Melatonina e sistema imune: uma relação com duas vias regulatórias/ Melatonin and the immune system: a two-way relationship regulator.y

Alessandra Meyer Vainer, Victória Silvino Rocha, Michelangelo Juvenale

Abstract


A melatonina, comumente conhecida como “hormônio do sono” ou “hormônio da escuridão”, é uma indolamina, sintetizada predominantemente pela glândula pineal e desempenha importante ação sobre o controle do sincronismo cronobiológico, processo coordenado pelo núcleo supraquiasmático, que concomitantemente com sinais ambientais (Zeitgebers) e captação de luz pela retina, torna a regulação possível.A síntese hormonal apresenta uma sequência de reações com início na conversão do triptofano em serotonina e a posterior conversão da serotonina em melatonina, para que isso ocorra de maneira correta, é necessária a atuação de algumas enzimas importantes, mas a que efetivamente torna a conversão em melatonina possível é N-acetiltransferase (NAT), além disso, outros hormônios e neurotransmissores como noradrenalina, dopamina e GABA tem papel fundamental na regulação deste processo.A periodicidade dos ritmos circadianos regula diversos processos fisiológicos, portanto a redução na síntese de melatonina, seja pelo avanço da idade ou por outros motivos, pode levar a deterioração desses processos fundamentais na homeostase, como por exemplo o sono que é de extrema importância para a conservação da vida saudável, e que de maneira geral, está associado ao aumento da perfusão cerebral, consolidação da memória e liberação de mediadores pró-inflamatórios que promovem estimulação, proliferação, diferenciação e síntese de células imunes.A melatonina ainda apresenta capacidade de atuação direta em leucócitos, influenciando-os a um comportamento pró ou anti-inflamatório, assim como protege-os da apoptose após uma resposta imune, pelo poder antioxidante que exerce sobre as EROs liberadas no meio.De maneira menos conhecida, porém tão importante quanto, esse mesmo hormônio também desempenha sistematicamente múltiplas regulações no organismo, com atuações em diferentes sistemas onde sua ação pode ser vista contra células tumorais e como potencial tratamento suplementar para doenças como câncer, úlcera gástrica, asma, e até mesmo COVID-19.


Keywords


melatonina, sono, sistema imunológico, glândula pineal, regulação hormonal, núcleo supraquiasmático, ciclo circadiano, ciclo sono-vigília, entre outras.

References


ASSIS, Patrícia Monken de. Melatonina no cultivo in vitro de embriões bovinos: dinâmica e ação antioxidante. 2014. Tese de Doutorado. Universidade de São Paulo.

BECHARA, Gervásio Henrique; SZABO, Matias Pablo Juan. O processo inflamatório. 2. Componente e Eventos Celulares. 2006. Departamento de Patologia Veterinária, FCAV-UNESP, campus de Jaboticabal-SP..

BESEDOVSKY, Luciana; LANGE, Tanja; BORN, Jan. Sleep and immune function. Pflügers Archiv - European Journal Of Physiology, [s.l.], v. 463, n. 1, p.121-137, 10 nov. 2011. Springer Science and Business Media LLC.

BOTAS, Filipe Manuel Carvalho. O papel da melatonina. 2014. 68 f. Tese (Doutorado) - Curso de Ciências Farmacêuticas, Instituto Superior de Ciências da Saúde Egas Moniz, Almada, 2014.

CAMPOS, Francineide Lima. Estudos do efeito da melatonina sobre a função pulmonar e a qualidade do sono na asma. 2004. 117 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Ciências Farmacêuticas, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2004.

CECON, Erika. Fator de transcrição NFKB em glândulas pineais de ratos.

Tese de Doutorado. Universidade de São Paulo, 2010.

CIPOLLA NETO, José et al. Glândula Pineal. In: AIRES, Margarida de Mello.

Fisiologia. 5. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2018. Cap. 67.

CIPOLLA-NETO, José; AFECHE, Solange Castro. Glândula Pineal. In: AIRES, Margarida de Mello. Fisiologia. 4. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2012. Cap. 67. p. 1046-1052.

