Sexualidade no puerpério: uso de contraceptivos / Sexuality in the puerperium: contraceptive use

Iomara de Brito Nunes, Danyella Rodrigues de Almeida, Adryelle Lemes de Campos, Aline de Almeida Silva, Aleksandra Rosendo dos Santos Ramos, Carolina Sampaio de Oliveira, Samira Michel Garcia, Taimy Castrillon da Costa Faria

Abstract


No que se refere à gestação, após o parto, inicia-se o período do puerpério e dura em média, com término imprevisto, seis semanas, o qual merece um olhar mais atento, pois, acarreta modificações importantes na vida da mulher, do parceiro e da família. Objetivo: O estudo teve como objetivo compreender como é vivenciada a sexualidade pela mulher no período pós-parto e o planejamento contraceptivo. Metodologia: Trata-se de um estudo de revisão bibliográfica do tipo narrativa, que buscou publicações científicas de 2010 a 2020, nas bases de dados SCIELO e o portal periódico Biblioteca Virtual em Saúde (BVS). Utilizando os descritores: “sexualidade”, “período pós-parto”, “anticoncepcionais” e “aleitamento materno”. Resultados: Os resultados encontrados foram medo da dor na relação sexual, insatisfação com a autoimagem, mudança na rotina, presença do bebê no quarto, preocupação com a satisfação do parceiro e incômodo com a presença do leite materno. Sendo os anticoncepcionais injetáveis seguidos pelos implantes os mais utilizados pela maioria das mulheres. Considerações finais: O período pós-parto acaba alterando a percepção do corpo e sexualidade da mulher, nesse período a mulher passa por mudanças e alterações principalmente físicas e hormonais, além disto, mudança na dinâmica e na rotina familiar, diante disto os profissionais de saúde podem trabalhar de forma a diminuir os transtornos que essas alterações possam ocasionar nesse período.


Keywords


Sexualidade, Período pós-parto, Anticoncepcionais, Aleitamento materno.

References


ABERA, Y.; MENGESHA, Z.B.; TESSEMA, G.A Uso contraceptivo pós-parto na cidade de Gondar, noroeste da Etiópia: um estudo transversal baseado na comunidade. BMC Saúde da Mulher 15, 19 (2015). Disponível em: . Acesso em: 28 abr. 2020.

ABRAHA, T. H.; TEFERRA, A.S.; GELAGAY, A.A. Uso contraceptivo moderno pós-parto no norte da Etiópia: prevalência e fatores associados. Epidemiol Health Mar. 2017. Disponível em: . Acesso em: 28 abr. 2020.

ANDRADE, M. B. A sexualidade após a maternidade: a experiência de mulheres usuárias do SUS. Dissertação (Mestrado em Saúde na Comunidade) - Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2014. Disponível em: . Acesso em: 08 maio. 2020.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 6023: Informação e documentação: Referências. Rio de Janeiro, p. 24. 2002.Disponível em: . Acesso em: 19 maio 2020.

BARRETO, C. P. Revisão sistemática sobre os efeitos da episiotomia na função sexual da mulher no pós-parto. [Dissertação Mestrado]. São Paulo: Escola de Enfermagem, Universidade de São Paulo, 2014. Disponível em: . Acesso em: 18 abr. 2020.

BEARZOTI, P. Sexualidade Um Conceito Psicanalítico Freudiano. Agosto-1993, Campinas SP - Brasil. Disponível em: . Acesso em: 11 fev. 2020.

BELENTANI, L. M.; MARCON, S.S.; PELLOSO, S. M. Sexualidade de puérperas com bebês de risco. Acta paul. enferm. São Paulo, v. 24, n. 1, p. 107-113, 2011. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-21002011000100016〈=pt >. Acesso em: 20 abr. 2020.

BERTA, M.; FELEKE, A.; ABATE, T.; WORKU, T.; GEBRECHERKOS, T. Utilização e fatores associados de contraceptivos modernos durante o período pós-parto prolongado entre mulheres que deram à luz nos últimos 12 meses na cidade de Gondar, noroeste da Etiópia. Rev. Ethiop J Sci. 2018. Disponível em: . Acesso em: 27 abr. 2020.

