Projeto de intervenção para elevar a adesão ao exame citopatológico durante o internato em saúde coletiva / Intervention project to increase adherence to cytopathological exams during the internship in public health

Erivalda Maria Ferreira Lopes, Eryleide Porfirio Ferreira, Valter Jonso Carmo, Davi Alves Moura

Abstract


A intervenção para aumentar a adesão ao exame citopatológico no contexto da Estratégia de Saúde da Família (ESF), pode ser entendida como um processo canalizador do processo de participação das mulheres na faixa etária de 50 a 64 anos, que fazem parte da área de abrangência da Unidade de Saúde da Família (USF) Altiplano II, que há mais de três anos estão sem realizar o exame Papanicolau. No Brasil e no mundo, o câncer do colo de útero é considerado um dos mais importantes problemas de saúde pública. Merece ser priorizada pela atenção básica à saúde, pois ações podem contribuir tanto para a prevenção quanto para o controle deste tipo de câncer. É um desafio para os profissionais da ESF, junto aos alunos do internato em Saúde Coletiva da Faculdade de Ciências Médicas da Paraíba, melhorar a adesão das mulheres ao exame citopatológico. O objetivo deste trabalho é conhecer os motivos pelos quais as mulheres moradoras da área de atuação da USF Altiplano II, não realizavam o exame preventivo citopatológico e elaborar um projeto de intervenção para acompanhamento das mulheres orientando e estimulando, para aumentar a demanda. O projeto será realizado na unidade em questão, na cidade de João Pessoa/PB.


Keywords


Exame citopatológico, Estratégia de Saúde da Família, Câncer de Colo do Útero, Prevenção

References


ARANTES,L. J; SHIMIZU, H.; MERCHÁN-FERMANN, E. Contribuições e desafios da Estratégia Saúde da Família na Atenção Primária à Saúde no Brasil: revisão da literatura. Ciência & Saúde Coletiva , v. 21, n. 5, p. 1499-1509, 2016.

‘’’’’’’’

BRASIL. Ministério da Saúde: Controle dos cânceres do colo do útero e da mama.

Cad. de atenção básica. 2ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2013.

BRASIL. Ministério da Saúde. Instituto Nacional do Câncer. Programa nacional de controle do câncer do colo uterino. Brasília, 2010.

CAMARGO, A; MELO, V; CARNEIRO, M; REIS, F. Ginecologia Ambulatorial. EditoraCoopmed. 2a ed. 2008.

COSTA, M; LÓPEZ, E. Educatión para la salud: Una estrategia para cambiar los estilos de vida, p. 25-58. Madrid: Pirâmide, 1996.

GURGEL, N.M et al. Consulta de enfermagem em Ginecologia. In: Congresso Brasileiro dos Conselheiros de Enfermagem, 2006, Porto Seguro. Anais. Porto Seguro: Núcleo de Assessoramento a Pesquisa, 2006. p.23

MALUF, FC.; MARQUES, R.; ABDO, E. Câncer ginecológico – endométrio, cérvice. In: BUZAID, AC. Manual de oncologia clínica. Rio de Janeiro: Reichmann & Affonso, 2004, p. 141-60.

OLIVEIRA, M. A. C.; PEREIRA, I. C. Atributos Essenciais da Atenção Primária e a Estratégia de Saúde da Família. Rev Bras Enferm; n. 66, p. 158-64, 2013.

ROSA M I et al. Papiloma vírus humano e neoplasia cervical. Cad. Saúde Pública, v. 25, n.5, Rio de Janeiro, p.56-63, Maio, 2009.

SILVA, José de Alencar Gomes, ABC do Câncer, Abordagens Básicas para o Controle do Câncer. 2a ed. Publicado: Rio de Janeiro, 2012. Disponível em: http://www.bus.saude.gov.br/bus/publicacoes/inca/abc-do-cancer.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n2-020

Refbacks

  • There are currently no refbacks.