CREMONEZI, Marília. A importância da síntese endógena de melatonina na função intestinal. 2013. Sociedade Brasileira de Nutrição Funcional.

FERNANDES, Pedro Augusto Carlos Magno. Regulação da produção hormonal da glândula pineal de ratos por moduladores do processo inflamatório. 2009. 126 f. Tese (Doutorado) - Curso de Fisiologia Geral, Instituto de Biociências da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2009.

FERREIRA, Cecília da Silva; MAGANHIN, Carla Cristina; SIMÕES, Ricardo dos Santos; GIRÃO, Manoel João Batista Castello; BARACAT, Edmund Chada; SOARES-JR, José Maria. Melatonina: Modulador de morte celular. Revista da Associação Médica Brasileira, [s.l.], v. 56, n. 6, p. 715-718, 2010. Elsevier BV.

FRANÇA, Arthur Sérgio Cavalcanti de. Alterações do ciclo sono-vigília moduladas por dopamina e suas consequências mnemônicas. 2012. 78 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Psicologia, Biociências, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2012.

FRAZÃO, Renata et al. Ritmos Circadianos, ciclo vigília/sono- e atividade elétrica cerebral. In: CURI, Ruy; PROCOPIO, Joaquim. Fisiologia Básica. 2. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2017. Cap. 21, p. 297-305.

IRWIN, Michael R.. Why Sleep Is Important for Health: A Psychoneuroimmunology Perspective. Annual Review Of Psychology, [s.l.], v. 66,

n. 1, p.143-172, 3 jan. 2015. Annual Reviews

JARDIM-PERASSI, Bruna Victorasso. Avaliação da angiogênese em resposta ao tratamento com melatonina no câncer de mama: estudo in vitro e in vivo. 2014.

KASECKER, Fernanda G.; NUNES, Carlos P.. Melatonina e glândula pineal. Revista da Faculdade de Medicina de Teresópolis, Teresópolis, v. 1, n. 1, p.109-129, maio de 2017.

LIMA, Kelly Dhayane Abrantes. Modulação da interação neutrófilo-endotélio in vitro por melatonina: ação sobre as células endoteliais. 2011. Tese de Doutorado. Universidade de São Paulo.

LOPES, Ana Maria Souza. Efeitos do exercício físico sobre a atividade metabólica do tecido adiposo e muscular de ratos pinealectomizados tratados ou não com melatonina. Dissertação (Mestrado em Ciências) - Instituto de Ciências Biomédicas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2009.

MAGANHIN, Carla C. et al. Efeitos da melatonina no sistema genital feminino: breve revisão. Revista da Associação Médica Brasileira, v. 54, n. 3, p. 267-271, 2008.

MONTI, J; JANTOS, H. The roles of dopamine and serotonin, and of their receptors, in regulating sleep and waking. Progress In Brain Research, [s.l.], p. 625-646, 2008. Elsevier.

MOREIA, Andrea Cristiane Janz. A melatonina atenua o estresse oxidativo, ativa o estresse de retículo endoplasmático e a apoptose na hepatocarcinogênese experimental. 2015. 172 f. Tese (Doutorado) - Curso de Fisiologia, Ciências Básicas da Saúde, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2015.

MORERA, AL; HENRY, M.; DE LA VARGA, M. Seguridad en el uso de la melatonina. Actos españoles de psiquiatría , v. 29, n. 5 p. 334-337, 2001.

NEVES, Gisele S. Moura L. et al. Transtornos do sono: visão geral. Revista Brasileira de Neurologia, Rio de Janeiro, v. 49, n. 2, p. 57-71, jun. 2013.

POZO, María José; CAMELLO, Pedro J.. Melatonina y motilidad digestiva: implicaciones clínicas de la investigación básica. Gh Continuada, Cáceres, v. 6, n. 3, p. 125-128, jun. 2007.

REGALA, Joana Adelaide Mota de Oliveira et al. Locus Ceruleus humano: mapeamento dos neuroreceptores dopaminérgicos D1 e D2. 2013. Tese de Doutorado. Universidade de Lisboa.

