Hanseníase em menores de 15 anos de idade e cobertura da Estratégia Saúde da Família, Belém, estado do Pará/ Leprosy in children under 15 years of age and coverage of the Family Health Strategy, Belém, Pará state

Maísa dos Santos Feitosa, Renan Reis Caldas, Joao Victor Filgueiras Mota, Emanuele Rocha da Silva, José Natanael Gama dos Santos, Raiula Gabriela da Silva Teixeira, Belmiro Figueiredo Vinente Neto, Ivone Diniz Chaquiam, Ianka Aquino da Silva, Izaura Maria Vieira Cayres Vallinoto, Waltair Maria Martins Pereira

Abstract


Objetivo: Analisar a distribuição da hanseníase em menores de 15 anos, no município de Belém, estado do Pará, no período de 2005 a 2014 e correlacionar com a cobertura da Estratégia de Saúde da Família (ESF) do município. Metodologia: Pesquisa quantitativa com desenho de estudo descritivo, transversal, realizado no município de Belém, estado do Pará. A população estudada foi constituída pelos casos de hanseníase em menores de 15 anos de idade, residentes no município de Belém, investigados e notificados pela Secretaria Municipal de Saúde, no Sistema de Informação e de Agravos de Notificação (SINAN). Resultados: A maior ocorrência foi no sexo masculino (54,57%) e na cor parda (67,47%). A faixa etária mais acometida foi a de 10 a 14 anos. Houve predomínio das formas tuberculoide e dimorfa. A taxa de detecção apresentou tendência de queda, porém, apesar dessa queda, a detecção encontrada ainda é considerada muito alta pelos parâmetros utilizados pelo Ministério da Saúde. Foram três o número de bairros classificados como hiperendêmicos, sendo um deles com cobertura da Estratégia Saúde da Família (ESF) entre 25,18% a 45,91%. Conclusão: A situação identificada proporciona visibilidade das áreas geográficas de maior vulnerabilidade, quer por apresentarem elevadas taxas de detecção, quer por não apresentarem cobertura de ESF adequada, direcionando o planejamento de forma mais assertiva, com implementação de estratégias direcionadas à população com maior risco para o adoecimento.


Keywords


Hanseníase, Análise espacial, Estratégia Saúde da Família.

References


PIRES CAA, MALCHER CMSR, ABREU JMC, DE ALBUQUERQUE TG, CORRÊA IRS, DAXBACHER ELR. Hanseníase em menores de 15 anos: A importância do exame de contato. Rev Paul Pediatr. 2012;30(2):292–5. Disponível em:< http://www.scielo.br/ >. Acesso em: 10 fev. 2020.

WHO. World Health Organization. Weekly Epidemiological Record. n. 35. v. 91, p: 405-420, 2016. Disponível em http://apps.who.int/iris/bitstream/10665/249601/1/WER9135.pdf?ua=1 Acesso em: 15 dez. 2019.

MINISTÉRIO DA SAÚDE (BR). Secretaria de Vigilância Epidemiológica em Saúde. Situação Epidemiológica da Hanseníase no Brasil, 2014.

SALTARELLI RMF. Limites e Possibilidade da Atenção ao Portador de Hanseníase no Âmbito da Estratégia Saúde da Família. Belo Horizonte, 2011. Trabalho de Conclusão de Curso (Especialização em Atenção Básica em Saúde da Família) - Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2011.

BRASIL. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE. Base Municipal. Mapas, bases referências, bases cartográficas e malhas digitais - 2010. Disponível em: https://mapas.ibge.gov.br/bases-e-referenciais/bases-cartograficas/malhas-digitais. Acesso em: 20 Jan 2020.

CODEM. Companhia de Desenvolvimento e Administração da Área Metropolitana de Belém. Mapas geral e Bairros de Belém. Disponível em: http://codem.belem.pa.gov.br/index.php/bairros-de-belem/. Acesso em: 10/02/2020.

MINISTÉRIO DA SAÚDE (BR). Portal da Saúde – SUS. Histórico de Cobertura de Saúde da Família. [Internet]. Brasília: 2016 [citado 2020 jun 24]. Disponível em: http://dab.saude.gov.br/portaldab/histórico_cobertura_sf_php.

MINISTÉRIO DA SAÚDE (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. Diretrizes para vigilância, atenção e eliminação da hanseníase como problema de saúde pública: manual técnico-operacional [Internet]. Brasília: Ministério da Saúde; 2016 [citado 2020 jun 12]. Disponível em: http://portal.saude.pe.gov.br/ sites/portal.saude.pe.gov.br/files/diretrizes_para_. eliminacao_hanseniase_-_manual_-_3fev16_isbn_ nucom_final_2.pdf.

AQUINO R, DE OLIVEIRA NF, BARRETO ML. Impact of the Family Health Program on infant mortality in brazilian municipalities. Am J Public Health. 2009;99(1):87–93.

ANSELIN L. GeoDaTM software for geodata analysis: version GeoDa versão: 1.12.1.129. The Center for Spatial data Science, 2016. Disponível em: https://geodacenter.github.io/workbook/1_datascience/lab1.html. Acesso em: 23/04/2018.