BRANDT, G.P.; OLIVEIRA, A. P. R.; BURCI, L. M. Anticoncepcionais hormonais na atualidade: um novo paradigma para o planejamento familiar. Revista Gestão e Saúde. v. 18, n. 1, p 54-62, 2018. Disponível em: < http://www.herrero.com.br/files/revista/fileffb43b6252282b433e193bacf91d43f7.pdf>. Acesso em: 27 jul. 2020.

BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Lei nº 9.263 de 12 de janeiro de 1996. Brasília, 15 jan. 1996. Seção 1, p.1-3. Disponível em: . Acesso em: 08 maio 2020.

______. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Atenção ao pré-natal de baixo risco. Brasília, DF: Editora do Ministério da Saúde, 2012. Disponível em: . Acesso em: 08 maio 2020.

______. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Atenção ao pré-natal de baixo risco. 1. ed. rev. – Brasília, 2013a. Disponível em: . Acesso em: 01 abr. 2020.

______. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Saúde sexual e saúde reprodutiva .1. ed., 1. reimpr. – Brasília, 2013b. 300 p.: il. Disponível em:. Acesso em: 08 maio 2020.

______. Ministério da Saúde. Instituto Sírio-Libanês de Ensino e Pesquisa. Protocolos de atenção básica: saúde da mulher. Brasília, 2016. Disponível em: . Acesso em: 08 maio 2020.

CORDEIRO, A. M. et al. Revisão sistemática: uma revisão narrativa. Rev. Col. Bras. Cir., Rio de Janeiro, v. 34, n. 6, p. 428-431, dez. 2007. Disponível em: . Acesso em: 11 maio 2020.

CUNTIM, M. Sexualidade no pós-parto. Julho, 2018. Disponível em: . Acesso em: 08 mar. 2020.

FEBRASGO - Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia. Manual de anticoncepção da febrasgo. Brasil, 2009, v. 37 nº 9. Disponível em: . Acesso em: 11 maio 2020.

FEBRASGO - Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia. Contracepção reversível de longa ação. São Paulo, 2016.Disponivel em: . Acesso em: 14 fev. 2020.

FINOTTI, MARTA. Manual de anticoncepção / Marta Finotti. - São Paulo: Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (FEBRASGO), 2015. Disponível em: . Acesso em: 11 maio 2020.

GEJO, N.G.; ANSHEBO, A.A.; DINSA, L.H. Uso contraceptivo moderno pós-parto e fatores associados na cidade de Hossana. PLoS ONE 14 (5), 2019. Disponível em: . Acesso em: 28 abr. 2020.

GONÇALVES, B. G.; HOGA, L. A. K. Tempo de amor e adaptação: promoção da saúde da mulher no pós-parto e do recém-nascido. 1. ed. São Paulo, EEUSP, 2016. Disponível em: . Acesso em: 14 fev. 2020.

GUTZEIT, O.; LEVY, G.; LOWENSTEIN, L. Função Sexual Feminina Pós-Parto: Fatores de Risco para Disfunção Sexual Pós-Parto. Sexual Medicine, v. 8, ed. 1, 2019. Disponível em: , acesso em: 11 jan. 2020.

JUSTINO, G.B.S. et al. Saúde sexual e reprodutiva no puerpério: vivências de mulheres. Rev. Enferm. UFPE on line. 2019;13: e240054. Disponível em: . Acesso em: 14 maio 2020.

KUMAR, S. et al. Experiência das mulheres com o uso de contraceptivo intra-uterino pós-parto na Índia. Reprod Health 11, 32 (2014). Disponível em: . Acesso em: 04 maio 2020.

MARQUES, D.M.; LEMOS, A. Sexualidade e amamentação: dilemas mulher / mãe. Revista de Enfermagem da UFPE on-line, v. 4, n. 2, p. 622-630, mar. 2010. Disponível em:

MARTINS, E.L.; VARGENS, O.M.C. Percepções de mulheres a respeito da sexualidade durante a amamentação: uma revisão integrativa. Rev Enferm UERJ, v. 22, n. 2, p. 271-277, 2014. Disponível em: . Acesso em: 18 maio 2020.