REINHARDT, Érica Lui. Avaliação dos impactos do trabalho em turnos noturnos na produção de citocinas inflamatórias salivares e na secreção dos hormônios rítmicos melatonina e cortisol. 2013. Tese de Doutorado. Universidade de São Paulo.

RODRIGUES, Maria Rita. Modulação da ativação de macrófagos por neutrófilos e pelo hormônio melatonina e seu produto de oxidação N1-acetil-N2-formil-5-metoxiquinuramina. 2004 Tese de Doutorado. Universidade de São Paulo.

SCHAFFAZICK, Scheila Rezende. Desenvolvimento tecnológico e avaliação da atividade antioxidante de sistemas nano e microparticulados contendo melatonina. 2006. 276 f. Tese (Doutorado) - Curso de Farmácia, Ciências Farmacêuticas, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2006.

SEABRA, Aletéia Marieta da Silva. Efeito da melatonina sobre a migração de leucócitos, produção de óxido nítrico, citocinas e substâncias oxidantes na endotoxemia. 2012. 72 f. Tese (Doutorado) - Curso de CiÊncias Fisiológicas, Universidade Federal do Triângulo Mineiro – UFTM, Uberaba, 2012.

SILVA JÚNIOR, José Sinésio da. Os efeitos do treinamento físico aeróbio sobre a síntese de melatonina pineal em ratos. 2015. Tese de Doutorado. Universidade de São Paulo.

SILVA, Carolina Solon da. A ação do TNF-alfa na glândula pineal de roedores está envolvida na redução da produção de melatonina na obesidade. 2016. 92 f. Tese (Doutorado) - Curso de Farmacologia, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2016.

SILVA, Francieli Ruiz da. Sono e imunidade: evidências em voluntários saudáveis e em modelo murino de transplante de pele. 162 f. Tese (Doutorado) - Curso de Psicologia, Psicologia, Universidade Federal de São Paulo, São Paulo, 2011.

SILVA, Gabriela M. Z. da; AGUIAR, Lucas R. C.. Melatonina: como este hormônio atua na Doença de Parkinson. 2010. 7 f. TCC (Graduação) - Curso de Biológicas, Universidade Federal de Ouro Preto, Ouro Preto, 2010.

SILVA, Sueli de Oliveira. Oxidação de melatonina catalisada por mieloperoxidase em neutrófilos ativados. 2001. 73 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Análises Clínicas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2001.

SOUSA NETO, Júlio Anselmo; CASTRO, Bruno Freire de. Melatonina, ritmos biológicos e sono - uma revisão da literatura. Revista Brasileira de Neurologia, Belo Horizonte, v. 44, n. 1, p.5-11, mar. 2008.

TAMURA, Eduardo Koji. Efeito da melatonina sobre a produção endotelial de óxido nítrico in vitro e in vivo. 2009. 68 f. Tese (Doutorado) - Curso de Fisiologia Geral, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2009.

TEIXEIRA, Adriana. Propriedades antioxidantes da melatonina: inibição de enzimas pró-oxidantes e ação contra a peroxidação lipídica. 2003. 110 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de NeurociÊncias, Ciências Farmacêuticas, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2003.

VILLELA, Darine Christina Maia. Síntese de melatonina na glândula pineal de ratos: modulação pelo glutamato. 2005. Tese de Doutorado. Universidade de São Paulo.

XAVIER, Edgar Albernaz et al. O papel da melatonina na fisiologia normal e patológica: A melatonina na fisiologia. Revista Medicina e Saúde de Brasília, Brasília, v. 8, n. 1, p.64-74, 03 maio 2019.

ZENTENO, Maria Emilia. Efeito da melatonina no desenvolvimento da resposta imune mediada por linfócitos T CD4. 2015. 78 f. Tese (Doutorado) - Curso de Imunologia, Instituto de Ciências Biomédicas da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2015.

ZHANG, Rui et al. COVID-19: Melatonin as a potential adjuvant treatment.

Elsevier: Life sciences, Beijing, v. 250, n. 117583, p. 1-6, 23 mar. 2020.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n1-234

Refbacks

  • There are currently no refbacks.