AYRES M, AYRES Jr M, AYRES DL, Santos AS. BioEstat 5.0: aplicações estatísticas nas áreas das ciências biológicas e médicas. Belém: Sociedade Mamirauá; 2007. 364 p.

SANTOS SD, PENNA GO, COSTA M DA CN, NATIVIDADE MS, TEIXEIRA MG. Leprosy in children and adolescents under 15 years old in an urban centre in Brazil. Mem Inst Oswaldo Cruz. 2016;111(6):359–64.

SANTOS SMF DOS, SOUSA MT DE, SANTOS LA DOS, JACOB LM DA S, FIGUEIRA MC E S, DE MELO MC. Perfil Epidemiológico e Percepção sobre a Hanseníase em Menores de 15 anos no Município de Santarém-PA. J Heal Sci. 2018;20(1):61.

MOURA LTR DE, FERNANDES TRM DE O, BASTOS LDM, LUNA ICF, MACHADO LB. Hanseníase em menores de 15 anos na cidade de Juazeiro-BA. Hansen Int. 2012;37(1):45–50.

CORPES E DE F, BRAGA N, JUCÁ H, VASCONCELOS ACL, PONTES MA DE A, SILVA AC E, ET AL. Análise epidemiológica de hanseníase em menores de 15 anos em um centro de referência na região nordeste do Brasil. 2018;65–72.

MONTEIRO LD, MELLO FRM, MIRANDA TP, HEUKELBACH J. Hansen’s disease in children under 15 years old in the state of Tocantins, Brazil, 2001-2012: Epidemiological patterns and temporal trends. Rev Bras Epidemiol. 2019;22:2001–12.

TEIXEIRA RL, NUNES LM, BUENO AC, COUTINHO TS. Perfil epidemiológico dos pacientes de 0 a 15 anos de idade com hanseníase em centro de referência de doenças tropicais (CRDT) de um estado da região amazônica. Rev Med e Saúde Brasília. 2018;6(3).

GORDON AS DE A, GOMES JMS, COSTA ACP DE J, SERRA MAA DE O, NETO MS, XAVIER MB. Incidência De Hanseníase Em Menores De 15 Anos Acompanhados No Município De Imperatriz, Maranhão, Entre 2004 E 2010. Arq Ciências da Saúde da UNIPAR. 2017;21(1):19–24.

NERY JS, RAMOND A, PESCARINI JM, ALVES A, STRINA A, ICHIHARA MY, et al. Socioeconomic determinants of leprosy new case detection in the 100 Million Brazilian Cohort: a population-based linkage study. Lancet Glob Heal. 2019;7(9):e1226–36.

NUNES PS, DORNELAS RF, MARINHO TA. Perfil clínico e epidemiológico dos casos de hanseníase em menores de 15 anos em um município da região metropolitana de Goiânia, Goiás. REAS [Internet]. 3fev.2019 [citado 12set.2020];(17):e319. Available from: https://www.acervomais.com.br/index.php/saude/article/view/319.

FREITAS BM DE, HINNAH B, CORTELA B, HINNAH B, MARTINS B, BOAMORTE C, et al. Tendência da hanseníase em menores de 15 anos em Mato Grosso (Brasil), 2001-2013. Rev Saude Publica. 2017;51:1–10.

SCHNEIDER PB, DE FREITAS BHBM. Tendência da hanseníase em menores de 15 anos no Brasil, 2001-2016. Cad Saude Publica. 2018;34(3).

MOREIRA RS, COSTA JS, MOREIRA-JUNIOR VT, GÓES MA DE O. Temporal trend of leprosy in Aracaju, Sergipe, Brazil. J Epidemiol Infect Control Vol 9, No 1 (2019) DO - 1017058/reci.v9i111957 [Internet]. 2019 Jan 3; Available from: https://online.unisc.br/seer/index.php/epidemiologia/article/view/11957.

ARAUJO KMFA, LEANO HAM, RODRIGUES RN, BUENO IC, LANA FCF. Epidemiological trends of leprosy in an endemic state. Rev Rene. 2017; 18(6):771-8. doi: doi.org/10.15253/2175-6783.2017000600010

LANA FCP, CARVALHO APM, DAVI RFL. Perfil epidemiológico da hanseníase na microrregião de Araçuaí e sua relação com ações de controle. Esc Anna Nery. 2011;15(1):62-67 13.

PINHEIRO ACL. Aglomerados subnormais em Belém: risco e vulnerabilidade socioambiental / Andréa de Cassia Lopes Pinheiro. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo, Universidade Federal do Pará) – Belém, Pará, Instituto de Tecnologia, 2015. 130p.

BRASIL. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo Demográfico 2010. Características gerais da população, religião e pessoas com deficiência. Censo demogr., Rio de Janeiro, p.1-215, 2012.

FRANCO MC.,A. Dinâmica da transmissão da hanseníase em menores de 15 anos em área hiperendêmica na região Norte do Brasil. Tese (Doutorado em Clínica das Doenças Tropicais, Universidade Federal do Pará) – Belém, Pará, Núcleo de Medicina Tropical, 2014. 69p.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n1-265

Refbacks

  • There are currently no refbacks.