Perfil epidemiológico das malformações congênitas do sistema nervoso central no estado do Pará, Brasil / Epidemiological profile of congenital malformations of the central nervous system in the state of Pará, Brazil

Tiago Sousa da Costa, Matheus Sallys Oliveira Silva, Adjanny Estela Santos de Souza, Alana Carla Sousa Carvalho, Carlos Eduardo Amaral Paiva, Karen Tavares dos Santos, Fabiane Corrêa do Nascimento, Francisco Alrimar Silva Xavier

Abstract


Objetivo: Descrever as características epidemiológicas das malformações congênitas do sistema nervoso central no estado do Pará, Brasil, no quinquênio 2014 a 2018. Metodologia: Trata-se de um estudo descritivo, do tipo corte transversal, baseado em dados secundários coletados do banco de dados do Sistema de Informações de Nascidos Vivos (SINASC). Resultados: No período analisado ocorreram 705.344 nascimentos, 613 eram de recém-nascidos com malformação do sistema nervoso central. A incidência foi de 0.8 casos/1.000 nascidos vivos. As características epidemiológicas que obtiveram maior prevalência foram: mães com idade entre 20 a 24 anos (31,6%); com 8 a 11 anos de escolaridade (56,46%); que realizaram 7 ou mais consultas pré-natais (38,13%); parto cesáreo (69,4%); cor/raça preta (64,32%); recém-nascidos do sexo feminino (53,4%); com idade gestacional entre 37 a 41 semanas (62,8%); e peso ao nascer entre 3000 a 3999g (33,4%). Conclusão: Através do estudo foi possível caracterizar o panorama epidemiológico das malformações congênitas do sistema nervoso central no estado do Pará, essas informações são indispensáveis para o planejamento de politicas públicas apropriadas e direcionadas a saúde materno-infantil, tendo como objetivo a prevenção e o controle.


Keywords


malformações congênitas, sistema nervoso central, recém-nascido, epidemiologia.

References


BARROS, de Quental Ocilma et al. Congenital Malformations: a Prevalence Study in the City of Sousa, Paraíba, Between 2012 and 2014. International Archives of Medicine, v. 8, 2015.

BRASIL. Ministério da Saúde. PORTARIA Nº 570, DE 1º DE JUNHO DE 2000. Disponível em: . Acesso em: 28 out. 2019.

BRITO, Rossana de Sousa et al. Malformações congênitas e fatores de riscos materno em Campina Grande, Paraíba. Rev. Rene, Fortaleza, v. 11, n. 2, p. 27-36. 2010.

CABRAL-OLIVEIRA, Fernando C. et al. Defeitos Congênitos–Tópicos Relevantes. Gazeta Médica da Bahia, v. 78, n. 2, 2008.

DUTRA, Laisla Pires; LIMA, Andréia Ribeiro de Oliveira; JUNIOR, Elzo Pereira Pinto. Características clínicas e epidemiológicas das malformações congênitas do sistema nervoso central em recém-nascidos. Journal of Chemical Information and Modeling, v. 110, n. 9, p. 1689–1699. 2017.

FONTOURA, Fabíola Chaves; CARDOSO, Maria Vera Lúcia Moreira Leitão. Associação das malformações congênitas com variáveis neonatais e maternas em unidades neonatais numa cidade do nordeste brasileiro. Texto & Contexto-Enfermagem, v. 23, n. 4, p. 907-914, 2014.

FRANÇA, Elisabeth Barboza et al. Principais causas da mortalidade na infância no Brasil, em 1990 e 2015: estimativas do estudo de Carga Global de Doença. Revista Brasileira de Epidemiologia, v. 20, p. 46–60, 2017.

GUERRA, Fernando Antônio Ramos et al. Defeitos congênitos no Município do Rio de Janeiro, Brasil: uma avaliação através do SINASC (2000-2004). Cadernos de Saúde Pública, v. 24, n. 1, p. 140-149, 2008.

LUZ, Geisa Dos Santo; KARAM, Simone de Menezes; DUMITH, Samuel Carvalho. Anomalias congênitas no estado do Rio Grande do Sul: análise de série temporal. Revista brasileira de epidemiologia = Brazilian journal of epidemiology, v. 22, p. e190040, 2019.

LIMA, Nathácia Almeida et al. Perfil Epidemiológico das Malformações Congênitas em Recém-Nascidos no Estado do Rio Grande do Norte no Período de 2004 a 2011. Rev. bras. ciênc. saúde, p. 45-50, 2018.

MARTINS, Quitéria Pricila Mesquita et al. Conhecimentos de gestantes no pré-natal: evidências para o cuidado de enfermagem. SANARE-Revista de Políticas Públicas, v. 14, n. 2, 2015.

NAZER, Julio; LÓPEZ, Camelo Jorge; CASTILLA, Eduardo E. ECLAMC: Estudiode 30 años de vigilância epidemiológica de defectos de tubo neural en Chile y em Latinoamérica. Rev Med Chil. 129(5):531-9. 2001.

NEVES, Dilma Costa de Oliveira et al. Malformações congênitas do sistema nervoso como causa de mortalidade infantil no estado do Pará no período de 2007 a 2016. Research Medical Journal. Pará. v 1, P 1 - 8. 2017.

PANTE, Fernanda Raymundo et al. Malformações congênitas do sistema nervoso central: prevalência e impacto perinatal. Revista da AMRIGS, v. 55, n. 4, p. 339-44, 2011.

PNUD. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento: os objetivos do desenvolvimento sustentável. dos ODM aos ODS. 2015.

PORTUGAL. Ministério da Saúde. Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge. Registo Nacional de Anomalias Congénitas: 11 anos de vigilância em Portugal [Internet]. Lisboa: Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge; 2015.

REIS, Adriana Teixeira et al. Prevalência de malformações congênitas no município do Rio de Janeiro, Brasil, entre 2000 e 2006. 2011.

RODRIGUES, Livia dos Santos et al. Características das crianças nascidas com malformações congênitas no município de São Luís, Maranhão, 2002-2011. Epidemiol e Serv. Saúde, Brasília, v. 23, n.2, p.295-304. 2014.

SILVA, DE LOURDES TEIXEIRA SILVA, Liliane et al. Pais de bebês malformados: Um enfoque vivencial. Revista de Enfermagem do Centro-Oeste Mineiro, 2013.

SOUSA, Fabricio Moraes et al. Perfil das crianças com malformações congênitas do aparelho digestivo Teresina-PI. RevEnferm UFPI. Piauí, v.2, n.3, p.60-6, jul./set. 2013.

TURCI, Silvana Rubano Barretto; GUILAM, Maria Cristina Rodrigues; CÂMARA, Maria Clara Coelho. Epidemiologia e Saúde Coletiva: tendências da produção epidemiológica brasileira quanto ao volume, indexação e áreas de investigação - 2001 a 2006. Ciência & Saúde Coletiva, v. 15, n. 4, p. 1967–1976, 2010.

VIERA, Claudia Silveira et al. Caracterização de nascidos vivos com malformações congênitas de um hospital escola do oeste do Paraná. Revista Varia Scientia Ciências da Saúde, v. 2, n. 2. 2016.

VIEIRA, Maria Salete Medeiros et al. Dificuldades para a identificação da causa do óbito fetal: como resolver? Rev Bras Ginecol Obstet. 34(9): 403-8. 2012




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n1-221

Refbacks

  • There are currently no refbacks.