor de doenças. Mesmo com a implementação de normativas legais sobre o lançamento e tratamento de efluentes, os municípios estão bastante aquém no cumprimento das normas, impactando diretamente na qualidade dos recursos hídricos e na qualidade de vida da população, fazendo com que os recursos hídricos, sobretudo em grandes metrópoles sejam potenciais transmissores de enfermidades. O acesso aos serviços de saneamento, como a coleta e tratamento dos esgotos, são medidas preventivas que poderiam estar sendo mais bem utilizadas na qualidade de vida da população, transformando os recursos hídricos em mais uma fonte de vida e menos um transmissor de doenças.


Keywords


Esgotamento sanitário. Adensamento populacional. Saúde pública.

References


AGÊNCIA CÂMARA DE NOTÍCIAS – CÂMARA DOS DEPUTADOS. Cidades e transportes. Brasília/DF. Disponível em: . Acesso em: 02 jun 2020.

ANA - Agência Nacional de Águas (Brasil). Atlas esgotos: despoluição de bacias hidrográficas. ANA, Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental, Brasília: ANA, 2017. Disponível em: < http://atlasesgotos.ana.gov.br />. Acesso em: 10 maio 2020.

ANDREAZZI, M.A.R.; BARCELLOS, C.; HACON, S. Velhos indicadores para novos problemas: a relação entre saneamento e saúde. Revista Panamericana de Salud Pública v. 22, n. 3, 2007, p. 211 – 217.

BRASIL. Lei Nº 11.445, de 5 de janeiro de 2007. Brasil, Presidência da República, Brasília/DF. Disponível em: . Acesso em: 12 maio 2020.

CALÁBRIA, I.S.; TETI, B.S.; FILGUEIRA FILHO, A.C.; CALÁBRIA JUNIOR, W.M. Vantagens e desvantagens do sistema individual de tratamento de esgoto em condomínio residencial em Recife –PE. Brazilian Applied Science Review, v. 2, n. 5, out./dez. 2018, p. 1828-1838.

COMPESA – Companhia Pernambucana de Saneamento. Esgotamento sanitário. Recife/PE. Disponível em: . Acesso em: 12 maio 2020.

CONAMA - Conselho Nacional do Meio Ambiente. Resolução nº 357, de 17 de março de 2005. Disponível em: . Acesso em: 12 maio 2020.

CONAMA - Conselho Nacional do Meio Ambiente. Resolução nº 430, de 13 de maio de 2011. Disponível em: < http://www2.mma.gov.br/port/conama/legiabre.cfm?codlegi=646>. Acesso em: 12 maio 2020.

CARVALHO, L.S; AGLE, C.G; ROCHA, L.M.T.; MARQUES, B.R.N.S.; PEDREIRA, T.N. Análise dos aspectos epidemiológicos da cólera no Brasil: Um estudo da última década. Brazilian Journal of Health Review, v. 3, n. 5, set/out. 2020, p. 13996-14007.

FARIAS, C.S. Os eventos climáticos extremos e a hepatite a nos estados da Amazônia legal que fazem parte da região norte do Brasil. Brazilian Journal of Health Review, v. 3, n. 6, nov./dez. 2020, p. 17696-17713.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Disponível em: . Acesso em: 29 maio 2020.

LANGARO, C. Regulação e a eficiência no setor do saneamento. ECOS – Revista Quadrimestral de Saneamento Básico, n. 33, ano 19, maio 2013, p. 20-28.

LUZ, G.C.B.; TEIXEIRA, S.F. Importância do manguezal e das barreiras físicas na contenção de resíduos sólidos nas margens de um estuário urbano. Ciência Geográfica – Bauru, ano XXIII, v. XXIII, (2), Janeiro/Dezembro, 2019, p. 790-803.

LIBÂNIO, P.A.C.; CHERNICHARO, C.A.L.; NASCIMENTO, N.O. A dimensão da qualidade de água: avaliação da relação entre indicadores sociais, de disponibilidade hídrica, de saneamento e de saúde pública. Revista Engenharia Sanitária e Ambiental, v. 10, n 3, jul/set 2005, p. 219-228.

MENDONÇA, M.J.C.; MOTTA, R.S. Saúde e saneamento no Brasil. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, Instituto de Pesquisas Econômicas e Aplicadas, Brasília/DF, 2005. Disponível em: . Acesso em: 01 jun 2020.

PERNAMBUCO – Governo do Estado de Pernambuco. Plano de Desenvolvimento Urbano Integrado – Região Metropolitana do Recife. Recife/PE. Disponível em: . Acesso em: 01 jun 2020.

SNIS - Sistema Nacional De Informações Sobre Saneamento. Disponível em: < http://www.snis.gov.br>. Acesso em: 12 maio 2020.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n2-033

Refbacks

  • There are currently no refbacks.