Bioética e identidade de gênero: uma discussão acerca do nome social e da transgenitalização / Bioethics and gender identity: a discussion about social name and transgenitalization

Jamille Pereira Ponte, Ana Luiza de Castro Cardoso, Carlos Kayque Araújo da Silva, José Victor Silva Lima, Luiz Carlos Vilhena Batalha Filho

Abstract


O trabalho abrange os aspectos históricos e sociais envolvidos no processo de construção da identidade de gênero, elucidando sobre o padrão imposto pela sociedade capitalista as quais o individuo deve seguir, e uma vez que esse indivíduo se encontra fora do padrão da “normalidade”, ele é marginalizado.

O poder de escolha da identidade de gênero e orientação sexual é um assunto que vem crescendo devido a quantidade de preconceitos e injustiças que vem ocorrendo na atualidade. Portanto, uma das formas de incluir os indivíduos trans dentro da sociedade e permitir que esses cidadãos desfrutem de uma assistência de equidade, reforçando a dificuldade de se atingir a justiça social, o SUS introduziu, por meio da Carta dos Direitos dos Usuários da Saúde, o direito ao uso do nome social e foi aderido tratamento cirúrgico de transgenitalização.

Desse modo, foram criadas políticas para humanizar o atendimento e o acessos deste público ao sistema de saúde, permitindo que as pessoas vivam de forma digna, com direitos iguais.

 


Keywords


Transgênero, identidade de gênero, orientação sexual.

References


- Butler J. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira; 2014.

- Bento, BA (re)invenção do corpo: sexualidade e gênero na experiência transexual. Rio de Janeiro: Garamond; 2006.

- Bento, B. O que é transexualidade. São Paulo: Brasiliense; 2008.

- Foucault, M. Em defesa da sociedade: curso no Collège de France (1975-1976). 4a ed. São Paulo: Martins Fontes; 1999.

- Louro, GL. Um corpo estranho: ensaios sobre sexualidade e teoria queer. Belo Horizonte: Autêntica; 2004.

- Rocon, PC et al. Dificuldades vividas por pessoas trans no acesso ao Sistema Único de Saúde. Cienc Saude Colet. 2016; 21(8):2517-25.

- Rocon, RC et al. O que esperam pessoas trans do Sistema Único de Saúde. 2018; 22(64):43-53

- Tvt RP. Trans Murder Monitoring. Transrespect versus Transphobia Worldwide (TvT) project website; 2016 [acesso 2017 Set 8]. Disponível em: www.transrespect.org/en/research/ trans-murder-monitoring/

- Silva, LKM et al. Uso do nome social no Sistema Único de Saúde: elementos para o debate sobre a assistência prestada a travestis e transexuais. Physis Revista de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro. 2017 27 [ 3 ]: 835-846.

- Brasil. Ministério do Desenvolvimento Social e Agrário. Garantia da utilização do nome social para pessoas travestis e transexuais. Brasília, Centro de Documentação, 1989.

- BergeschI, V; Chemin, BV. A cirurgia de transgenitalização e a concretização dos direitos fundamentais constitucionais. Revista Destaques Acadêmicos. 2009, ano 1, n. 2.

- Petry, ALR. Mulheres transexuais e o Processo Transexualizador: experiências de sujeição, padecimento e prazer na adequação do corpo. Rev Gaúcha Enferm. 2015 jun;36(2):70-5.

- Toledo, ET; Dornelas, IO. Identidade de gênero, sexualidade e intervenções terapêuticas em A garota dinamarquesa (2015). História, Ciências, Saúde – Manguinhos, Rio de Janeiro. 2017, jul-set ; v.24, n.3. p.848-851.

- Vieira, EM. Galli, RA. Corpos Mutantes, Mulheres Intrigantes: Transexualidade e Cirurgia de Redesignação Sexual. Psic.: Teor. e Pesq., Brasília, 2013 Out-Dez, Vol. 29 n. 4, pp. 447-457.

- Oliveira, DC; Popadiuk, GS; Signorelli, MC. A Política Nacional de Saúde Integral de Lésbicas, Gays, Bissexuais e Transgêneros (LGBT) e o acesso ao Processo Transexualizador no Sistema Único de Saúde (SUS): avanços e desafios. Ciência & Saúde Coletiva, 2017, 22(5):1509-1520.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n1-268

Refbacks

  • There are currently no refbacks.