MENDES, T. M. A. P. Vivências da Sexualidade nas Mulheres após o Nascimento do Primeiro Filho Fatores Condicionantes do Bem-estar Sexual. Dissertação (Mestrado em Enfermagem de Saúde Materna e Obstetrícia) - Escola Superior de Enfermagem de Coimbra, 2012. Disponível em: . Acesso em: 30 mar. 2020.

MOTA, C. P.; et al. A sexualidade do casal no processo gravídico-puerperal: um olhar da

Saúde obstétrica no mundo contemporâneo. Salvador, 2009. Disponível em: . Acesso em: 13 maio 2020.

ONU- Organização das Nações Unidas. Relatório para assunto econômicos e sócias. Brasil, 2016. Disponível em: .acesso em: 11 maio 2020.

PINHEIRO, P. Laqueadura Tubária – Como é Feita e Chance De Reversão. MD. Saúde. 2020. Disponível em: . Acesso em: 20 abr. 2020.

PISSOLATO, L.K.B.P. et al. Amamentação e Sexualidade: uma interface na vivência do puerpério. Rev. Fund. Care Online. Rio de janeiro, 2016. Disponível em: . Acesso em: 20 abr. 2020.

RAMARAO, S. et al. As mulheres consideram aceitável o anel vaginal de progesterona? Resultados do Quênia, Nigéria e Senegal. Studies in Family Planning, 2018. Disponível em: . Acesso em: 05 maio 2020.

SANTOS, G.C.P. et al. Os benefícios da amamentação para a saúde da mulher. Revista Saúde em Foco, ed. 9, São Paulo, 2017. Disponível em: . Acesso em:04 maio 2020.

SANTOS, K. S.S. et al. A experiência de mulheres no pós-parto sobre o planejamento familiar. Saúde e Pesquisa, Maringá (PR), 2019. Disponível em: . Acesso em: 04 maio 2020.

SALIM, N. R.; ARAÚJO, N.M.; GUALDA, D.M.R. Corpo e sexualidade: experiências de Puérperas. Rev. Latino-Am. Enfermagem, Ribeirão Preto, v. 18, n. 4, p. 732-739, agosto de 2010. Disponível em: . Acesso em: 20 abr. 2020.

SALIM, N. R.; GUALDA, D. M.R. Sexualidade no puerpério: a experiência de um grupo de mulheres. Rev. esc. enferm. USP, São Paulo, v. 44, n. 4, p. 888-895, dezembro de 2010. Disponível em: . Acesso em: 22 abr. 2020.

SILVA, A. I.; FIGUEIREDO, B. Sexualidade na gravidez e após o parto. Rev. Psiquiatria Clínica, 25, (3), p. 253-264. Portugal, 2005. Disponível em: . Acesso em: 11 maio 2020.

SILVA, F. L.; SOUZA, A. L. S.; LEITE, L. D. B. Reflexões sobre as agressões causadas ao psicológico materno pela violência obstétrica: um estudo de revisão integrativa. Rev.

UNINGÁ, v. 56, n. S1, p. 159-171, Maringá, 2019. Disponível em: . Acesso em: 27 abr. 2020.

SIQUEIRA, L.K.R.; MELO, M.C.P.; MORAIS, J.L. Pós-parto e sexualidade: perspectivas e ajustes maternos. Rev. de Enfermagem da UFSM, [S.l.], v. 9, p. e58, nov. 2019. Disponível em: . Acesso em: 11 maio 2020.

VETTORAZZI, J. et al. Sexualidade e puerpério: uma revisão da literatura. Rev. HCPA, Porto Alegre, 2012. Disponível em: . Acesso em: 27 abr. 2020.

VIERA, C.S.; BRITO, M. B.; YAZLLE, M. E. H. D. Contracepção no Puerpério. Rev. Bras. Ginecol. Obstet. Ribeirão Preto, São Paulo-2008. Disponível em: . Acesso em: 11 fev. 2020.

WEISBAND, Y. L. et al. Intenções pós-parto no uso de contraceptivos e escolha de métodos entre mulheres que amamentam em um hospital universitário em Ohio: um estudo transversal. Reprod Health 14, 45 (2017). Disponível em: . Acesso em: 14 abr. 2020.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n1-250

Refbacks

  • There are currently no refbacks.